Topo

Arte & Design


Consultor Jequiti e entregador do gás ilustram HQs do Brasil que deu errado

O quadrinho "Apagão" retrata uma São Paulo pós-apocalíptica - Reprodução
O quadrinho "Apagão" retrata uma São Paulo pós-apocalíptica Imagem: Reprodução

Giacomo Vicenzo

Colaboração para o TAB

06/09/2019 04h00

Estamos em São Paulo, ano de 2032. Portar histórias em quadrinhos se tornou um crime hediondo. Maltrapilhos que queimam montes de páginas coloridas pelo centro admirando a "vida bela". Mas o "Comando de Caça ao Cuadrinista (C.C.C)" promete cumprir a missão planejada por uma milícia que ilegalmente comprou armas da Polícia Militar para eliminar de uma vez por todas a "cuadrinholândia", em nome da tradição, família e propriedade.

A trama em quadrinhos de humor escrachado é escrita e produzida de forma independente por Felipe Guaré, 32, conhecido como Jesus Guaré. Nascido em São Paulo, mas criado em Salvador, ele voltou à terra da garoa em 2013 e se instalou no Campos Elíseos, bairro que faz parte do distrito de Santa Cecília, na capital paulista.

Foram as diversas políticas públicas de intervenção à cracolândia ocorridas em 2017 pela Prefeitura de São Paulo que tocaram Jesus Guaré, que faz jus ao apelido e se inseriu como um messias na história de sua própria ficção publicada em 2018.

"O Estado faz de tudo para acabar com o tráfico. Vejo isso da janela da minha casa, é uma higienização social, quis colocar isso no quadrinho de forma irônica. A história faz rir, mas também pensar", explica.

Jesus Guaré, 32, é autor do "Comando de Caça aos Cuadrinistas (C.C.C)" - André Lucas/UOL
Jesus Guaré, 32, é autor do "Comando de Caça aos Cuadrinistas (C.C.C)"
Imagem: André Lucas/UOL

Nos quadrinhos, Guaré é um morador de rua que pretende vingar a execução sumária de seus amigos pelo poder paramilitar. No entanto, o físico abatido da vida nas ruas e a dieta à base de ratos mortos faz sua primeira missão kamikaze falhar.

Ele é resgatado e levado a um QG de quadrinistas localizado na periferia, único lugar a salvo da milícia que extermina os usuários de gibis. Lá, Guaré descobre que é de fato o messias, pois tem a marca do mendigo escolhido: uma tatuagem barata e falhada de dragão nas costas.

Trecho do livro "Comando de Caça ao Cuadrinista (C.C.C)" - André Lucas/UOL
Trecho do livro "Comando de Caça ao Cuadrinista (C.C.C)"
Imagem: André Lucas/UOL

Jesus Guaré inclui na trama outros personagens reais da cena underground dos quadrinhos, como Pablo Carranza, criador da série "Smegma Comix", que mistura comédia, futurismo e pornô hardcore. Um dos personagens é Rivalino, um caipira bronco que divide a casa com o lendário chupa-cabra, que na ficção, adora escrever poesias e é sentimental.

"Gosto do brega brasileiro por ser algo que vemos em nosso cotidiano e nos identificamos", diz Carranza. "'Smegma Comix' é um humor errado, são gibis de mau gosto. Há pessoas, assim como eu, que gostam do mau gosto."

Quadro emergente e futurista

Foram os infortúnios da vida real que inspiraram Raphael Fernandes, 35, a escrever sua obra em quadrinhos. Em 2009, quando voltava de um show, um apagão surpreendeu a capital paulista. "Fui buscar o carro e só tinha o meu. Liguei o rádio e todas as emissoras estavam fora do ar, exceto uma, que estava em um clima de filme de zumbi, sugeriu até um ataque como motivo da falta de energia", conta Fernandes.

Trecho do livro "Apagão" - Reprodução
Trecho do livro "Apagão"
Imagem: Reprodução

Da experiência nasceu "Apagão", publicado pela editora independente Draco, da qual Fernandes é sócio. Na ficção, a cidade fica três meses sem luz e se torna um território hostil dominado por gangues formadas por nazistas, por mulheres assassinas de homens e fanáticos religiosos violentos. O grupo "macacos urbanos" é protagonista. Com senso de justiça, eles ajudam pessoas indefesas usando técnicas de parkour e capoeira.

As cenas muito bem trabalhadas e coloridas trazem cenários comuns em uma São Paulo pós-apocalíptica, com esconderijos subterrâneos no Theatro Municipal e lutas que transformam a placa da rua São Bento em arma para uma pancadaria sangrenta.

A periferia é cyberpunk

A ligação com cenários reais envoltos em uma narrativa muitas vezes absurda é um traço forte nas obras escritas e roteirizadas por Fernandes, responsável por organizar o álbum de quadrinhos "Periferia Cyberpunk", que reúne oito histórias de 16 autores que retratam regiões periféricas altamente tecnológicas e futurísticas, mas com problemas de acessos básicos.

A inspiração do tema para o escritor nasceu em São Mateus, bairro periférico da zona leste da capital, onde morou até os 28 anos e trabalhou como professor de história em uma escola pública da região.

"As periferias do Brasil já são cyberpunks e têm muito desse conceito no abismo social extremado", comenta Fernandes.

"O periférico faz um gato que burla os bloqueios da TV a cabo e usa a cultura do mundo todo de graça com pirataria. Há mais lojas de videogame na quebrada do que padarias, e, ao mesmo tempo, tem muita gente sem ter o que comer. Existem autoridades locais como o PCC. São regiões da cidade com regras próprias de comportamento", diz.

