Topo

Arte & Design


"Vingadores" é sintoma da geração que ainda precisa de heróis

Fãs se vestem com as roupas dos personagens dos Vingadores na estreia em Hollywood - Frederic J. Brown/AFP
Fãs se vestem com as roupas dos personagens dos Vingadores na estreia em Hollywood Imagem: Frederic J. Brown/AFP

Matheus Pichonelli

Colaboração para o TAB, em São Paulo

02/05/2019 04h01

Um meme que correu as redes sociais às vésperas da estreia perguntava, ao amigo internauta, qual personagem aleatório derrotaria Thanos, o temido vilão que exterminou parte do planeta em "Vingadores - Ultimato".

Se depender do parque exibidor nacional, nenhum.

Em sua semana de estreia no Brasil, a superprodução da Marvel Studios ocupou cerca de 80% das salas de cinema, causando assombro e indignação entre distribuidores e realizadores nacionais. Pelo mundo, o longa faturou US$ 1,2 bilhão em um fim de semana. Um recorde.

Nem mesmo o Reserva Cultural resistiu: em comunicado a seus seguidores, a meca do cinema autoral da avenida Paulista informou que também abriria as portas a "um dos filmes mais aguardados do momento".

Potes de pipoca na estreia de "Vingadores: Ultimato" em La Paz, capital da Bolívia - David Mercado/Reuters
Potes de pipoca na estreia de "Vingadores: Ultimato" em La Paz, capital da Bolívia
Imagem: David Mercado/Reuters

Os números simbolizam não só a superdependência de uma fórmula de retorno imediato aos exibidores. Simbolizam também uma época marcada pelo imediatismo, pela carência de referências e pela busca desesperada por heróis - ou arquétipos heroicos para enfrentar os debates mais urgentes. Na política, no trabalho, nas relações afetivas, estamos todos à espera da salvação.

A diferença é que, dentro das telas, os heróis não decepcionam.

Uma nova mitologia

Se cinema é um espaço de reflexão, o quase monopólio de um filme com pegada adolescente, em salas cada vez mais equipadas, parece dizer muito sobre um contexto social mais amplo, em que o próprio presidente da República se sente à vontade para anunciar um plano de descentralização de investimentos em faculdades de humanas para "focar em áreas que gerem retorno imediato ao contribuinte".

Em tempos de crise econômica, relações de trabalho precárias e perda de identidade, a lógica da sobrevivência e do "retorno imediato" passa a dar o tom das relações.

Com a língua de fora, todos parecem cansados demais para pensar (filosofar?) sobre si, e sobre o próprio mundo, inclusive nas horas de descanso. É a senha para abraçar fórmulas-prontas.

Leda Tenório da Motta, professora no Programa de Comunicação e Semiótica da PUC-SP e pesquisadora do CNPq, faz um paralelo entre o apelo dos super-heróis contemporâneos e a mitologia da Grécia antiga. "Os primeiros filósofos brigaram com os mitos como forma de combater as ideias feitas. A primeira filosofia é isso: uma briga contra as fórmulas", define.

Segundo ela, toda a mitologia contemporânea é reconduzida aos velhos relatos lendários. "E toda a beleza disso é deixar ver os criadores da indústria cultural como os mitógrafos da atualidade e suas criaturas, como os novos heróis legendários. Há Titãs nas mídias, nas propagandas dos sabões e detergentes."

Ilustradora grega pinta cartaz de "Vingadores: Ultimato" que decorou entrada de cinema em Atenas - Alkis Konstantinidis/Reuters
Ilustradora grega pinta cartaz de "Vingadores: Ultimato" que decorou entrada de cinema em Atenas
Imagem: Alkis Konstantinidis/Reuters

Fica difícil não fazer referência a Aldous Huxley e seu "Admirável Mundo Novo", onde os personagens compensavam as rotinas robóticas entre a anestesia das dores e a falsa sensação de euforia. Um dos instrumentos para atingir tal estado eram os psicotrópicos. Outro, o cinema sensível, onde o público desaprendia a pensar enquanto levava aos limites os estímulos sensoriais do corpo.

Onde estão os adultos nesta sala?

O Brasil nunca teve tanto espaço para exibição como agora. Segundo dados da Ancine, a Agência Nacional do Cinema, em 2018 o país possuía 3.356 salas de cinema, superando o pico anterior, de 3.276 salas, em 1975, quando streaming e vídeo sob demanda ainda eram papo de ficção científica. Em 1995, o país tinha apenas 1.033 salas.

Das dez maiores bilheterias do ano passado, porém, cinco eram filmes de herói - e, deles, só "Deadpool 2" era exibido para maiores de 16 anos. O restante ou era ação/aventura ou animação, produções adequadas para crianças e adolescentes (com exceção de "Nada a Perder", cinebiografia de Edir Macedo).

Uma coisa não se pode negar: no auge da era do streaming, os super-heróis estão salvando o cinema da irrelevância para jovens que consome cada vez mais conteúdo pelo celular. Mais ou menos como os filmes e livros da série Harry Potter serviu como um portão para o interesse de uma geração pelo cinema e a literatura através das narrativas fantásticas.

Uma pesquisa realizada recentemente pela consultoria JLeiva Cultura & Esporte mostrou que jovens de 12 a 15 anos têm mais interesse em filmes, literatura, bibliotecas e teatro do que a média das outras faixas etárias pelo país: 82% dos jovens entrevistados disseram ter visto ao menos um filme nos 12 meses anteriores da pesquisa, divulgada em 2018. A média no país é de 64%. Entre eles é alto também o número dos que leram ao menos um livro (74%, contra 68% entre todas as idades).

