Topo

Sociedade


Festa mistura carabina e cerveja, com miss armada e criança atirando

Cartaz com o mascote, o rei, rainha e princesas da Schützenfest, a festa do tiro de Jaraguá do Sul (SC)   - We Art/Divulgação
Cartaz com o mascote, o rei, rainha e princesas da Schützenfest, a festa do tiro de Jaraguá do Sul (SC) Imagem: We Art/Divulgação

Daniel Lisboa

Colaboração para o TAB, de Jaraguá do Sul (SC)

27/11/2019 04h00

A Schützenfest é a maior festa de atiradores do Brasil. Alguns garantem que é a segunda maior do mundo. Perde apenas para a edição alemã. Mesmo sabendo disso, tomei um susto ao entrar no evento.

Imaginava uma área para tiros apartada do público, destinada apenas a quem realmente queria dar uns pipocos. Mas encontrei os 26 estandes de tiros logo na entrada. Na fila, homens, mulheres, idosos e crianças aguardavam a oportunidade de acertar os três pequenos alvos dispostos ao fundo.

Uma criança está no colo de um homem. Depois monta em seus ombros. Outra mal consegue segurar a arma e recebe ajuda do pai para manejá-la. No estande ao lado, um garoto com não mais de cinco anos de idade esbanja independência e, sozinho, aperta o gatilho. Sua pose é a de um atirador confiante e vivido.

Se você está chocado, vale esclarecer: trata-se de tiro esportivo, e as carabinas disparam apenas chumbinhos e setas. Em sua 31º edição, a Schützenfest, realizada em Jaraguá do Sul (SC), celebra uma longa tradição de imigrantes alemães do Vale do Itapocu. Em 2019, foi realizada entre 7 e 17 de novembro.

Chope com chumbinho

Na prática, é uma espécie de Oktoberfest com tiros. São 10 dias de música tradicional alemã, comida alemã, trajes típicos alemães e, claro, muito chope. A principal diferença para a famosa festa da vizinha Blumenau está justamente no fato de que, entre uma golada e outra, você pode testar sua mira pagando R$ 6 para dar três tiros.

Além de longeva, a Schützenfest bateu recorde de público este ano: pouco mais de 117 mil pessoas passaram pelo parque de eventos de Jaraguá do Sul. Mesmo assim, é virtualmente desconhecida fora de Santa Catarina. Daí o espanto, no meu caso, quando se descobre a existência de uma festa que mistura tiros com álcool.

Schützenfest Jaraguá/Facebook
Imagem: Schützenfest Jaraguá/Facebook

Cheguei a Jaraguá do Sul lutando contra as sempre danosas ideias preconcebidas. O contexto não conspirava a meu favor: as características peculiares da festa, o momento político do país e as particularidades do Vale do Itapocu me davam a sensação de estar a caminho de um evento da ANR americana (Associação Nacional do Rifle) no interior do Alabama.

Justiça seja feita, muito do meu receio estava calcado em fatos. Rica, desenvolvida e segura, a região é também fonte frequente de notícias assustadoras. Em outubro, neonazistas espalharam cartazes em homenagem a Adolf Hitler em postes da cidade de Itajaí. Em Pomerode, também na região, um helicóptero descobriu ao acaso uma suástica decorando o fundo da piscina de uma residência. O episódio aconteceu em 2014.

Um amigo que morou em Blumenau contou que o vizinho comemorou o resultado das eleições passadas com uma bandeira da Klu Klux Klan. Sempre tive dificuldade em acreditar no absurdo do relato, mas eis que uma matéria publicada esta semana revela que Blumenau tem duas células da organização racista norte-americana.

Miriam Leitão "desconvidada"

Para completar, a própria Jaraguá do Sul teve sua parcela de cenas lamentáveis. A edição deste ano da Feira do Livro desconvidou a jornalista Miriam Leitão e seu marido, o sociólogo Sérgio Abranches, depois de um abaixo-assinado online criado pelo advogado local Danilo Faggian.

