PUBLICIDADE
Topo

Vazios, hospitais temáticos da Prevent em SP lembram locais turísticos

A unidade do Butantã do Hospital Sancta Maggiore, da rede Prevent Senior: homenagem à Rússia - Henrique Santiago/UOL
A unidade do Butantã do Hospital Sancta Maggiore, da rede Prevent Senior: homenagem à Rússia
Imagem: Henrique Santiago/UOL

Rodrigo Bertolotto e Henrique Santiago

Do TAB, em São Paulo

24/09/2021 04h01

Uma mulher vestida de preto, como se já previsse o luto, cruzou a porta automática com lágrimas nos olhos. "Os médicos disseram que não tem mais o que fazer", disse aos familiares que a esperavam do lado de fora. Foi abraçada.

A entrada do Hospital Sancta Maggiore Paraíso, na zona Sul de São Paulo, estava abarrotada de acompanhantes de pacientes naquela tarde cinzenta, um dia após o plano de saúde Prevent Senior, dono da rede de hospitais especializado em idosos, entrar na mira da CPI da Covid por ter ocultado a morte de clientes em um estudo que testava a eficácia de hidroxicloroquina.

Entretanto, o assunto era ignorado por aqueles que passavam horas sentados em bancos-tamanduá no minijardim bem podado, à espera de notícias de parentes internados. Convocado a depor na comissão nesta quarta (22), Pedro Benedito Batista Júnior, diretor-executivo da Prevent, negou as acusações.

A retirada do cafezinho na máquina gratuita era uma brecha para os acompanhantes largarem a máscara de proteção e respirarem livremente. Se na unidade do Paraíso sobrava café, o mesmo não podia se dizer do álcool em gel: o totem disposto na entrada do hospital estava vazio e com uma crosta seca do material na ponta do dispensador.

Um cliente de mais ou menos 30 anos, que esperava por notícias de um parente, acredita que a Prevent Senior testou cloroquina à revelia, mas fez uma ressalva. "Ainda assim, é melhor que o SUS."

O Sancta Maggiore Paraíso foi o primeiro hospital da rede equipado para atender pacientes com covid-19, e permanece como o único a receber clientes em leitos de enfermaria. O Instituto Prevent Senior, a oito quilômetros dali, é destinado para internações em UTI (unidade de terapia intensiva).

No final de março de 2020, a Prefeitura de São Paulo pediu ao governo estadual uma intervenção sanitária em três hospitais da rede, após registrarem um "cluster" de óbitos por covid-19 -- 79 dos 136 registros até então. Uma das unidades era a do Paraíso, que, de acordo com a secretaria municipal de Saúde, já havia sido fiscalizada anteriormente por ter em seu quadro profissionais que não comunicaram os casos de contaminação no início da pandemia. O Ministério Público chegou a instaurar um inquérito para apurar a ocorrência. Segundo o MP, ele corre em segredo de justiça.

Unidade Paraíso do Hospital Sancta Maggiore, em São Paulo - Henrique Santiago/UOL - Henrique Santiago/UOL
Unidade Paraíso do Hospital Sancta Maggiore, em São Paulo
Imagem: Henrique Santiago/UOL

'O lado da verdade'

Um ano e meio mais tarde, os funcionários repetem os protocolos de higiene de cor e salteado. Mas falar do uso do tal kit covid causa desconforto. "Isso é coisa da mídia", declarou uma empregada do Sancta Maggiore, que reconheceu em seguida: "Era um protocolo que não era só da Prevent Senior, até hospital público estava usando."

A funcionária parece desconhecer o que seus executivos andam dizendo. Fernando Parrillo, em entrevista à Folha nesta quinta (23), não negou que o convênio continua a prescrever as drogas. "Nós respeitamos a autonomia médica, cada profissional receita o que considerar melhor para o seu paciente." A fala de Batista Júnior à CPI da covid, no dia anterior, corrobora a de Parrillo.

Na entrada do hospital, carros de alto padrão, como SUVs de marcas asiáticas, chegam sem parar. Valets do estacionamento estão sempre a postos para atender idosos com dificuldade de locomoção. Auxiliares de enfermagem vestidos de verde e branco espreitam se algum paciente necessita de cadeira de rodas para entrar no hospital.

