Topo

Sociedade


Em plena onda feminista, Machonaria quer resgatar masculinidade patriarcal

"Machonaria" em sua primeira edição: masculinidade, empreededorismo e espiritualidade - Reprodução/Facebook/Machonaria
"Machonaria" em sua primeira edição: masculinidade, empreededorismo e espiritualidade Imagem: Reprodução/Facebook/Machonaria

Tiago Dias

Do TAB, em São Paulo

08/11/2019 04h01

O feminismo do século 21 é definido pela tecnologia, como escreveu a jornalista Kira Cochrane em "All the Rebel Women: The rise of the fourth wave of feminism" (em tradução livre: "Todas as mulheres rebeldes: O surgimento da quarta onda do feminismo"). Mas em alguns rincões deste vasto campo nas redes sociais, há quem defenda que só a masculinidade forte pode salvar uma sociedade fragilizada.

O discurso ganhou relevância no domingo (3). No dia anterior, o ator Juliano Cazarré publicou o vídeo de um gorila, protegendo sua família no Instagram. Na postagem, o ator usou o gesto primata para ironizar a ideia, muito discutida em círculos acadêmicos, de que a masculinidade é uma construção social: "Só que não", escreveu na legenda. "Prover e proteger: a masculinidade faz do mundo um lugar mais seguro."

A reação nas redes sociais foi ruidosa. "[Quem] 'faz do mundo um lugar seguro' são os que matam, estupram, roubam, abandonam", observou uma seguidora, entre tantos outros que exigiam retratação. No entanto, muitos endossaram o pensamento. "Bem-vindo a selva trans moderna, baby! É proibido ser homem", escreveu o pastor Anderson Silva, diante da repercussão. "Seja homem e não peça desculpa por isso."

Silva é líder da Igreja Vivo por Ti, com sede em Brasília, e idealizador do evento "Machonaria", um encontro de homens que acontece pela segunda vez na cidade, de 14 a 17 de novembro. O foco principal é apresentado em letras garrafais na divulgação do Facebook: resgatar a "masculinidade patriarcal".

O TAB entrou em contato com Silva para ouvir mais sobre esse resgate. Ele topou dar entrevista, mas não respondeu mais as mensagens para agendar o bate-papo. A descrição do evento, porém, dá pistas sobre essa busca: "O mundo moderno tentará de todas as formas tirar sua honradez em meio de vícios e desejos que todos nós possuímos. Mas os justos são fortes e ímpares. Resistiremos às tentações que nos rodeiam e no fim seremos homens honrados lutando juntos em prol de um lugar melhor".

Patriarcado contemporâneo

Com 34 anos e tatuagens espalhadas por todo o corpo, o pastor é exemplo da onda neopentecostal, que se vale de uma abordagem mais contemporânea em suas atividades e pregações. Na Vivo por Ti, por exemplo, há um programa para a inserção de LGBTs na igreja e, durante o culto, citações a artistas pop se misturam às passagens da Bíblia.

As mulheres da igreja ganharam desta vez uma versão do evento, "Femmenaria", com a promessa de discutir "feminilidade e empreendedorismo", diante das "ideologias humanistas ateístas, as frustrações e a masculinidade disfuncional".

Essa falha de caráter dos homens é, na visão do pastor, a razão para muitas famílias desestruturadas, filhos abandonados e mulheres violentadas. Para resolver a questão? "Precisamos de uma ressurgência do patriarcado! Precisamos de uma masculinidade forte que é pautada pela responsabilidade e pelo sacrifício", escreveu em seu Instagram. "Sem homem, sem família, sem igreja, sociedade enfraquecida, caos. Seja homem! Lidere!"

Os discursos de Silva e Cazarré sugerem que o resgate dos valores desse homem forte e provedor é a resposta para uma sociedade em colapso, o que o pastor Ariovaldo Ramos, coordenador da Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito e presbítero da Comunidade Cristã Reformada em São Paulo, entende como equívoco.

"A paternidade, sim, é provedora e protetora, mas a paternidade não é uma característica masculina", observa o filósofo e teólogo ao TAB. "Temos uma crise humana séria. O [filósofo polonês Zygmunt] Bauman já chamava isso de sociedade líquida. Nós todos estamos passando por isso. A perspectiva cristã, que esses irmãos estão chamando de fraqueza, não é fortalecer figuras, é recuperar um estado de adoração ao Deus comunitário, para recuperar a profunda noção de comunidade."

Para a antropóloga Isabela Venturoza, doutoranda na Unicamp e pesquisadora do Núcleo de Estudos de Gênero (Pagu), esse modelo de masculinidade passa por um momento de colapso, causado, em certa medida, pela mudança em termos de direitos das mulheres e da ampliação dos papéis delas na sociedade, não mais restritos ao de esposas e mães.

"Enquanto isso, os homens não alteraram esses modelos de masculinidade, não encontraram outros papéis e ficaram mais apegados à questão de retomar esses valores, ou então entraram em crise, ficaram paralisados: 'o que faço agora?'", afirma.

