PUBLICIDADE

Topo

"Artesão do sadomasoquismo" paulistano tem até masmorra em casa

Lord Steel, fabricante de acessórios para BDSM, em São Paulo - Daniel Lisboa/UOL
Lord Steel, fabricante de acessórios para BDSM, em São Paulo Imagem: Daniel Lisboa/UOL

Daniel Lisboa

Colaboração para o TAB

20/01/2020 04h00

A vida de um fetichista antes da internet não era exatamente fácil: amantes das várias vertentes do sadomasoquismo precisavam publicar, e procurar, anúncios em revistas se quisessem encontrar parceiros.

Anúncios muitas vezes com mensagens cifradas, pois a prática, naqueles tempos, era vista como algo (mais) marginal e "pesado". Outra opção era ser descolado o suficiente para ter os contatos certos para saber onde rolavam as festinhas — devidamente secretas, lógico.

"Era uma dificuldade. As festas tinham aquela conotação pesada", conta Mauro Pinheiro, vulgo Lord Steel, de São Paulo. Felizmente para ele e os adeptos do gênero, as coisas mudaram bastante. Tanto que hoje, aos 53 anos, Steel se transformou num verdadeiro "artesão do fetiche".

Caso se rendesse à mentalidade do empreendedor paulistano, ele poderia vender seu trabalho como "Sadomasô artesanal". Mas Steel é da velha guarda. Mora na mesma casa, no bairro da Vila Monumento, região do Ipiranga, na zona sul de São Paulo, desde que nasceu. É uma construção centenária, com um porão maior que a maioria dos empreendimentos com nomes em inglês vendidos por R$ 700 mil na cidade.

É nela que Lord Steel cria e se diverte.

Couro, metal e estética

"Vendo acessórios fetichistas para a prática de BDSM há três anos. Mas comecei fazendo para uso próprio, porque sempre fui praticante e buscava produtos que não encontrava no mercado", conta Steel.

Ele focava em acessórios com bom acabamento e resistência. Os amigos gostaram, começaram a comprar, a coisa cresceu, e hoje Steel tem uma loja dentro do bar Dominatrix, no centro de São Paulo, vende seus produtos pela Internet e recebe encomendas personalizadas.

"Trabalho com couro e metal, e faço tudo de forma artesanal. Não tenho nada industrializado", explica Steel. Para os praticantes do BDSM (sigla para "Bondage, Disciplina, Dominação, Submissão, Sadismo e Masoquismo"), ele produz coleiras, algemas, cintos de castidade e floggers (chicotes), entre outros artigos.

Mas ele trabalha também com produtos de apelo puramente estético ou visual, a chamada "moda fetichista", como harness (espécie de "arreio humano"), calcinhas, saias, máscaras e ombreiras.

"Um par de algemas, por exemplo, serve para restringir o movimento do outro. Você tem que prender a outra pessoa. É um jogo, uma brincadeira consensual? Sim, mas se a algema não for resistente, no melhor momento vai arrebentar. Isso corta o tesão", explica Steel, ao pontuar que resistência é sua preocupação número um.

Prato principal: cinto de castidade

"Você até encontra produtos 'Made in China' semelhantes ao nosso. Mas no toque, no olhar, na personalidade do objeto é que a gente se diferencia. Quem procura nossos produtos sabe o que quer", diz Steel. Ele recebe em média 50 pedidos por mês, muitos de gente que não quer apenas satisfazer suas fantasias: deseja realizá-las com suas próprias tonalidades, formas, texturas.

"Nestes casos, fazemos, por exemplo, nas cores que o cliente quer, além de detalhes como gravações de nomes e símbolos", explica Steel. "Para o mundo fetichista, o que mais conta é o visual."

O apuro nos detalhes é perceptível nas peças de Lord Steel, mesmo naquelas aparentemente mais grosseiras. Ele mostra um cinto de castidade feminino. À primeira vista, parece apenas um pedaço de couro cravejado de pregos. Mas, uma vez que você se atenta aos detalhes — no corte e em quantos pregos foram necessários para firmar o couro ao molde de metal —, percebe que produzir aquilo realmente deve dar um baita trabalho.

