PUBLICIDADE
Topo

O que se aprende em um evento online para 'bruxas empreendedoras'

A coach Paula Abreu - Divulgação
A coach Paula Abreu Imagem: Divulgação

Júlia Pessôa

Colaboração para o TAB, de Juiz de Fora (MG)

10/02/2021 04h00

Você já deve ter visto algum meme debochando da máxima "as netas de bruxas que não conseguiram queimar" na rede social mais próxima. Piadas à parte, o interesse pelo universo da bruxaria parece vir se desdobrando em cada vez mais produtos e serviços.

Um relatório simples feito com o Google Trends mostrou que o termo "bruxaria" atingiu seu pico de buscas no Brasil algumas vezes durante o ano de 2020 -- em maio, durante boa parte do mês de junho e em dezembro. Em janeiro de 2021, também foram registrados dois momentos de ápice das procuras.

Contribuindo para as estatísticas, em uma breve busca pelo termo "bruxaria" na rede, encontrei profissionais que oferecem consultas a oráculos diversos; uma escola de bruxaria no modelo EAD (ensino a distância), vários tutoriais de feitiços no YouTube, curso de bruxaria natural para crianças e uma vasta bibliografia, em livros e artigos acadêmicos, das mais variadas ciências: antropologia, história, estudos de gênero, entre outras. Não precisou ir muito longe para ver que a bruxaria está em toda parte, com maior ou menor propriedade aparente no assunto -- ou mesmo apropriação dele.

Foi então que um post patrocinado no Instagram sobre uma espécie de treinamento para "bruxas empreendedoras" me impactou. Vi que o evento era gratuito e decidi me inscrever para investigar a possível conexão entre as duas coisas -- com a suspeita de que, talvez, a tentativa de relação com a bruxaria tivesse ido longe demais. Ou talvez eu pudesse aprender mais sobre uma coisa, a outra, ou ambas, e me tornar uma bruxona do empreendedorismo.

Reencarnar no mesmo CPF

Uns dias antes do evento, meu telefone tocou. Era um número do Espírito Santo. Atendi. "Oi, aqui é a Paula, essa ligação gravada é para falar do evento 'Bruxas Empreendedoras'". Tratava-se de Paula Abreu, uma das coaches mais seguidas do Brasil, que daria o treinamento para nós, aspirantes a bruxas empreendedoras.

No site homônimo a um de seus muitos livros publicados, "Escolha sua vida", que também nomeia monitorias e outros produtos, é possível ver as muitas credenciais de Paula. "Advogada, pós-graduada e com mestrado pela Columbia University School of Law". Tudo sempre apresentado na primeira pessoa, numa narrativa em que ela conta sobre a transformação desta vida para a de hoje, em que paga as contas "com o dinheiro das minhas ideias", num processo transição que define, no site e em outras redes sociais, como "reencarnar no mesmo CPF".

Com seu próprio CPF e cartão de crédito, você pode comprar, pelo site mesmo, programas como "Detox de Dinheiro" de dez módulos on-line por R$ 1.997 ou o "Acredita e Medita", que promete estabelecer o hábito em 21 dias por R$ 97, garantido por Paula -- segundo sua descrição, ela medita há 36 anos. Há também a formação de coaches com o método próprio "Escolha sua vida", que tem inclusive um projeto social atrelado, e o "Pretas Potências", que dá bolsa integral nesta formação para mulheres negras em situação de risco ou vulnerabilidade.

Programas mais auspiciosos oferecem resultados mais rápidos, como o "Impulso Imersão", que é presencial (por isso, não rola no momento), que dura dois dias e custa R$ 10 mil à vista ou R$ 12 mil, em caso de pagamento parcelado. A promessa é de, ao final, participantes conseguirem "viver de fazerem o que amam".

Quando acabei a missão investigativa, Paula já estava em meu e-mail. No dia seguinte, teria uma videoconferência para me cadastrar no treinamento das bruxas, que seria no sábado. Seria minha primeira experiência ao vivo com o treinamento.

Paula Abreu, coach de 'bruxas empreendedoras' - Divulgação - Divulgação
Paula Abreu, coach de 'bruxas empreendedoras'
Imagem: Divulgação

'Fudêncios', fogo no c* e gritaria

No credenciamento, uma jovem da equipe da Paula, Bela, recebeu grupos de pessoas no Zoom, deu uma visão geral sobre o formato do curso de bruxas empreendedoras e abriu para perguntas. Não hesitei. "Fiquei curiosa com essa relação entre bruxaria e empreendedorismo, como isso funciona? Queria saber mais." Bela respondeu que o curso buscava resgatar "essa essência do feminino" presente na bruxaria e aplicar ao empreendedorismo, unindo as duas coisas.

No sábado, precisamente às 9h08, Paula nos recebeu, anunciando que o evento, "realizado em pleno Mercúrio retrógrado, porque meu marido astrólogo não me avisou?" tinha perto de 35 mil bruxas inscritas. Na primeira hora, narrou ela mesma a história de superação que aparece em seu site de tantas maneiras. A retórica tem um vocabulário específico da coach, que parece ser familiar para quem a segue ou já participou de alguns de seus eventos ou cursos. Ela sempre destaca, por exemplo, como seus cursos não são como os dos "Fudêncios".