A cada cem filmes lançados em 2018, mais da metade (55,7%) eram drama ou documentário. O público desses filmes, porém, não chegou a 12% do total. Em compensação, 70% das atenções dos espectadores se concentraram em filmes de ação, animação, comédia ou aventura.

Vencedor do Oscar de 2018, por exemplo, "A Forma da Água" fez pouco mais de 860 mil espectadores em 23 mil sessões naquele ano - um traço diante dos 14,5 milhões (e 171 mil sessões) de "Os Vingadores: Guerra Infinita".

Para Fernando Britto, professor de história do cinema e curador da Versatil Home Video, a dependência de filmes de super-heróis acontece em um contexto de rebaixamento cultural do Brasil, em que o anti-intelectualismo é estimulado pelos próprios governantes.

Ele lembra que, desde "Senhor dos anéis" e "Harry Potter", o número de salas por estreia dos chamados filmes-evento só tem aumentado. "É a culminação de um ciclo. O cinema é, por natureza, uma arte coletiva e industrial. Não dá para separar. As pessoas ganham dinheiro para financiar não só produção, mas sua distribuição e exibição. O exibidor quer o maior lucro."

Ele reconhece que os novos filmes de super-heróis procuram trabalhar as questões de seu tempo, como representatividade, e equilibrar o lado crítico com o comercial. Mesmo em "Vingadores", avalia, há uma sinalização de mudança no arquétipo do herói branco, masculino e americano. "Como registro, é bem interessante, no sentido sociológico", avalia.

Segundo ele, porém, o fato de o cinema popular abusar desta fórmula desperta inúmeras questões, como a infantilização do público. "Não só pelo fato de ser um filme de super-herói, mas por apresentar uma linguagem cada vez mais mastigada, que não exige reflexão."

A infantilização do público aficionado por narrativas fantasiosas, mundos imaginários e sem ambiguidades é também apontada pelo filósofo Luiz Felipe Pondé, colunista da Folha de S.Paulo, como uma das chaves para entender as safras contínuas de filmes de super-heróis. "A ideia de figuras super-poderosas vende porque as pessoas ficam cada vez mais infantis e têm ideias de chegar aos 60 anos com a cabeça de 20. A imaturidade oferece uma identificação com figuras completamente fora da realidade, como super-heróis que tem super-poderes. Se Hollywood investe nisso é porque as pessoas estão a fim de ficarem infantis a vida inteira mesmo", diz.

Neste contexto, afirma Pondé, o próprio debate sobre empoderamento passa pela representação de super-heroínas - o que, segundo ele, é sintoma de um descolamento da realidade.

Falta visão de mercado?

Assolados por corte de patrocínios e a recomendação, feita pelo TCU (Tribunal de Contas da União), para que a Ancine não realize mais repasses do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), realizadores do cinema nacional assistem a tudo com apreensão. Spoiler: a situação tende a se agravar. A começar pela distribuição, um velho gargalo em um país de dimensões continentais.

Em fevereiro, a Petrobras encerrou uma parceria com a Sessão Vitrine, que leva filmes autorais e independentes a salas comerciais de diversas cidades do país a preços populares. Graças a este projeto foram lançados filmes independentes de diversos países, entre eles o elogiado "Torquato Neto - Todas as Horas do Fim". Em 2018, o documentário levou sete mil espectadores aos cinemas em 455 sessões.

Restaram iniciativas como a parceria entre a Pandora Filmes, voltada a filmes independentes, e a rede Cinépolis, uma das maiores do país, que vai exibir em diversas cidades, inclusive Norte e Nordeste, produções brasileiras e estrangeiras com passagens em festivais importantes, como "O Mau Exemplo de Cameron Post", filme vencedor do Grande Prêmio do Júri no Festival de Sundance.

Os números de bilheteria até agora não foram bons, segundo o cineasta André Sturm, sócio da distribuidora, "mas o balanço é positivo" só pela parceria ter sido iniciada. Segundo ele, a superlotação das salas com "Vingadores - Ultimato" é "péssima, e não só por ser um filme de herói, mas por ser apenas um filme". "É muito ruim para o mercado, para a concorrência, para o país. E para o público, que termina obrigado a ver um único filme se quiser ir ao cinema."

Sturm afirma que essa predominância acontece há pelo menos sete anos, e piora a cada ano. "Acho um erro de visão do mercado. Eliminar um público com poder aquisitivo e ficar dependente de um único tipo de produto. Imagina se 'Vingadores' tivesse ficado ruim?", pergunta.

"É como se eu corresse uma maratona e soubesse que meu adversário usasse todos os anabolizantes", define Gabriela Amaral Almeida, diretora de "O Animal Cordial" e um dos nomes mais celebrados do cinema atual.

Em maio, ela lança seu segundo longa de ficção, "A Sombra do Pai", um terror psicológico dos mais sofisticados que, longe das fórmulas-prontas, aborda questões como infância, perda, morte e reconstrução. O filme foi selecionado para os laboratórios de Roteiro e Direção do Sundance Institute - e contou com a assessoria de Quentin Tarantino, Marjane Satrapi, Robert Redford.

Para ela, o cenário de superconcentração das salas de cinema para filmes de heróis é "triste, desolador, distópico". "É uma ilustração do quanto ainda somos colonizados. Não falo mal do cinema norte-americano, que mais me influenciou. Mas desse volume de salas para nos reunir e contemplar narrativas que não são sobre nós."

"É uma entrega total", define Fernando Britto. Uma saída, segundo ele, é a adoção de um sistema de cota de telas, que foi suspensa em 2018, e a instituição de leis que evitem o monopólio.

Algo nem perto de ser sinalizado pelas autoridades de um país que, segundo ele, elegeu a classe artística como inimiga.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Arte & Design