Topo

Comportamento


Jovens gastam salário com roupa para games mais que para eles próprios

Amanda de Oliveira, 23, estagiária de programação, investe em games  para adquirir roupas para seus personagens virtuais - André Lucas/UOL
Amanda de Oliveira, 23, estagiária de programação, investe em games para adquirir roupas para seus personagens virtuais Imagem: André Lucas/UOL

Giacomo Vicenzo

Colaboração para o TAB, em São Paulo

03/07/2019 04h01

Às 7h da manhã, Wellington Bilac, 24, acorda de segunda a sexta e vai trabalhar como soldador por dez horas vestido com seus equipamentos de proteção que lembram uma armadura. Quando volta para casa em Espírito Santo do Pinhal (SP), ele liga o notebook e se conecta a uma arena virtual de batalhas na qual controla um mago guerreiro com a especialidade de roubar as habilidades de seus oponentes.

O jogo é Dota 2, em que oponentes travam um duelo em tempo real divididos em times e têm como objetivo destruir a base rival. Entre um trecho denso de árvores do campo de batalha ele emana raios verdes e segura um cetro com a ponta extremamente brilhante da mesma cor, qualquer jogador pode escolher o personagem, no entanto, não com esses efeitos visuais exacerbados e detalhados.

Para tê-los Wellington gastou 135 reais na compra do adereço virtual chamado de skin. Foram necessários mais de 12 horas soldando chapas de metal para juntar esse valor.

O soldador Wellington Bilac gasta o que ganha com seu lazer noturno: o videogame - Arquivo pessoal
O soldador Wellington Bilac gasta o que ganha com seu lazer noturno: o videogame
Imagem: Arquivo pessoal

"Meu lazer basicamente é chegar em casa e poder jogar um pouco. As pessoas gastam em festas, bebidas. Eu me sinto satisfeito comprando skins. Jogos são a minha forma de desconectar dos problemas cotidianos", explica Wellington.

Espaço no bolso e no coração

Para Amanda de Oliveira,23, que leva duas horas para sair de Caieiras, região metropolitana de São Paulo e ir até o trabalho no Morumbi, a rotina de ida e volta também é aliviada frente à tela do computador, que também faz parte do seu trabalho, afinal, ela é estagiária da área de desenvolvimento e programação em uma empresa de tecnologia e cursa Jogos Digitais na Fatec Carapicuíba.

O jogo que mais toma o tempo e o dinheiro de Amanda é o League Of Legends. A estagiária também faz parte do mercado de microtransações, que é o nome dado à compra de artefatos virtuais no mundo dos games. Ela gasta até R$ 80 mensais na compra de skins para os seus heróis.

Amanda de Oliveira joga League of Legends em lan house de São Paulo - André Lucas/UOL
Amanda de Oliveira joga League of Legends em lan house de São Paulo
Imagem: André Lucas/UOL

Na tela de seu computador, Amanda dá vida à "VI", uma personagem com punhos gigantes. Ela solta chamas de fogo e rajadas de gelo graças ao dinheiro investido.

"É minha personagem favorita. Eu tenho todas as skins dela e tenho orgulho disso. O que compro não altera nada no jogo, não deixa ela mais forte. É apenas um efeito visual, mas tenho um afeto por ela e gosto de ver ela bem. Compro por mim e por ela"
Amanda de Oliveira, 23, sobre a personagem "VI" do game League of Legends

Para Alan Richard da Luz, professor de História e Cultura dos Games na Universidade Anhembi-Morumbi, as relações psicológicas entre jogadores e avatares é complexa e tão importante como outras formas de representações na mídia. "Alguns jogadores criam uma vida idealizada, outros usam como escapismo, alguns como espaço de experiência. Há pouco tempo enxergávamos os games como um produto. Hoje, vemos o videogame como uma mídia tão rica quanto o cinema ou a televisão", explica.

O mercado dos produtos de pixels

As microtransações nos games têm um mercado forte no país. Em 2018, somente na plataforma de PC, foram movimentados US$ 310 milhões pelos jogadores brasileiros nesse tipo de compra - o montante é mais que o dobro do arrecadado com bilheteria nos cinemas do país. E a expectativa é de que até 2022 esse número chegue na marca de US$ 491 milhões, de acordo com microdados da pesquisa "Global Entertainment & Media Outlook 2018-2022 ", fornecidos pela consultora global PWC ao TAB.

