Refugiado e prostituído

O testemunho de um adolescente de 16 anos cuja fome o levou à prostituição e às drogas

PUBLICIDADE 5

Segundo dados da União Europeia, os países do bloco receberam em 2016 cerca de 890 mil pedidos de asilo. Mais de meio milhão desse montante corresponde a pessoas que entraram na Europa sem registro ou ilegalmente – afinal, foram apenas 330 mil chegadas oficiais.

No mesmo ano, segundo o projeto Migrantes Desaparecidos, foram registradas mais de 5.000 mortes nas rotas marítimas de Grécia e Itália. Em 2017, a mesma iniciativa, que faz parte da estrutura da IMO (sigla em inglês para Organização Internacional de Migrações), contabiliza 1.828 mortes apenas no primeiro semestre.

Uma vez na Europa, a vida dos refugiados nem de longe se torna mais fácil. Hoje se desconhece o número real de refugiados em Atenas, capital da Grécia. Os serviços sociais e o próprio governo estão sobrecarregados. A maior parte do gerenciamento está entregue a voluntários independentes, oriundos principalmente de países da União Europeia.

Adolescentes desacompanhados formam um dos maiores grupos de refugiados e, sem dúvida, o mais vulnerável. São rapazes em sua maioria. Em geral, jovens que chegam à Europa em busca de algum familiar. Esses meninos estão sozinhos na vida. Vão fazer o que for possível e impossível para sobreviverem. Não têm qualquer outra alternativa. Uma situação totalmente desesperadora.

Eles acabam sendo presas fáceis para as redes de tráfico de pessoas e de exploração sexual. Por alguns euros, esses rapazes aceitam se prostituir. Com isso, podem conseguir viver por mais alguns dias ou então, com sorte, pagar grupos mafiosos que podem ajudá-los a sair do país. Ilegalmente, claro. A maioria, com marcas que serão para toda a vida, acabam caindo no mundo das drogas para esquecerem da vergonha e da dor. Uma vez que entram na espiral da prostituição e vício em drogas, o futuro fica longe. O círculo fica fechado para eles.

Poucos terão a sorte de encontrar a ajuda de uma organização de voluntários independentes - já que as grandes entidades não têm atuado sobre essa questão na Europa. E é essa ajuda que lhes permitirá atingir o objetivo com o qual chegaram a Atenas: conseguir uma vida melhor. Um pouco melhor.

Lucíla Rodríguez-Alarcón é diretora geral da ONG de jornalismo investigativo PorCausa, com sede em Madri, mas que conta com uma rede de colaboradores em toda Europa. A equipe de campo desta reportagem não pode ser creditada por motivos de segurança.

Curtiu? Compartilhe.

Topo