Topo

Comportamento


Robôs sexuais inteligentes abrem debate sobre novo código de ética na cama

Robôs sexuais em bordel na Europa - AFP
Robôs sexuais em bordel na Europa Imagem: AFP

Victor Bianchin

Colaboração com o TAB, em São Paulo

10/10/2019 04h00

João é um homem hipotético que decidiu comprar um robô sexual. Ele recebeu em casa uma loira de cabelos longos, cintura fina e 101 cm de busto, e deu um nome a ela: Helena. Durante o dia, João e Helena conversam muito para se conhecer bem. Ele mostra a ela seus gostos e hábitos. Ela, boa ouvinte, aprende a falar o que ele gosta de ouvir.

À noite, os dois terão uma relação sexual em que Helena fará tudo que João quiser — e sua inteligência artificial permitir. No dia seguinte, antes de sair para trabalhar, ele irá retirar a vagina siliconada dela para lavar e pendurar o corpo de Helena por um gancho no pescoço para que os implantes de gel nas nádegas da garota não se deformem. Quando chegar em casa do serviço, João irá ligar em seu celular o app que ativa as funções conversacionais de Helena. Vai começar tudo de novo.

A história pode parecer um episódio de "Black Mirror", mas já é realidade nos mercados europeu e norte-americano, com promessa de se expandir para outras praças muito em breve. Empresas como a Abyss Creations e a Realbotix, que lideram o segmento de robôs ultrarrealistas, já vendem centenas de unidades por ano, mesmo com preços que ultrapassam US$ 10 mil. O Brasil, devido às burocracias de importação, ainda não é atendido.

Robôs sexuais não são uma coisa nova, mas foi só nos últimos 20 anos que eles (ou, na maioria das vezes, elas) começaram a ficar tão realistas a ponto de poderem ser confundidos com pessoas reais. Modelos infláveis e de plástico barato foram substituídos por versões high-tech com articulações de aço, pele de silicone, peças intercambiáveis e software de personalidade.

Com você, meu mundo ficaria completo

A RealDoll está no mercado desde 1997, mas só começou a fazer bonecas desse tipo em 2016. A linha RealDollX, atualmente com dois modelos disponíveis, tem animatronics na cabeça para mexer o rosto e alto-falantes para simular a produção de voz, mas o cérebro é remoto — mais especificamente, um app que é baixado pelo comprador no celular. Animatronics são partes mecânicas que se mexem a partir de sinais eletrônicos, simulando movimentos orgânicos.

O app, via conexão Bluetooth, pode ser também um produto isolado. Você cria uma boneca virtual dentro dele e define uma personalidade para ela, o que inclui características como "alegre", "intelectual", "insegura", "engraçada", "ciumenta" e "imprevisível". Os traços físicos podem ser alterados à vontade e é possível fazer carícias (o modo Preliminares foi adicionado em 2019), flertar ou apenas conversar.

Matt McMullen, criador da RealDoll fabricada pela Abyss Creations - Reprodução/Reddit
Matt McMullen, criador da RealDoll fabricada pela Abyss Creations
Imagem: Reprodução/Reddit

Com a boneca física, porém, a experiência fica completa. O app coordena para que os animatronics do manequim se movimentem de acordo com o que ela está "falando" pelos alto-falantes. Ativando a opção Modo X, o usuário informa a boneca de que está pronto para transar e ela começa a responder de acordo. A robô sexual é tão ou menos inteligente quanto uma Siri da vida, mas a RealDoll vende o pacote como se fosse uma companheira definitiva. Uma solução para quem se sente sozinho e não quer, ou não consegue, ficar com mulheres reais.

Dormindo com o inimigo

O fenômeno dos robôs sexuais criou outro: os bordéis de robôs. A primeira tentativa de uma empresa do tipo aconteceu em 2017, na Alemanha. De lá para cá, houve iniciativas em países como Itália, França, Canadá, Holanda, Rússia, Reino Unido, Espanha e EUA, todos com graus diferentes de sucesso (e de fracasso, na maioria dos casos). A empresa KinkySDolls, que criou o bordel de Toronto, declarou ter intenção de abrir 20 dessas casas nos EUA até 2020.

A controvérsia gerada pela popularização dos robôs sexuais vai muito além da questão do pudor. Ativistas e pesquisadores, especialmente mulheres, têm alertado sobre a influência desse tipo de máquina no comportamento da sociedade. A pesquisadora de ética robótica Kathleen Richardson, da Universidade De Montfort, em Leicester, na Inglaterra, foi pioneira nesse tipo de iniciativa, ao criar a Campanha Contra Robôs Sexuais em 2015.

O manifesto da campanha diz que as relações entre robôs sexuais e usuários seguem os moldes da prostituição, em que só os desejos e necessidades do homem são reconhecidos e a mulher é reduzida a um objeto. "Eles normalizam a ideia de que sexo e relacionamento são transferíveis de pessoas para coisas, e não são", diz Richardson ao TAB. "Em nosso passado, a redução de pessoas a coisas é um dos problemas mais sérios que enfrentamos como mulheres. A questão sobre mulheres não serem completamente humanas, ou que elas só têm a função de serem bonitas para o sexo. Robôs sexuais não existiriam sem misoginia", defende ela.