Para Helen Barbosa dos Santos, doutora em Psicologia Social, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, o mercado das microtransações de itens que só existem dentro da tela é favorecido por um filão em alta: a imagem.

"Signos de consumo favorecem ou induzem a um maior ou menor reconhecimento social. A noção de singularidade muitas vezes se dá pela via do consumo. E não consumimos apenas bens materiais e serviços, consumimos mais do que nunca imagem. Basta dar uma olhada no Instagram", explica Santos.

"Os jogos virtuais refletem bem as hierarquias nas relações sociais que existem no pátio da escola, no local de trabalho ou em uma festa. A compra de roupas virtuais é o modo que o mercado milionário dos jogos digitais percebeu que as pessoas querem existir como únicas nesse espaço"

Helen Barbosa dos Santos, psicóloga social

Em consultorias e cursos que ministra Helen usa a temática dos games como instrumento para trabalhar os processos de sociabilização de jovens com o ciberespaço e observa as relações sociais produzidas a partir disso.

Ostentação e diferenciação virtual

Com a farda dobrada e a pistola fora do coldre, o policial militar Wellington Ildebrando de Souza, 26, da cidade de Itapira (SP), divide táticas muito diferentes das que usa na viatura da corporação. Ele relaxa de suas 12 horas de trabalho jogando Counter Strike Global Offensive, conhecido também como CS GO, jogo de tiro em primeira pessoa. Entre os itens comprados, ele tem armas customizadas, também conhecidas como skins, que mudam a cor ou a textura gráfica dos equipamentos, não influenciando no jogo além do visual.

Entre as listas de jogos prediletos de Souza também está o clássico Tibia, que existe há 22 anos e preserva gráficos simples e ausência de qualquer som. No game, vários jogadores dividem o mesmo servidor conhecidos como 'mundos' e podem viver de forma pacífica ou não, de acordo com as configurações escolhidas no momento da criação do personagem. O policial já desembolsou mais de R$ 1.600 reais entre os dois jogos.

O policial militar Wellington Ildebrando se diverte e investe no lazer seguro que é o game - Arquivo Pessoal
O policial militar Wellington Ildebrando se diverte e investe no lazer seguro que é o game
Imagem: Arquivo Pessoal

Quem também ostenta com itens raros e caríssimos no game CS GO é o atleta brasileiro Neymar Jr. Em sua conta no Instagram é comum exibir skins que custam mais de R$ 6 mil, como é o caso da 'AWP Dragon Lore', que já teve um exemplar vendido no mercado irregular/paralelo ao game por US$ 61 mil, por um aficionado pelo item, que diferencia o rifle de elite que pode ser escolhido por todos na partida, com ilustrações de dragão.

Longe dos itens virtuais com preços exorbitantes está Rodrigo Santos Pereira 28, morador de Cidade Tiradentes, extremo leste da capital de São Paulo. Ele joga League Of Legends e diz ter empenhado cerca de 900 reais na compra de skins dentro do game.

Sem emprego formal há quatro anos, Pereira usou o dinheiro da venda de jogos físicos antigos para investir no upgrade de seus personagens virtuais. "Tem gente que compra para ostentar, para mostrar que tem dinheiro. Mas eu compro por gostar de um personagem, por exemplo, e querer ver ele com roupas diferentes e com efeitos visuais novos em suas habilidades", explica.

Já para o soldador Wellington, impressionar outros jogadores é satisfatório e o ajuda a girar um mercado dentro do game Dota 2. "Traz um certo status. Quando as pessoas veem você com uma skin rara e cara, ficam admiradas. Com o tempo, esses itens valorizam, e eu consigo algum dinheiro revendendo. Mas gasto tudo que consigo dentro do game", comenta.

Amanda diz que prefere as promoções de skins a queimas de estoques em lojas de roupas. "O jogo cria descontos personalizados com base na minha experiência nele. Eu estou mais disposta a gastar lá do que com roupas", afirma.

A estagiária fica pensativa sobre como está gastando os R$ 1.500 que recebe de remuneração. "Outros jogadores já comentaram que desembolsei uma grana boa nas minhas skins. Refleti que estou pagando por coisas que não existem", comenta.