Segundo Paula, são personagens comuns do cenário do marketing digital, o "macho alfa hétero top agressivão", que faz marketing "de macho pra macho" e ensina que, "se não for do jeito dele, não presta". Ao longo do dia, das 9h às 18h, o Fudêncio foi evocado várias vezes em oposição aos seus métodos, que respeitam a autenticidade das mulheres e o "marketing da empatia".

Apesar disso, em alguns momentos senti certa agressividade em falas sobre "esse medinho que vocês têm de vender", "o mimimi de vergonha de vender" e algumas referências como "fazer a Richthofen" e "retiro de macumba" (nenhuma em contexto explicitamente ofensivo ou preconceituoso, mas problemáticas em si).

Outra alusão constante é ao "fogo no c*". No chat, as participantes respondem com entusiasmo a cada vez que a promessa de mais "fogo no c*" é mencionada: dizem que querem camisa com a frase, que precisam disso, que a vida mudou depois disso e outras variantes.

Durante todo o treinamento, discursos emprestados de várias áreas vêm misturados: do feminismo, de vertentes diversas da espiritualidade, do empreendedorismo, de autoajuda e diversas outras, numa salada argumentativa reforçando o mote "você também pode".

À tarde, algumas mentoradas que foram cases de sucesso contaram suas histórias às aprendizes de feiticeiras como eu. Chamava atenção o fato de sempre estarem passando por grande adversidade. Uma havia se separado e descoberto recentemente um diagnóstico de autismo do filho. Duas haviam perdido a mãe. Em outra história, Paula falou sobre uma cliente que havia perdido um filho recém-nascido. E sempre iam da miséria às centenas de milhares de reais em poucos meses.

Notei também que as participantes que puderam fazer perguntas narravam pelo menos alguma dificuldade, em especial a financeira. Uma moça que chegou a chorar falou que estava vivendo do auxílio emergencial.

O curso ministrado por Paula Abreu em videoconferência - Reprodução/ Zoom - Reprodução/ Zoom
O curso ministrado por Paula Abreu em videoconferência
Imagem: Reprodução/ Zoom

Motivação coletiva

Durante o dia, fizemos algumas atividades em salas separadas, em grupos de quatro pessoas. Uma coisa que pareceu funcionar bem no evento foi o networking: as pessoas trocaram contatos, mandaram seus perfis em redes sociais umas para as outras, descobriram afinidades a até propuseram parcerias via chat. Em suas falas, Paula mencionou algumas vezes a importância do senso de pertencimento a uma comunidade, e isso parece ter sido alcançado por várias das bruxas do curso.

Em termos de conteúdo concreto, foram apresentados conceitos do marketing digital como "funil de vendas" e como ele funciona. Também aprendemos sobre o método "boneca russa", criado pela Paula, em que ela ensina a desdobrar um produto em vários outros, dando dicas, por exemplo, de como é possível fazer um e-book, um audiobook, uma palestra, formatos ad infinitum a partir de um post no Instagram. Não sei se na prática funcionaria -- e se todo mundo teria essa habilidade --, mas a ideia de reciclar um conteúdo pronto para desdobrá-lo em outros, apesar de não ser nova, é sempre algo bom de se ter em mente.

Ao dar outras dicas como "crie um 'cafofo' no Zoom", "faça um anúncio de aumento de preço", "ofereça miniversões do seu produto maior", Paula ia fazendo isso ao vivaço durante ao evento. O próprio "bruxas empreendedoras" (também um "cafofo" de Zoom) era uma miniversão de uma mentoria maior, "Jornada", que estava, "só naquele momento", por R$ 1.997, com R$ 1.000 de desconto para a bruxaiada.

Terminado o curso, conversei com colegas de sala para ouvir impressões. Vania Santana, 58, tinha mais de 30 anos de mundo corporativo e queria lançar um curso de educação financeira voltado a mulheres negras, para se estabelecer como coach na área.

"Tenho aqui meu lado bruxa (de taróloga e numeróloga). Gostei muito dessa conexão com o espiritual e sobre o servir de cada uma no mundo. Acredito nisso. Sem contar que a Paula é uma grande motivadora e em 2020 aprendi com ela sobre o poder de pertencer a um grupo."

Mariana Bélico, 43, passou 27 anos atuando no mercado editorial e se tornou coach de carreira para mulheres empreendedoras, vendo muitas semelhanças entre sua trajetória e a de Paula. "Foi um dia cheio de insights, trouxe a vontade de me aproximar mais da minha espiritualidade e do propósito de servir. Amei as trocas em grupo e o alto astral. Tanto que comprei a 'Jornada'."

No fim, meu grande aprendizado foi sobre o poder da motivação coletiva e do compartilhamento de experiências para o fortalecimento da autoestima, nos negócios e na vida. Além disso, ficou nítida a importância da formação de redes de mulheres. Lembro-me também de outro detalhe: Paula falou repetidamente da necessidade de insistir, e disse não ter problema algum com isso, encorajando-nos a fazer o mesmo.

Acabei de checar meu e-mail enquanto termino estas linhas e tinha um dela: "A nossa Live 'Passo a Passo para uma Oferta Irresistível' já começou e estou sentindo a sua falta, cadê você que não está aqui comigo?".