Topo

Notícias


Pesquisadores desenvolvem aplicativo que facilita produção de deepfake

Pesquisadores criam programa que facilita deep fake - Reprodução
Pesquisadores criam programa que facilita deep fake Imagem: Reprodução

Do TAB, em São Paulo

20/08/2019 15h53

Criar um deepfake não é tarefa fácil. Manipular um vídeo exige conhecimento de programação e um hardware potente. Mas nem sempre será assim.

Pesquisadores da Universidade de Bar-Ilan, em Israel, desenvolveram um programa que a tecnologia de troca de rostos (face swapping) para criar deepfakes. O programa, chamado FSGAN, consegue trocar rostos de etnias e até tons de pele diferentes.

Em artigo publicado, é informado que o programa custa caro: foram necessários oito processadores de cerca de US$ 10 mil para treinar uma rede que o programa usa para criar os vídeos.

Os pesquisadores dizem que, em breve, o código do programa será divulgado em uma plataforma de código aberto, o que deverá baratear os custos.

Para os especialistas, é importante a divulgação dos detalhes do programa porque escondê-los "não impediria seu desenvolvimento", mas sim deixaria o público e os responsáveis por criar as leis sem entender o verdadeiro potencial dos algoritmos.

"Nosso método elimina a laboriosa coleta de dados específicos e o treinamento de modelos, tornando a troca de rosto e reconstituição acessível a não especialistas", escrevem. "Sentimos fortemente que é de suma importância publicar tais tecnologias, a fim de impulsionar o desenvolvimento de contra medidas técnicas para detectar tais falsificações, bem como obrigar os legisladores a estabelecer políticas claras para lidar com suas implicações."

Fique por dentro de comportamento e cultura seguindo o TAB no Instagram e tenha conteúdos extras sobre inovação, tecnologia e estilo de vida.

Mais Notícias