Topo

Notícias


Reconhecimento facial chega às pistas de show. Artistas protestam

Ticketmaster usará tecnologia de reconhecimento facial em shows - Reprodução/Fight for the Future
Ticketmaster usará tecnologia de reconhecimento facial em shows Imagem: Reprodução/Fight for the Future

Letícia Naísa

Do TAB, em São Paulo

11/09/2019 04h00

A empresa Ticketmaster anunciou que usará tecnologia de reconhecimento facial em shows nos Estados Unidos. Em resposta, o guitarrista Tom Morello, a cantora Amanda Palmer e outros artistas estão divulgando uma petição da ONG americana Fight for the Future para barrar a decisão.

As críticas ao novo método, no entanto, giram em torno de questões envolvendo privacidade e de falhas na tecnologia que podem gerar situações de desconforto.

"Reconhecimento facial funciona com coleta de dados biométricos que são dados sensíveis e, como tal, têm que ter uma maior proteção do que outros dados pessoais", explica Joana Varon, diretora executiva da Coding Rights, organização de defesa dos direitos humanos na internet.

A principal preocupação é a falta de transparência com o que será feito com esses dados, como eles serão armazenados e com quem serão compartilhados. "É uma tecnologia que aumenta vários riscos de proteção aos nossos dados e [compromete a] privacidade dos indivíduos", diz Varon.

"Não tem o mínimo de transparência", afirma Dennys Antonialli, diretor do InternetLab, centro independente de pesquisa em direito e tecnologia. "Nenhuma empresa deveria se aventurar a lançar um programa de reconhecimento facial sem deixar claro esse tipo de política."

No Brasil, recentemente foi desautorizado o uso desse tipo de tecnologia pela ViaQuatro, empresa privada que faz a gestão de uma das linhas de metrô na cidade de São Paulo. Algumas cidades nos Estados Unidos também baniram o reconhecimento facial para fins de segurança pública, por entender que fere o direito à privacidade. Em Salvador (BA), um homem foi preso durante o Carnaval por conta do uso de reconhecimento facial.

Segundo a empresa, o sistema deverá facilitar a entrada do público nas casas de show e fazer as filas andarem mais rápido. Ao invés de carregar o ingresso impresso ou no celular, a pessoa poderá apenas comparecer ao lugar do show e ter o rosto escaneado.

"Vale a pena, por conta de uma conveniência, submeter-se a isso de tecnologia?", questiona Antonialli. Para o especialista, a tecnologia pode apenas piorar o problema e criar situações de discriminação, uma vez que já é provado que o reconhecimento facial ainda é falho quando se trata de rostos de pessoas negras e mulheres.

"Os homens brancos vão passar muito mais fácil e rápido nas filas do que os negros; isso gera discriminação", afirma o diretor do InternetLab. "E como não se sabe para que esses dados serão usados, a ação pode trazer prejuízos. Eles podem começar a identificar pessoas que estão em situação irregular no país, por exemplo."

Varon concorda: "Pode acontecer o contrário, começar a dar erro no sistema e piorar as filas, não vai servir nem para os fins propostos", opina.

Para ela, assim como para a artista Amanda Palmer, shows de música são lugar de liberdade de expressão. "Não é um lugar de vigilância em massa que possa causar situações de discriminação e desconforto por erro das tecnologias ou por abuso dos dados que estão sendo coletados com essa tecnologia de vigilância", diz.

Mais Notícias