Raphael Fernandes, 35, inspirou sua obra "Apagão" em um infortúnio da vida real - André Lucas/UOL
Raphael Fernandes, 35, inspirou sua obra "Apagão" em um infortúnio da vida real
Imagem: André Lucas/UOL

Quem escreve uma das narrativas de "Periferia Cyberpunk" é Larissa Palmieri, 30, quadrinista e designer de São Caetano (SP). Em sua ficção, a sociedade paulistana divide bem claramente quem deve viver em conforto, e quem deve se sujeitar a um mundo sem recursos e pós-apocalíptico.

A alta sociedade vive no alto do arranha-céu chamado Condomínio Paradise, com luxo e boa vida. Aos menos abastados financeiramente, resta lutar pela sobrevivência. Pessoas acima de 60 anos e criminosos são expulsos do prédio a bordo de um tobogã que leva do andar 272 direto para a sarjeta. O edifício é protegido por soldados armados e bestas ciborgues. O clímax fica por conta da expulsão de uma das inventoras do sistema, que terá que viver em meio à classe social que sempre repudiou.

Larissa Palmieri, 30, quadrinista e designer é uma das autoras de "Periferia Cyberpunk" - André Lucas/UOL
Larissa Palmieri, 30, quadrinista e designer é uma das autoras de "Periferia Cyberpunk"
Imagem: André Lucas/UOL

A pirâmide social narrada de forma concreta e explícita bebeu na fonte de experiências reais. "Já convivi com pessoas que não se importam com problemas sociais e ainda culpam outras que estão em situações de vulnerabilidade. Uma das personagens é inspirada em uma pessoa com estabilidade financeira que destratou brutalmente um manobrista, sem motivo", conta Pamiere.

Para a quadrinista os desenhos se tornaram um lugar de posicionamento. "Eu tento por meio da arte trazer essa reflexão. Não falar sobre isso me faz cúmplice. Tenho que fazer meu papel como cidadã."

Os quadrinistas Alessio Esteves e Raphael Fernandes, autores de "Zikas" - André Lucas/UOL
Os quadrinistas Alessio Esteves e Raphael Fernandes, autores de "Zikas"
Imagem: André Lucas/UOL

O gestor de projetos, Alessio Esteves, 37, é outro roteirista que, em parceria com Raphael Fernandes, mistura o improvável aos quadrinhos em "Zikas" com o personagem Barone, um jovem orc (criaturas humanóides de pouca capacidade intelectual) da periferia que trabalha em um boteco e, cansado de ser pobre, encara missões para ganhar uma grana. "As camadas trazem problemas da cidade grande, como rolezinhos, ocupações e o crack", explica Esteves.

Para o jornalista Alexandre de Maio, que retrata ambientes periféricos em quadrinhos há 20 anos, a inserção da cultura pop é uma conquista importante para a periferia. "É importante retratar São Paulo como ela é. A periferia é a maior parte da cidade, os quadrinhos precisam ter todos os aspectos do Brasil, até mesmo para gerar mais interesse por esse tipo de arte", opina.

Ordinário e fantástico

Foi entre pizzas e gibis que o pizzaiolo e quadrinista de Joinville Victor Bello, 24, deu vida à obra de dois volumes "Úlcera Vortex", publicada pela Escória Comix. Os desenhos trazem a odisseia de um entregador de gás que viaja para dentro do estômago de um cientista com úlcera. A aventura abre passagem a um mundo interdimensional. Lá, o personagem Adriano Gás encara criaturas terríveis, que nem mesmo os melhores remédios para doenças estomacais dariam conta.

"Precisava de um personagem que faria uma parceria improvável com um cientista", conta Bello. "Pensei que esse cientista poderia ter uma dívida com um entregador de gás. Acontece às vezes de comprarmos botijões fiado, e os entregadores têm esse perfil de alguém forte, às vezes bruto, mas também simpático, carismático e bonzinho."

O convite para publicar a história do personagem comum no cotidiano, mas heroicamente incomum, veio de Lobo Ramirez, 27, criador e editor da Escória Comix, que funciona na sala de sua casa em São José dos Campos.

"Eu queria juntar tudo que fosse considerado a escória na visão normal e conservadora da sociedade. Quadrinhos punks, escatológicos, de putaria e engraçados. Todos os quadrinhos têm personagens tão incomuns quanto o Adriano Gás", explica Ramirez.

Capa do livro 'Consultor Jeøuiti' - Reprodução
Capa do livro 'Consultor Jeøuiti'
Imagem: Reprodução

Quem também encontrou espaço para unir personagens do cotidiano a uma trama improvável foi o aracajuano Pablo Carranza, 33, criador do zine "Consultor Jeøuiti", produzido para a série "Heavy Metal Porno Holocausto". O enredo conta a curta história de um vendedor de cosméticos que encara uma sedutora alienígena, que está disposta a fazer realmente tudo pelos tais cremes.

Alexandre de Maio defende que os quadrinhos ajudam na ligação entre o mundo comum e o fantástico porque a técnica não requer grandes orçamento como no cinema. "É possível criar qualquer universo com uma liberdade muito grande. O desenho é a primeira linguagem do ser humano sendo capaz de acessar locais no inconsciente muito antes do texto, trazendo uma primeira reflexão", afirma o jornalista e autor de "Raul", uma entrevista com um golpista de cartão de crédito em quadrinhos.

As páginas dos quadrinhos undergrounds são capazes de ser uma ponte entre o mundo real e o imaginário em que podem germinar orcs rolezeiros, tribos violentas ou uma periferia cyberpunk. Independentemente da história, adentrar nelas é a certeza de esbarrar em protagonistas que muitas vezes são figurantes da vida cotidiana e correr o risco de nunca mais vê-los com a mesma simplicidade. Na próxima troca, receba bem o seu entregador de gás.

Mais Arte & Design