Topo

Sociedade


Sítio anarquista sobrevive a invasão de black blocs e a duas ditaduras

Cid Gabriel posa em frente à porteira do sítio anarquista em Mogi Das Cruzes, na Grande São Paulo  - Marcelo Tuvuca Freire/UOL
Cid Gabriel posa em frente à porteira do sítio anarquista em Mogi Das Cruzes, na Grande São Paulo Imagem: Marcelo Tuvuca Freire/UOL

Marcelo Tuvuca Freire

Do TAB, em Mogi das Cruzes (SP)

17/10/2019 04h01

Quem vê a inscrição Nosso Sítio no portão após sete quilômetros de estrada de terra em Mogi das Cruzes (SP) não desconfia que atrás dele se esconde uma boa parte da história do anarquismo no Brasil.

Envolta pela área de proteção ambiental na Serra do Itapeti, a chácara acolhedora parece até uma propriedade privada bem burguesa, de tanto apreço dos anfitriões em preservar as características naturais do lugar. Mas uma conversa com Cid Gabriel, um dos sócios do lugar e morador, traduz como mentalidade anarquista está impressa nos 12 hectares do local.

A vivência em comunidade em meio à natureza está nas origens do Nosso Sítio desde que seus fundadores (pouco mais de uma dezena de militantes) idealizaram o local na década de 1930. Ele foi aberto em 1939 no Itaim Paulista, na zona leste de São Paulo, driblando a repressão do período mais duro do regime autoritário de Getúlio Vargas (1930-1945).

Em 1966, com outra ditadura perseguindo os opositores, a sede do grupo mudou para Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo. Em 2013, o sítio virou refúgio para outro grupo: os black blocs invadiram a propriedade e a transformaram em "campo de treinamento".

Moinho cenográfico no sítio anarquista de Mogi das Cruzes (SP) - Marcelo Tuvuca Freire/UOL
Moinho cenográfico no sítio anarquista de Mogi das Cruzes (SP)
Imagem: Marcelo Tuvuca Freire/UOL

A luta inglória dos anarquistas é simbolizada pelo moinho e as estátuas de Dom Quixote e Sancho Pança, deixados no sítio pelos imigrantes espanhóis do início do movimento no Brasil.

Anarquista por natureza

Os fundadores se identificavam com conceitos como o ecologismo e o naturalismo, em uma época que ainda não se falava em sustentabilidade ou aquecimento global - não nesses termos, pelo menos. Mas o aspecto que mais chama a atenção é que eles também eram figuras centrais do movimento anarquista brasileiro, informação desconhecida até de pessoas que conviveram anos e anos no local. E a orientação libertária, com vínculos ideológicos com o ambientalismo e o coletivismo, permanece viva no Nosso Sítio.

A ligação com o movimento é tão central que ainda hoje a Sociedade Naturista Amigos da Nossa Chácara (SNANC) tem relações diretas com o Centro de Cultura Social, a sede dos anarquistas em São Paulo e palco de palestras e debates sobre temas sociais.

Do protesto ao retiro

No Brasil, o anarquismo ganhou força nos sindicatos no começo do século 20, tendo seu auge em insurreições urbanas como a primeira greve geral no país, em 1917, paralisação que teve como um de seus líderes Edgard Leuenroth, fundador de sítio.

O movimento teve uma ascensão tão rápida quanto uma derrocada no Brasil, atingido de um lado pela repressão federal, e do outro pela predominância, nos sindicatos, dos socialistas e comunistas. Em 1937, quando Getúlio Vargas implantou a ditadura do Estado Novo, o fechamento do Centro de Cultura Social obrigou os anarquistas a se ocultarem e a se reorganizarem.

Foto antiga com alguns dos fundadores do sítio anarquista e suas famílias - Reprodução
Foto antiga com alguns dos fundadores do sítio anarquista e suas famílias
Imagem: Reprodução

Foi assim que nasceu o Nosso Sítio, em 1939. Mais do que referências de um movimento ideológico, Leuenroth e seus companheiros eram estudiosos que se dedicavam a aprender e ensinar uma forma diferente de organização da sociedade.

