Topo

SxSW


Best seller, pastora "rockstar" descontrói sermão e inova com fé feminista

Jacqueline Lafloufa

Colaboração para o TAB, em Austin

2019-03-13T04:01:00

13/03/2019 04h01

Tatuada, estilosa e bem-humorada. Nadia Bolz-Weber passaria fácil por uma estrela do rock se tivesse subido ao palco do South by Southwest acompanhada de uma banda. Fundadora e ex-pastora da congregação luterana House of All Saints and Sinners (Casa de Todos os Santos e Pecadores, em tradução livre para o português) e autora de três best sellers do "The New York Times", Bolz-Weber chamou a atenção por abrigar em sua igreja os deslocados, desajustados e rebeldes que não se viam representados em instituições religiosas tradicionais.

Apesar de criada em uma família conservadora, Bolz-Weber se desviou do estilo de vida pregado - e não necessariamente cumprido - por esse grupo: é alcoólatra, demorou a completar seus estudos e já fez aborto. No entanto, quando foi convidada a dizer algumas palavras no funeral de um de seus amigos, percebeu que faltava às pessoas de seu círculo, cada uma com sua parcela de "pecados", a figura de alguém que pudesse trazer o conforto da crença em uma entidade superior, de ser uma referência de espiritualidade. "Seu Deus pode ser Buda ou a Beyoncé, não importa. Basta acreditar que é uma entidade mais poderosa do que nós mesmos", explicou. Nesse momento, ela teve um clique: poderia ser uma pastora para essa turma toda.

A capacidade de Bolz-Weber de se conectar a perfis que não são bem recebidos ou bem atendidos pelas religiões tradicionais, além do seu refinado humor e sagacidade, a colocaram em evidência com uma parcela de fiéis que cada vez mais rejeitava as instituições religiosas: o público feminista. Ela conta ter conversado com pessoas que lhe procuravam buscando uma solução para o incômodo que sentiam por querer ensinar a seus filhos ou netos uma oração de que gostavam, ou um rito religioso que professavam, mas que não toleravam os posicionamentos de suas igrejas, como a falta de representatividade feminina entre as lideranças.

As pessoas não odeiam a maravilhosa mensagem de Deus. Elas odeiam as instituições. E é muito provável que a igreja seja a última instituição que vai falar sobre igualdade de gêneros

Nadia Bolz-Weber, em provocação sarcástica a instituições religiosas

De acordo com Bolz-Weber, a falta de mulheres nas instituições cristãs é fruto de más interpretações. "Muitas vezes, se afastar de uma religião ou igreja é um ato de autopreservação", destaca ela ao confessar que se manteve por ao menos uma década distante das práticas espirituais. Na sua visão, muitas igrejas baseiam suas culturas machistas em teologias mal interpretadas, fazendo uso das passagens bíblicas como uma forma de estabelecer uma dominância sobre outros grupos.

"Se você puder abrir a Bíblia e explicar por que você é dominante, é como se você passasse a ter uma aprovação divina para o que você faz. 'É a vontade de Deus'", contextualiza. Diante disso, ela se posiciona como uma teóloga capaz refutar os argumentos usando a mesma base bíblica. "Não existe interpretação definitiva", completa.

Jacqueline Lafloufa
Nadia Bolz-Weber fala durante painel no Sout by Southwest 2019 em Austin, nos EUA Imagem: Jacqueline Lafloufa

Liturgia sem letargia

Nadia Bolz-Weber acredita que é preciso trazer "você por inteiro" para a igreja. Não é possível deixar o "pecado" e os "maus caminhos" lá fora. Por isso, ela vem como é: com seu passado alcoólatra, com seu humor, com suas tatuagens, e incentiva seu 'rebanho' a fazer o mesmo, sem negar o passado. "Podemos pegar o que nos machucou e transforma em outra coisa", explica.

A frase sintetiza o projeto que a pastora idealizou e apresentou em parceria com a publicação feminista MAKERS. Bolz-Weber convidou mulheres que ainda tinham seus "anéis de pureza" - símbolo que a igreja evangélica norte-americana incentivava suas fiéis a utilizarem até o dia do casamento - a enviarem a jóia a ela para que os metais fossem fundidos e transformados em uma escultura em forma de vagina. "Precisei superar o 'não' de seis artistas homens que se recusaram a participar do projeto", contou Bolz-Weber. Rindo, ela disse que foi uma mulher, no fim, a responsável pelo derretimento dos metais e criação da peça, que foi oferecida a Gloria Steinem, líder do movimento feminista nos EUA.

Para além das instalações artísticas, a parceria com a publicação feminista MAKERS continua a render. Bolz-Weber estreou a segunda temporada de vídeos com sermões bem-humorados, leves e feministas, todos disponíveis no YouTube.

Mas a desconstrução do culto tradicional não afasta o grupo de Bolz-Weber dos conceitos básicos do cristianismo. Ela ajuda a trabalhar a ideia de perdão e a propagar a paz, ainda que o faça com um linguajar, no mínimo, despojado. Para quem sente falta de uma espiritualidade, mas detesta o formalismo e tradições das igrejas convencionais, Bolz-Weber soa como uma benção que, de tão atraente, também parece ser óbvia: dá para ser feminista e ter fé, sem dúvidas.

Mais SxSW