Topo

Sociedade


Só os ricos poderão escolher se morrem ou vivem, diz futurista

Lídia Zuin, Michel Alcoforado e Rodrigo Bertolotto - Lucas Baptista/ UOL
Lídia Zuin, Michel Alcoforado e Rodrigo Bertolotto Imagem: Lucas Baptista/ UOL

Kaluan Bernardo

Do TAB, em São Paulo

23/10/2019 16h03

TAB completou cinco anos de vida e, para celebrar, fizemos o que fazemos melhor: discutimos o futuro. Para isso, convidamos Ricardo Abramovay, professor sênior de economia da USP, que falou sobre como dados estão moldando nossos comportamentos. Em um segundo momento, nossos colunistas Lidia Zuin e Michel Alcoforado debateram como a tecnologia muda até mesmo nossa forma de encarar a morte.

É possível que a tecnologia nos permita viver para sempre. A questão que dividiu as opiniões dos colunistas do TAB é se vamos querer viver para sempre. Para a futurista Lidia Zuin, muitos irão querer viver para sempre, mas nem todos conseguirão — e isso é um problema. "A questão da vida estendida pela tecnologia pode ser uma das questões mais perigosas do século. Porque, enquanto for caro, será possível que apenas os ricos vivam pelo tempo que quiserem", disse.

Já para o antropólogo Michel Alcoforado, as pessoas não irão querer viver para sempre, pois a tecnologia trouxe muitas incertezas para o futuro. "Eu não acredito que, em um mundo no qual as taxas de suicídio só crescem, as pessoas vão querer a imortalidade", diz. Para ele, se nem mesmo tivermos a certeza da morte, nossas relações perdem sentido e a vida se torna um tédio.

Não faltaram referências para discutir o que vai ser feito do fim. O futuro, para Alcoforado, está nas letras de MC Marcinho: "Nem melhor, nem pior — apenas diferente". Zuin lembrou da animação "Coco", dos estúdios Disney, centrada no tema da morte para a cultura mexicana. Para ela, temos três mortes ao longo da vida: quando percebemos que vamos morrer, quando nosso corpo morre e quando somos esquecidos.

Essa última morte, no entanto, talvez não exista mais na internet — uma vez que sempre deixamos rastros digitais. É por isso que Alcoforado defendeu o direito de ser esquecido — o que, em última instância, também é um direito à morte. "O principal trunfo da morte é o direito de te esquecerem. Quais possíveis mortes teríamos ao longo da vida, de que a tecnologia nos priva?".

O nosso direito a ser esquecido passa também pela questão do quanto nossos dados são explorados, quem detém o monopólio dessas informações e como isso impacta nossa sociabilidade . Essa foi a tônica da conversa de Rodrigo Bertolotto, editor do TAB, com Ricardo Abramovay, professor sênior de economia da USP.

TAB faz 5 anos e mostra trajetória de jornalismo profundo e multimídia

UOL Tab

Nossos comportamentos estão sendo programados

"A capacidade de quem controla as máquinas interferir nos comportamentos sociais está crescendo de maneira exponencial, sem que exista qualquer tipo de governança global quanto a isso. E isso se dá principalmente pela economia de dados", explicou Abramovay.

É por isso que o processo de coleta de dados deve se aprofundar. Dados pessoais serão coletados e organizados de forma cada vez mais intensa em uma tentativa moldar comportamentos por governos e empresas. É o caso do Cadastro Base do Cidadão, do governo federal, que pretender até mesmo reunir dados biométricos — como forma de andar, formato da face ou íris dos olhos — para reconhecer a identidade de cada um.

Lucas Baptista/ UOL
Imagem: Lucas Baptista/ UOL

"Nós estamos vivendo em uma sociedade de vigilância. A legitimação da sociedade de vigilância é imensa e está se ampliando. Em um país com 60 mil assassinatos por ano, é claro que, na consciência social dominante, nada é melhor do que ter câmera por todo canto para detectar bandidos", comenta o professor. Ele ressalta que a invasão não é só da privacidade individual, mas também social. "Essa invasão atinge nossa coletividade, nossa maneira de ser", disse.

Para o economista, os dados também modificam as formas com as quais as pessoas entendem o preço, ou o valor das coisas. "Em uma economia de dados, você sabe de antemão o que as pessoas querem. O futuro da economia global baseada em dados é um futuro em que o mercado como conhecemos vai ser profundamente transformado", diz

"O grande tema dos próximos cinco anos é ver o que a gente pode fazer e o que a gente deve fazer", diz Abramovay. Ele defende que é necessário contestar mais modelos de negócios e investidas científicas de empresas digitais, governos e pesquisadores, em busca de um debate sobre o que é ético para o futuro — tanto em tecnologia quanto em avanços científicos.

Assista ao conteúdo na íntegra:

Papo com economista Ricardo Abramovay mostra como dados dominam economia

UOL Tab

Blogueiros do TAB falam de ciborgues, fim da morte e "infotoxicação"

UOL Tab

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Sociedade