O sítio passou a ser habitado por integrantes históricos do movimento e por suas famílias. Aos poucos, ganhou mais cara de comunidade familiar do que movimento político. Até mesmo os donos de chácaras vizinhas passaram décadas sem qualquer ideia da orientação anarquista, segundo o relato de militantes antigos como Nilton Mello, 45, um dos mantenedores do Centro de Cultura Social e também da associação que cuida do sítio.

Quando cheguei lá no início dos anos 1990, o pessoal da vizinhança perguntava para a gente: você é filho do Jaime? É neto do Chico? Mesmo com 200 pessoas indo lá, ninguém notava que tinha um cunho político
Nilton Mello, militante anarquista



Outra figura antiga do sítio é Leco, 66, que começou a ir ao local quando era um jovem militante do jornal anarquista "O Inimigo do Rei", clandestino durante a ditadura militar. As atividades políticas, no entanto, eram mais acidentais do que frequentes. "Eu vinha para algumas reuniões, mas na maior parte das vezes era para cortar mato e arrumar as coisas, tomar uma cerveja e fazer uma feijoada. A gente vinha aqui e convivia como se fosse um sítio de família mesmo."

Resistência pacífica

Cid Gabriel, 59, é filho de Lucca Gabriel, outro pioneiro do anarquismo no país e fundador do sítio que Cid frequenta desde criança. Mesmo indo à chácara em quase todos os fins de semana naquela época, ele só foi descobrir a orientação anarquista dos frequentadores, e do próprio pai, depois de completar 18 anos.

"Nunca ouvi as palavras anarquismo ou libertário saindo da boca do meu pai. Ele faleceu quando eu tinha 16 anos e só fui saber de sua história depois disso, quando descobri a biblioteca dele, com várias referências anarquistas."

Cid soube depois, o local era sim usado para reuniões e conversas políticas do grupo. Mas tudo acontecia da forma mais discreta possível para evitar que a palavra "anarquismo" chegasse aos ouvidos da ditadura militar brasileira.

O sítio escondeu livros e pessoas, mas nunca escondeu armas
Nilton Mello

Mesmo com uma trajetória pós-1920 marcada pela resistência pacífica, distante da luta armada, o Centro de Cultura Social e os anarquistas históricos não foram esquecidos por regimes repressores como o Estado Novo e a ditadura militar (1964-1985). Alguns integrantes ficaram algum tempo na prisão. O CCS foi fechado tanto em 1937 quanto em 1969; o Nosso Sítio mudou do Itaim Paulista para Mogi das Cruzes em 1966 justamente para ficar mais longe dos holofotes urbanos.

Nesses períodos, a chácara também serviu como refúgio de perseguidos políticos, contam Cid e Nilton. "Mas os companheiros ficavam apenas de passagem, só para não ficarem muito expostos depois de fazer alguma viagem a outro estado, por exemplo. Ninguém ficava encrustado lá", conta Nilton, ressaltando que isso não afetou a orientação pacifista.

A busca do consenso

Cid recebe a reportagem no sítio ao lado de Leco, um de seus velhos parceiros anarquistas. Sua ligação afetiva com o local é evidente. Ele só tem boas lembranças de ter passado a infância por ali, nas décadas de 1960 e 1970.

A experiência era plenamente educativa. A criança tinha o direito de falar e sua opinião era respeitada. Todo mundo ficava quieto e ouvia. Eu falava, depois passava a palavra para o outro. E assim eu aprendi a falar e ouvir
Cid Gabriel, morador do sítio


Ao contrário do companheiro, Leco não cresceu por ali, visitando o sítio quando tinha mais de 20 anos, no começo da década de 1980. Era um jovem do sindicato dos bancários. Ele não gosta de aparecer e, por isso, prefere não ser fotografado. Mas gosta de falar, bastante, sobre a história do anarquismo, do pensamento libertário e também de suas discordâncias em relação a companheiros socialistas e comunistas.