Faggian é um frequentador da Schützenfest, que, na edição de 2017, recebeu o deputado federal Eduardo Bolsonaro. Ele postou no Twitter fotos nas quais aparece atirando, comendo e posando ao lado do mascote da festa, um boneco loiro e sorridente com chapéu tradicional e uma enorme carabina em uma das mãos.

Jair Bolsonaro teve 83,23% dos votos em Jaraguá do Sul, no segundo turno da eleição presidencial. Não é segredo para ninguém que facilitar o acesso às armas sempre foi uma bandeira do presidente e sua família. Quem sabe eu sairia da Schützenfest convencido sobre adquirir uma potente e precisa máquina de matar? Não foi o que aconteceu.

Brincando de atirar

O festival reúne 17 sociedades de tiro da região. Há uma premiação diária para seus membros e outra para o público em geral. Um cartaz explica os sete passos para um "tiro perfeito": "postura confortável", "posição correta", "deixe a arma equilibrada no apoio", "segure a arma com firmeza, mas sem exagerar na força", "controle sua respiração", "puxe o gatilho gradualmente", "continue fazendo mira por alguns segundos após o disparo".

Pago R$ 6 e decido me integrar às tradições locais. Recebo o papel com os três pequenos alvos e aguardo minha vez. Não demora para estar diante de uma das carabinas. O instrutor explica como devo segurá-la e mirar. Apesar de grande, a arma é bem mais leve do que eu esperava. Os alvos parecem ridiculamente minúsculos e distantes. Começo pelo do meio, depois atiro no da direita e, por fim, no da esquerda.

O repórter testa sua mira na competição de tiro de Jaraguá do Sul  - Eduardo Montecino/PMJS
O repórter testa sua mira na competição de tiro de Jaraguá do Sul
Imagem: Eduardo Montecino/PMJS

Recebo o papel de volta e vejo que meu desempenho não foi assim tão ruim: dois dos tiros resvalam no centro do alvo. Apesar de ser absolutamente contra armas, por um instante me imagino como o forasteiro que chegou para fazer uma reportagem e acabou ganhando o troféu. O instrutor logo enterra meus sonhos: quem não chega nem a atingir o centro do alvo está distante de qualquer possibilidade de sair dali ovacionado.

Sigo constrangido em ver tantas crianças empunhando as armas. Penso que, fossem meus filhos, eu faria de tudo para demovê-las da ideia. Por outro lado, qual a diferença daquilo para um jogo de videogame com tiros? Ou das guerrinhas com armas de água pelas quais eu era apaixonado quando moleque?

Posse, sim. Liberar geral, não

A Associação dos Clubes e Sociedades de Tiro do Vale do Itapocu (ACSTVI) é a criadora e organizadora da Schützenfest. Seu presidente, Luiz Carlos Bierende, esguio e atencioso, me recebe no abafado escritório improvisado ao lado dos estandes de tiro. "Nossas sociedades praticam apenas o tiro esportivo. Não somos caçadores. De caçadores, queremos distância", faz questão de esclarecer.

Pergunto sobre este momento, em que todo mundo parece ter uma opinião sobre flexibilizar ou não a posse e o porte de armas. Ele deixa claro que é a favor da posse, porque "muita gente boa" que "mora em fazendas" está à mercê de "malandros". É comedido, porém, ao falar sobre o porte. "Neste caso, a pessoa vai ter que fazer todo um trabalho, de psicólogo, um monte de coisas até chegar e comprar a arma. Não é só chegar na loja, tem que passar pelo processo todo."

A conversa com Bierende inaugura uma sensação que vai permear o resto da cobertura: a de que, justamente por terem intimidade com as armas desde cedo, as pessoas da comunidade falam sobre o assunto de forma séria e conscienciosa. Conversei com dezenas delas, e não ouvi de ninguém uma defesa aberta ou histérica pelo "liberar geral".