Alan Richard da Luz, professor de História e Cultura dos Games, compara o gasto com microtransações como qualquer outra compra fútil na vida real. "É preciso saber dosar, mas pelo menos o consumo de itens in-game não prejudica o meio ambiente", diz ironicamente.

Um espaço seguro para sua identidade

Para a professora de inglês Gabriela Kowalczyk, 24, os jogos e os skins foram um caminho importante para entender e assumir a sua transição de gênero. "Eles me deram liberdade e poder de entender minha situação. Antes de mudar de gênero, sempre gostei mais das personagens femininas. Me via nelas das formas mais diversas possíveis; seja na aparência, na personalidade e até mesmo na fala", explica.

Gabriela também se via representada nos personagens fora dos padrões de beleza e diz que, de alguma forma, se via lutando por eles. "Nas skins, equipamentos visuais e avatares, eu pude descobrir sobre o que me fazia mais feliz, como eu queria poder ser. Elas foram muito importantes na minha jornada de descobrimento pessoal", revela a gamer transexual.

A trans Gabriela Kowalczyk diz que os personagens de games ajudaram a entender sua transição de gênero - Arquivo pessoal
A trans Gabriela Kowalczyk diz que os personagens de games ajudaram a entender sua transição de gênero
Imagem: Arquivo pessoal

Atualmente a professora gasta de R$ 60 a R$ 80 por mês, com jogos como Ragnarok e League Of Legends. "Os equipamentos visuais te dão a oportunidade de reinventar e reimaginar o seu personagem. No final das contas você acaba pegando aquele personagem como inspiração para juntar coragem de se tornar quem você quer ser. Por isso que visibilidade e representatividade são assuntos importantes" afirma.

Apesar de Gabriela ter encontrado um espaço virtual para assumir sua identidade de gênero primeiro, ainda hoje ela sofre com uma comunidade de gamers, que nem sempre é receptiva à diversidade. "Em uma partida em que estava ganhando, o adversário ficou me chamando de piranha o tempo todo", lamenta.


"Para quem se encontra em um grupo que é marginalizado e até mesmo ridicularizado, a representatividade de minorias nos jogos nos dá não só força pra enfrentar os problemas sociais que passamos, mas também nos dá ânimo e felicidade de estar ali jogando"

Gabriela Kowalczyk, gamer transexual

A psicóloga social alerta para o quanto os espaços dos games podem ser importantes para grupos que sofrem preconceitos. "Na falta de espaços seguros, o único reduto de proteção psicossocial pode ser o universo virtual. Durante minha experiência fazendo grupos de apoio a jovens transexuais, percebi o quanto esse espaço de pertencimento pode só ser encontrado nos games para alguns", explica Helen dos Santos.

Para o PM Wellington Ildebrando, os jogos são uma forma de não se expor a riscos para ter lazer. "Os jogos eletrônicos são meu único lazer. Sempre penso na minha segurança. Se vou precisar deixar a arma em casa ou não, como em uma partida de futebol por exemplo", explica.

Pague para vencer na desigualdade virtual

Assim como na vida real, nascer no chamado 'berço de ouro', traz condições melhores. Nos jogos uma ajuda para progressão mais rápida também pode ser paga no cartão de crédito.

A prática conhecida como "pay-to-win" (pague para vencer, em tradução livre) é uma forma usada por alguns gamers que não querem empreender o mesmo esforço que os demais. Particularmente no Tibia, a implementação de uma moeda virtual gerou insatisfação entre muitos jogadores.

Nos Estados Unidos, o senador Josh Hawley propôs em maio último um projeto de lei que proíbe microtransações em jogos com classificação livre, além de vetar a compra de "loot boxes", caixas que precisam ser pagas para serem abertas e que recompensam os jogadores com itens aleatórios. A prática é comum em games como Counter Strike e Overwatch.

No Brasil, não há qualquer projeto parecido com esse, e os jogadores que podem e querem pagar por status e poder mais rápidos muitas vezes estão dispostos a trocar o suor do seu trabalho real por acessórios virtuais e algumas horas de diferenciação dentro da tela.

Mais Comportamento