De personalidades nitidamente diferentes, Cid e Leco também têm discordâncias entre si, e às vezes elas refletem em decisões práticas no sítio - como, por exemplo, a eliminação de um foco de cupim em um objeto de madeira. Mas eles concordam que, entre anarquistas, é sempre preciso haver um consenso.

As figuras de Dom Quixote e Sancho Pança, esculpidas à mão por anarquistas espanhóis - Marcelo Tuvuca Freire/UOL
As figuras de Dom Quixote e Sancho Pança, esculpidas à mão por anarquistas espanhóis
Imagem: Marcelo Tuvuca Freire/UOL

"As pessoas têm que se entender. Não é só votar e metade mais um decide. E quer saber se isso funciona? Estamos aqui há 80 anos."
Leco. "Aqui, a maioria não mata a minoria. Todos têm que estar de acordo. Ou, se não estiver de acordo, tem que ceder. Mesmo que diga 'não vai dar certo', mas cede", acrescenta Cid.

Um pouco mais novo que Cid e Leco, Nilton Mello, o "Óculos", chegou ao movimento no começo dos anos 1990 como vários anarquistas da sua época: por meio do punk rock. "Era um moleque de 16 anos quando conheci o movimento anarcopunk. O Centro de Cultura Social foi a porta de entrada dos punks, uma molecada crua e rebelde. Foi a nossa escola."

Nilton presenciou toda a trajetória do sítio nas últimas três décadas, conhecendo inclusive alguns anarquistas históricos como Jaime Cubero, Francisco Cuberos e Diego Gimenez, a quem chama carinhosamente de "velhinhos". Nos anos 2000, com poucos dos pioneiros vivos, o sítio acabou ficando cada vez menos frequentado. Nilton foi um dos integrantes do CCS e da associação que assumiu os cuidados do lugar. "Mas eu descobri que é quase impossível mantê-lo indo só uma vez por semana. São 12 hectares. Exige muita coisa", diz.

A invasão black bloc

Apesar de o Nosso Sítio ser pouco conhecido mesmo entre os anarquistas, ele não era exatamente um segredo no movimento. E, por causa disso, passou por seu momento mais delicado em outubro de 2013.

Naquele mês, Nilton recebeu telefonemas dos vizinhos alertando que um grupo havia invadido a chácara. Quando chegaram lá, encontraram um velho conhecido: o ativista Leonardo Morelli, que estava ocupando o lugar junto com jovens black blocs, figuras centrais das grandes manifestações que ocorreram no Brasil naquele ano.

Na época, Morelli atuava em uma ONG de Mogi das Cruzes, mas Nilton, Cid e outros anarquistas conheciam bem sua biografia. Segundo o relato dos dois, Morelli integrou o movimento anarquista nos anos 1980 e 1990, antes de ser banido por desentendimentos com outros membros. Durante sua passagem pelo CCS, chegou a visitar o sítio. Em 2013, foi considerado um invasor. "Ele viu uma oportunidade com os black blocs, cooptou uma molecada besta e ficou lá", diz Nilton.

Em novembro de 2013, um repórter da revista Época visitou o sítio ocupado pelos black blocs, definindo o local como um "campo de treinamento". Morelli foi entrevistado e apareceu fotografado com outros integrantes na chácara - ele era o único sem máscara. Morelli foi identificado como "braço visível e oficial" que apoiava a causa black bloc.

Naquele momento, a associação tentou recuperar o sítio. Houve um confronto verbal com Morelli, mas Cid, Nilton e outros integrantes não conseguiram que o grupo deixasse o local.

Os black blocs disseram que iriam para a luta. Eu respondi: vocês vão é fazer besteira. Querem ir para a luta? Coloquem a bunda na cadeira e estudem um pouco. Isso é luta
Nilton Mello, lembrando dos black blocs de 2013

A invasão durou pouco mais de um mês. Dez dias depois do primeiro encontro, Cid retornou para o local, com a intenção de confrontar o grupo e chamar a polícia. Mas ele encontrou portas e janelas arrombadas, camas quebradas, fogão destruído e até roupas sujas largadas num saco plástico.