Poster da edição de 2018 da festa - Daniel Lisboa/UOL
Poster da edição de 2018 da festa
Imagem: Daniel Lisboa/UOL

É o caso de Henrique Steffens. Membro da Sociedade Vieirense, o rapaz loiro de 22 anos trajando roupas típicas é o estereótipo perfeito de um soldado prussiano. Ele não sorri nem olha no meu rosto durante a entrevista. Praticante do tiro esportivo desde os cinco anos, diz que a discussão sobre as armas precisa "sair do nível da idealização" e ser feita de "forma consciente" para superar a ideia de que arma é um "símbolo de masculinidade".

Ele é favorável às armas para defesa pessoal, mas ressalta que, nas comunidades locais, as armas são respeitadas como "algo sagrado". Este contexto cultural e comunitário, acredita, forma um ambiente seguro para as armas. Fora deles, o assunto deve ser tratado com muito cuidado.

Gilberto Kaszubowski é outro membro de uma sociedade de tiro, no caso a Hansa Humbold. Descobriu (e gostou) do tiro esportivo na própria Schützenfest, há trinta anos. Pratica as modalidades carabina apoiada, chumbinho apoiado e seta livre. Foi medalha de prata nos jogos abertos de Santa Catarina em 2009. Defende a posse de arma em casa, mas acha que flexibilizar o porte já é algo "complicado".

"Porque aí qualquer briguinha, e o cara tá meio fora do normal, é perigoso. O porte de arma não passou no Congresso nem para oficial de Justiça." Lembro que tentaram facilitar o porte até para jornalistas, e eu poderia estar armado naquele momento. "Isso não existe", responde, claramente considerando tal possibilidade um completo absurdo.

Banda se apresenta na Schützenfest, em Jaraguá do Sul (SC) - Eduardo Montecino/PMJS
Banda se apresenta na Schützenfest, em Jaraguá do Sul (SC)
Imagem: Eduardo Montecino/PMJS

Evandro Vargas, da sociedade Rio da Prata, não ostenta o mesmo currículo de Kaszubowski. Segundo ele, porque "gosta de um choppinho". Vale esclarecer: durante a festa, as armas não saem dos estandes, e, a não ser por um membro ou outro de uma sociedade, não há gente circulando armada.

Evandro chegou a "rei" duas vezes e a "1º príncipe" uma vez nos campeonatos internos da sociedade. Sua especialidade é a seta, que, ele explica, não é diferente do chumbinho entre os já experientes. Sua defesa das armas é um pouco mais explícita que a dos colegas. "Quando foi feita a lei do desarmamento, foi para evitar tragédias. E não ajudou em nada, porque o bandido continua armado. Eu moro em chácara, saio com minha esposa para trabalhar e minha mãe de 72 anos fica sozinha. Não temos proteção nenhuma, a polícia já está sobrecarregada na cidade. Por isso, sou a favor da posse", explica. "Já andar com uma arma na rua são outros quinhentos."

Os pôsteres antigos

A identidade visual da Schützenfest está repleta de símbolos que constrangeriam qualquer militante antiarmamentista. As armas estão por toda parte. O espaço que funciona como praça de alimentação, por exemplo, é decorado com imagens de alvos e carabinas. Ao lado de flores.

O principal espaço do evento é um amplo salão de festas onde estão os camarotes e ocorrem as premiações. Em seu andar superior está o escritório administrativo da festa, onde é possível encontrar cartazes de edições anteriores da Schützenfest.

O logotipo oficial da edição 2019 é um alvo com um chapéu típico alemão e três buracos de bala fumegantes. Nada comparável aos pôsteres antigos, verdadeiras obras-primas do nonsense.

O da edição 2002, por exemplo, mostra uma mulher com um bebê de colo ao lado do mascote da festa. O personagem sorri efusivamente enquanto segura uma arma quase do seu tamanho. Atrás da moça, como se fotografado sem querer, um homem de óculos e vestes típicas exibe um olhar nada amigável.

Já o cartaz de 2001 tem a foto de um casal, também devidamente trajado com vestes típicas, acompanhado por duas crianças. O mascote sorridente e armado flutua sobre eles, enquanto a primeira das quatro pequenas fotos na parte inferior mostra homens atirando com suas carabinas de chumbinho. "Venha com sua família e divirta-se na Schützenfest", pede o pôster.