O cinto de castidade feminino, aliás, é a especialidade de Lord Steel. "Tem que unir conforto, segurança e bom acabamento. É muita coisa para aliar, o que é difícil, porque o cinto é de metal", diz Steel. Ele tem o que chama de gabarito de plástico para enviar aos clientes que moram longe. Uma espécie de molde, que ele manda pelo correio. "Mas o ideal é fazer o ajuste final aqui, no corpo da pessoa."

Segurando a onda

Atender aos anseios da clientela, no entanto, não significa ajudá-la a realizar toda e qualquer loucura. Steel tem um compromisso com os requisitos já mencionados. "Às vezes, os clientes têm algumas ideias que são inviáveis. Precisamos orientá-los para fazer um meio-termo entre imaginação e funcionalidade."

Uma das ocasiões em que Steel precisou intervir para conter a volúpia alheia envolveu um cliente que queria um cinto de castidade feito de plástico, para entrar no banco sem disparar o detector de metais. "A pessoa iria usar o cinto o dia todo. E entrar em um banco estava entre as atividades que ela exercia."

Da esq. para a dir., Vivi Escarlate, Lord Steel e Anna Steel - Daniel Lisboa/UOL - Daniel Lisboa/UOL
Da esq. para a dir., Vivi Escarlate, Lord Steel e Anna Steel
Imagem: Daniel Lisboa/UOL

Lord Steel divide sua casa com Anna Steel, sua companheira, e Vivi Escarlate. Ambas são adeptas do BDSM. O "porão dos prazeres" na verdade é dividido em três partes: uma salinha, a oficina de Steel propriamente dita e uma masmorra.

Uma masmorra só pra mim

Sim, para um adepto do BDSM, Steel pode dizer que atingiu o ápice: tem um espaço só para ele, Anna, e eventualmente amigos, brincarem à vontade. Por se tratar de uma casa antiga, o espaço é naturalmente (muito) realista: grossas e barulhentas vigas de madeira o separam do pavimento acima. A parede é descascada e mofada na medida certa: dá ainda mais verossimilhança à masmorra, mas não chega a deixá-la com um aspecto sujo. Ao contrário: ali claramente está uma masmorra cuidada com zelo e asseio.

Masmorra de Lord Steel, em SP - Daniel Lisboa/UOL - Daniel Lisboa/UOL
Masmorra de Lord Steel, em SP
Imagem: Daniel Lisboa/UOL

Chicotes, algemas, correntes e os restos metálicos de um colchão talvez tão antigo quanto a casa completam a atmosfera de "Hellraiser: Renascido do Inferno". Steel conta que, em uma festinha, já chegou a colocar 32 pessoas no espaço de 3 x 4 metros que ele mostra com o ar orgulhoso de uma criança que enfim tem um playground só para ela.

Apesar de trabalhar com uma gama relativamente pequena de materiais, parte considerável do trabalho de Steel consiste em garimpá-los. "Não existe, por exemplo, uma empresa onde eu possa chegar e pedir X cabos para chicote na medida tal. Preciso adaptar os materiais que existem no mercado. Vou à rua Santa Ifigênia (centro de comércio popular em São Paulo), a empresas que trabalham com metal, à procura de chapas e tubos que aqui eu corto da forma que eu quero."

Sensível às dificuldades que um dia ele próprio já encontrou, Steel garante que procura praticar os preços mais justos possíveis. Afinal, se as práticas fetichistas já não são tão marginalizadas como outrora, o Brasil ainda tem pouca gente oferecendo produtos personalizados. Se quisesse, Steel poderia submeter seus clientes a preços dolorosos.

"Não existe nada no Brasil parecido com os nossos acessórios. Você encontra algumas coisas em sites americanos e outros estrangeiros, mas a um valor muito maior. Se o importado custa R$ 1.000, eu vou cobrar R$ 800? Não! Se eu tenho condições de ter meu lucro cobrando R$ 500, eu te ofereço por R$ 500."