Os black blocs haviam saído às pressas. Segundo Cid, os vizinhos, descontentes com ações do grupo nas redondezas, os expulsaram dali. Depois disso, não se falou mais em black blocs no Nosso Sítio. Morelli, por sua vez, sofria com problemas cardiovasculares e morreu pouco depois, em dezembro de 2013, em um hotel em Florianópolis.

O futuro no meio ambiente

O sítio estava inabitável. Foi aí que Cid, com apoio dos colegas do CCS, resolveu morar no local e trabalhar em sua reconstrução. "O sítio estava no fundo do poço e começa a ressurgir agora", diz Nilton.

Na conversa com Cid, fica clara sua visão de mundo e sua preocupação com todos os aspectos do ambiente. Seis anos após a invasão black bloc, o sítio tem a sua cara. Ele conhece cada centímetro de mata e das construções antigas, além dos itens que decoram o salão de reunião dos anarquistas há mais de 50 anos. Há ferramentas e maquinário que vieram da década de 1920.

O Nosso Sítio tem uma sede, com uma cozinha grande, duas casas pequenas e uma terceira construção, a mais antiga, em ruínas. "Caiu uma árvore em cima dela e infelizmente não conseguimos recuperar", explica Cid. Outro ponto de destaque é o moinho, meramente "cenográfico", como define o anfitrião.

Há também uma mina de água dentro do terreno, que abastece o sítio inteiro. "Isso foi pensado pelos fundadores", conta Cid. Todos esses aspectos são parte do conceito da permacultura, que Cid quer começar a ensinar a jovens aprendizes.

A permacultura promove a integração do ser humano com a natureza, respeitando todo o ciclo. Você usa a água, produz alimentos, usa uma caixa de compostagem e uma fossa asséptica e reutiliza o gás que é produzido. O lixo que você gera não entra e nem sai. Nada é descartado; tudo é reutilizado. Essa é a cadeia da permacultura
Cid Gabriel, morador do sítio anarquista


O discurso de reutilização e integração com a natureza talvez seja, hoje, a maior conexão do movimento anarquista-libertário com os mais jovens. O aquecimento global, por exemplo, é uma questão que Leco acompanha com preocupação. "E o primeiro passo para combatê-lo é a redução planejada da vida útil dos celulares, TVs, computadores, pneus, geladeiras etc. Não se justifica um celular ficar obsoleto em um ano e meio. É uma política industrial suicida."

Como se vê, o movimento, já centenário, ainda tem suas demandas. E as pautas, debatidas principalmente no Centro de Cultura Social, continuam mais relevantes do que nunca, atraindo jovens que não costumam se rotular como anarquistas, ou em outra ideologia do tipo.

Biblioteca presente no sítio mostra as preferências literárias de seus frequentadores - Marcelo Tuvuca Freire/UOL
Biblioteca presente no sítio mostra as preferências literárias de seus frequentadores
Imagem: Marcelo Tuvuca Freire/UOL

"É o nosso público de hoje, que vem pelas palestras. Abrimos para qualquer um, sem rotular, para falar sobre pautas como feminismo, ecologismo, LGBT. Não precisa colocar anarquismo no meio. O que se discute são ideias gerais, desde que seja contra o capitalismo e o autoritarismo", afirma Nilton.

E, nesse trabalho de transformação, Cid espera que o Nosso Sítio seja também um agente pedagógico, que para ele é o principal ponto de mudança em qualquer sociedade.

"É muito importante quando a criança vivencia um ambiente de liberdade, respeito, consideração e entende essa personificação do coletivo. A gente aprende a ter respeito não só pelas pessoas, mas também pelas coisas importantes para a comunidade. A planta, o animal, a pedra, a terra, tudo isso faz parte de um conjunto que forma o caráter do indivíduo. Quando se rompe o fio condutor entre indivíduo e comunidade, a violência se generaliza", argumenta o caseiro anarquista.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Sociedade