Impossível não achar discutível cartazes nos quais famílias, crianças e armas aparecem lado a lado, mesmo que a menção seja ao tiro como modalidade esportiva. Porém, vejam só: não presenciei qualquer coisa parecida com uma briga em dois dias. O clima esteve sempre pacífico. Convenhamos: você já foi a festas que não usam armas em seus flyers e que terminaram em pancadaria ou coisa pior.

Casal gay e drag queen

A festa ganha ares de balada a partir das 20h. Às famílias juntam-se jovens com canecas penduradas no pescoço e chapéus com penas e macacões germânicos. As bandas se apresentam uma atrás da outra e misturam músicas tradicionais com Mamonas Assassinas, Queen, Tim Maia e Black Eyed Peas.

São bandas locais que, para surpresa do forasteiro, têm séquitos de fãs. Nas mesas diante de um dos palcos, crianças, adultos e velhinhos reproduzem as coreografias folclóricas enquanto degustam seus salsichões e strudel.

Avisto um casal gay e saio correndo atrás dele. Eles andam de mãos dadas tranquilamente em meio ao público. Por essa eu definitivamente não esperava. Ponto para a Schützenfest. É a primeira vez que Wellington Alves e José Granemann vão ao evento. Garantem que até ali não houve nenhum problema. "A gente está vivendo o nosso momento. Estamos cientes de que esta é uma festa alemã 'raiz'. O resto da comunidade (gay) está toda aqui também."

Outra personagem que não esperava encontrar é a drag queen Sirena. Ela faz performances e se apresenta como DJ na cidade. "Acho que Jaraguá do Sul evoluiu muito nesta questão do tradicionalismo. A galera está com a mente aberta. Estou aqui no meio, dançando, pedem para tirar fotos", diz.

Sirena conta que foi à festa montada pela primeira vez em 2017. Estava receosa, mas foi "super tranquilo". "Percebi que não rolou nenhum retrocesso, nenhuma exclusão, e que a festa estava de boa. A Schützenfest é família, o que para mim é muito mais que um casal hétero."

"Festa quase virou Carnaval"

A festa caminha para o final, e as majestades do tiro serão coroadas em várias categorias. Inclusive juvenil, com crianças recebendo suas faixas. O salão de festas está relativamente vazio quando Tiago Rafael Perin e Ináurea Reinke Schmidt levam os títulos principais de rei e rainha do tiro. Ele pela primeira vez, ela tetracampeã. Mesmo afônico, o prefeito Antídio Lunelli (MDB) acompanha a cerimônia. E aceita dar uma entrevista.

Gabriel Vieira/PMJS
Imagem: Gabriel Vieira/PMJS

"A Schützenfest é extremamente familiar. Não estamos tão preocupados com números, apesar dos recordes que temos batido. Nossa preocupação é com a qualidade, já que é uma festa da manutenção das nossas tradições germânicas", diz o prefeito. "Nós a resgatamos. No passado, a festa foi sendo largada até virar quase um Carnaval e perder a identidade."

Lunelli fala bastante sobre a força das sociedades de tiro na região e lamenta que algumas tenham desaparecido. Destaca que Jaraguá do Sul, com mais de 100 mil habitantes, foi considerada a cidade mais segura do Brasil. "É uma cidade onde as coisas funcionam, apesar da situação difícil pela qual passamos na última década. Jaraguá do Sul já foi o terceiro parque industrial do estado, e hoje é o sétimo", lamenta.

A princípio o prefeito refuta qualquer ligação entre a cultura do tiro na cidade e o fato de ela apresentar ótimos índices de segurança. "Absolutamente não. Estamos falando de um esporte", afirma. "Apesar de que o nosso povo aqui atira bem, viu?", brinca. "A atuação da nossa polícia é muito forte. Trabalhamos muito unidos, e posso te garantir uma coisa: bandido que passa as fronteiras de Jaraguá do Sul dificilmente sai."

A Schützenfest 2019 terminou com 90.159 tiros disparados e 163.288 copos de chope servidos.

Sociedade