A pesquisadora Julie Carpenter, especialista em comportamento humano e tecnologia e membro do Grupo de Ética e Ciências Emergentes, também na Califórnia, diz que robôs, sexuais ou não, carregam consigo preconceitos e vieses humanos, seja da programação que receberam ou das pessoas com quem sua inteligência artificial interage e aprende. "Nesse sentido, acho que esses robôs poderiam reforçar estereótipos de gênero", afirma ela.

Robô sexual RealDoll - Twitter RealDoll/Reprodução
Robô sexual RealDoll
Imagem: Twitter RealDoll/Reprodução

Julie não concorda com a ideia, geralmente usada em defesa dos aparelhos, de que eles são apenas brinquedos para gente solitária. Ela é autora de um livro sobre o uso de robôs por soldados e, em sua pesquisa, observou que os robôs usados pelos militares para desarmar bombas, mesmo sem qualquer aparência humana, eram tratados como humanos ou bichos de estimação, afinal, eles foram verdadeiros heróis em suas funções. "O robô pode se tornar mais do que um mero brinquedo, porque ele se torna emocionalmente significativo para a pessoa que interage com ele", analisa a pesquisadora. "Ele pode influenciar as pessoas em um nível muito individual, reforçando estereótipos de gênero, apenas pelo seu design e afins", explica. Julie, no entanto, não se posiciona contra os robôs sexuais, preferindo apontar que eles podem agravar comportamentos previamente existentes nos usuários.

Outro estudioso de destaque no assunto dos robôs sexuais é Noel Sharkey, professor emérito de robótica e inteligência da Universidade de Sheffield, no Reino Unido. Ele publicou em 2017, por meio de sua ONG Fundação por Robótica Responsável (FRR, na sigla em inglês), o primeiro grande relatório sobre o assunto, chamado "Our Sexual Future With Robots". Trata-se de um agregado de informações e conclusões de estudos relacionados ao tema. Entre os tópicos estão "a intimidade com robôs pode levar a maior isolamento?" (o relatório diz que sim) e "os robôs vão mudar nossas percepções sociais de gênero?"

O relatório destaca ainda que o modo como os robôs são projetados e apresentados mimetiza a forma como as mulheres são retratadas na pornografia. Os robôs, portanto, estariam perpetuando e fortalecendo essa ideia da mulher como objeto que a pornografia já exerce.

O relatório também diz que as mulheres são minoria nos campos da engenharia, da ciência da computação e da inteligência artificial, e que isso "tem um impacto de gênero ('gendered impact') nas tecnologias que usamos". Kathleen Richardson é citada, junto de outros pesquisadores que têm uma visão menos radical que a dela, argumentando que robôs sexuais poderiam ser bons, se fossem diferentes.

No final, o relatório diz: "Não há dúvidas de que criar uma representação pornográfica dos corpos das mulheres em uma máquina sexual que se move objetifica e transforma em produto os corpos das mulheres. No entanto, a grande questão é: qual o impacto adicional na percepção da sociedade que isso irá criar dentro de uma já florescente indústria adulta que se aproveita de tal objetificação e transformação em produto? Pode ser que seja um amplificador, nós simplesmente não sabemos".

Tecnologia é neutra?

O professor Edson Prestes, do Instituto de Informática da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), concorda com a tese. Ele faz parte de um grupo reunido em 2018 por Antonio Guterres, o secretário-geral da ONU, para a elaboração de um relatório com recomendações sobre o uso ético e cooperativo da tecnologia digital.

O relatório, publicado em 2019, ressalta que "sistemas inteligentes podem reforçar discriminação" e, entre suas recomendações, diz que "sistemas inteligentes autônomos devem ser projetados de forma que suas decisões sejam explicadas e que os humanos possam ser responsabilizados pelo seu uso".

"Nenhuma tecnologia é neutra e esse é sempre um ponto a ser pensado", afirma Prestes, ecoando uma opinião também defendida por Richardson e Carpenter. "Ela incorpora e muda valores. Isso pode certamente reforçar estereótipos, como a objetificação feminina que está presente na nossa sociedade."

Ele também acredita que a submissão natural dos robôs pode gerar problemas. "Se a gente observar, existem atos de permissividade e violência [na sociedade em geral] que começam com gestos muito pequenos e passam a ser amplificados. E vai se tornando cada vez mais normal. As pessoas poderiam adotar esses comportamentos com os robôs e depois aplicar em outras pessoas", argumenta ele.

O debate vai longe, pois os campos da Ética e do Direito costumam entrar atrasados na discussão e na deliberação quanto a novas tecnologias. Mas é provável que, num futuro próximo, estejamos discutindo não apenas se robôs inteligentes devem existir, mas também se eles devem ter direitos e deveres próprios (assim como existe, por exemplo, a Declaração Universal dos Direitos dos Animais, que protege uma categoria de vida não-humana). Isso implicaria não apenas robôs sexuais protegidos do ato de estupro, como também a aplicação de "punições" a carros inteligentes que causem um atropelamento, por exemplo.

Comportamento