Um dos auxiliares de enfermagem do Sancta Maggiore Paraíso, que não quis se identificar, defendeu o CEO da Prevent Senior, Fernando Parrillo, que disse em um vídeo estar "sofrendo acusações injustas por meio de denúncias infundadas". Com o visível cansaço de um plantonista, ele afirmou que o atendimento no hospital é bom, ainda que "tenha dificuldades". Embora Parrillo e Batista Jr. não tenham negado a administração continuada do "kit covid", o funcionário afirmou desconhecer qualquer envolvimento da empresa com o uso de medicamentos sem eficácia comprovada no tratamento de covid-19, por mais que trabalhe diretamente na área da saúde.

Sentado em um banquinho, ele procurava descansar enquanto erguia o pescoço para observar se algum cliente precisava de ajuda. O funcionário culpa a imprensa por colocar a Prevent Senior no olho do furacão.

"Tem que ver o lado da verdade, né? A empresa tem seus advogados, os médicos? E a mídia, você sabe como é a mídia. Eu prefiro ficar longe desse negócio."

Decoração do Hospital Sancta Maggiore Rússia, no Butantã - Henrique Santiago/UOL - Henrique Santiago/UOL
Decoração do Hospital Sancta Maggiore Rússia, no Butantã
Imagem: Henrique Santiago/UOL

Hospitais cenográficos

Além dos proprietários terem uma banda de rock (Doctor Pheabes, única banda a se apresentar no Rock in Rio e Lollapalooza em um mesmo ano, graças ao patrocínio da empresa aos eventos), a Prevent Senior também mistura saúde com entretenimento em seus hospitais temáticos.

Neles, onde as cirurgias eletivas são o carro-chefe, a decoração remete a locais turísticos, para dar um ar de hotel aos edifícios. No Morumbi está o que homenageia Dubai, com minaretes pintados nas paredes, sofás formando um desenho de palmeiras e as funcionárias travestidas como aeromoças da Emirates Airlines.

O hospital com arabescos ganhou notoriedade quando Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan, foi internado ali com covid-19, junto de sua mulher, Andrea. A mãe dele, Regina Hang, morreu em outra unidade da Prevent Senior. Em vídeos, o empresário lamenta não ter incentivado a mãe a tomar o "kit covid" preventivamente. Na quinta (22), durante a sessão da CPI, veio à tona a informação de que o prontuário de Regina omitia a covid-19 no atestado de óbito. O relato está num dossiê assinado por 15 médicos da Prevent, entregues à comissão do Senado.

Fachada do prédio do Hospital Sancta Maggiore Dubai, em São Paulo, que pertence à rede da Prevent Senior - Andre Ribeiro/Futura Press/Folha - Andre Ribeiro/Futura Press/Folha
Fachada do prédio do Hospital Sancta Maggiore Dubai, em São Paulo, que pertence à rede da Prevent Senior
Imagem: Andre Ribeiro/Futura Press/Folha

Silêncio e turbulência

O Butantã guarda um pedacinho da Rússia pouco conhecido pelos paulistanos. Isso porque a Prevent Senior inaugurou em dezembro de 2020, no prédio anexo ao Pronto Atendimento Sancta Maggiore, o Hospital Sancta Maggiore Rússia, com decoração temática que faz referência ao país.

Enquanto a fachada um tanto comum do pronto atendimento apresenta pintura gasta e encardida, o hospital que presta tributo a Moscou ostenta uma entrada imponente que ilustra a Catedral de São Basílio.

Uma cuidadora de idosos que desconhecia a vizinhança aguardava ansiosa a chegada do ônibus no ponto em frente aos hospitais, depois de fazer companhia a uma senhora. "Olha, é o Terminal Pinheiros", disse, aliviada, e fez sinal para o veículo com a mão.

O alvoroço que se vê do lado de fora não se reflete no hospital temático. Ali, visitantes conferem o quarto de seus conhecidos em totens de última tecnologia, manuseados por um empregado que faz as vezes de recepcionista. A entrada é liberada, após passarem por uma câmera de reconhecimento facial.

Naquela tarde, no início da semana, a cena de maior emoção na unidade foi a tentativa de um funcionário de limpeza de desentupir uma privada no banheiro masculino. Na recepção high tech, o desafio do recepcionista era explicar para uma mulher que não era ali que ficavam os pacientes com covid-19.

O interior quase vazio reproduz a mesma opulência vista do lado externo: paredes pintadas em azul, branco e vermelho, em alusão às cores da bandeira russa, um piano de cauda branco e até mesmo um espaço ecumênico para preces -- com a imagem de Santa Maria na parede.
O silêncio do hospital contrasta com a turbulência que a Prevent Senior vive do lado de fora. Mas isso não abala a positividade de quem trabalha ali. "Aqui dentro é maravilhoso, uma paz", disse um funcionário.