"Eles vão por aí tentar resgatar o lugar do homem na sociedade, porque esse homem tem cada vez mais desaparecido e é preciso assegurar que ele esteja aqui, porque a sociedade está, em um certo sentido, numa crise de paradigmas", explica Venturoza.

Masculinidade, espiritualidade e empreededorismo: a tríade da "Machonaria" - Reprodução
Masculinidade, espiritualidade e empreededorismo: a tríade da "Machonaria"
Imagem: Reprodução
Elemento perdido

Encontros como a Machonaria não são novos e vêm sendo reeditados nas últimas décadas, inclusive no campo progressista, para discutir o lugar do homem nessa sociedade em movimento.

Esse tipo de reação vem desde pelo menos os anos 1980, com o chamado movimento mitopoético de homens. Seu porta-voz, o poeta Robert Bly, criticava "homens débeis" e sustentava a importância de iniciar garotos a resgatarem certos valores esquecidos. "Tentar retomar uma masculinidade ancestral perdida", observa a antropóloga.

O campo religioso é pioneiro na discussão. Nos Estados Unidos, um movimento chamado Promise Keepers reúne homens cristãos desde os anos 1990 para retomar a centralidade da figura do chefe de família, em resposta a uma sociedade "despedaçada".

Leituras mais radicais também circulam livremente nas igrejas brasileiras. Em setembro de 2019, um vídeo gravado dentro da Igreja Universal do Reino de Deus mostrava o bispo e fundador Edir Macedo dizendo que não permitiu que suas filhas fizessem faculdade. Para ele, caso estudassem, elas passariam a ser as "cabeças" da família. "E se ela fosse a cabeça, não serviria à vontade de Deus", concluía.

Há outras experiências em curso, como o movimento cristão "Ela não é sua rehab", na Nova Zelândia, que auxilia homens a curar traumas do passado através de conversas honestas.

Com as comunidades religiosas ocupando cada vez mais espaço na vida das pessoas, muitas vezes desempenhando o papel de amparo social, a maneira como masculinidade vai ser tratada nesses tempos vai ressoar com força.

"Não é a religião em si, mas certas interpretações dentro da religião que às vezes parecem bastante hegemônicas", observa Venturoza. "Mas vão existir certas fissuras que vão trazer experiências mais interessantes dentro desse cenário."

Um dos exemplos é o grupo "Católicas pelo direito de decidir", que reúne mulheres católicas que advogam a favor da descriminalização do aborto. "A religião também pode abrigar discussões que são progressistas, que são comprometidas com promoção de direitos", observa.

"Machonaria" acontece pela segunda vez em Brasília. O foco principal está em letras garrafais no evento divulgado no Facebook: resgatar a "masculinidade patriarcal" - Reprodução/Facebook/Machonaria
"Machonaria" acontece pela segunda vez em Brasília. O foco principal está em letras garrafais no evento divulgado no Facebook: resgatar a "masculinidade patriarcal"
Imagem: Reprodução/Facebook/Machonaria
Entre maldições e construções

É justamente por essa natureza dinâmica que muitas dessas igrejas estão abertas para abordagens mais contemporâneas. Aos poucos, palavras como "empreendedorismo" e "coaching" passaram a integrar o vocabulário de muitos desses eventos. Esse viés está presente na "Machonaria" — que Silva defende ser apenas um nome irônico.

Para ele, o machismo não é algo meramente cultural, mas sim, uma "maldição adâmica". "É um amálgama espiritual e estrutural no íntimo de todo filho de Adão, seja ele um agressor (machista por ação) ou um frágil dócil hippie esquerdista omissor (machista por omissão)."

O patriarcado é divino! O patriarcado ressurge! Vamos quebrar a narrativa ideológica de que patriarcado e machismo são a mesma coisa!

Anderson Silva, pastor que organizou a Machonaria

A visão, baseada em uma leitura própria da Bíblia, vai contra a ideia da masculinidade como construção social, um tema que começou a inspirar pesquisas acadêmicas e trabalhos em comunidades, principalmente após os anos 2000. Como é o caso de Isabela Venturoza. Desde 2013, a antropóloga trabalha em escolas para falar sobre o tema, e participa de grupos reflexivos com homens autores de violência. São rodas de conversas semanais, onde se discute masculinidade, paternidade, sexualidade, violência e saúde mental.

Em uma pesquisa feita com imigrantes em São Paulo, muitos deles faziam alusão a textos religiosos para defender o homem como a "cabeça" da família.

"Eu lembro de uma frase muito forte que um disse: 'você pode ver um corpo, um corpo tem dois pés, duas pernas, dois braços, mas só tem uma cabeça, não pode ter muitas cabeças'", lembra.

No livro "A construção social da masculinidade", o sociólogo Pedro Paulo Martins de Oliveira chama a atenção para a masculinidade como um espaço simbólico de sentido estruturante que modela atitudes, comportamentos e emoções a serem seguidos. É a "efígie viva dos mais altos valores sociais".

"Apesar de todas as mudanças socioestruturais e todos os movimentos que continuamente contestam a hegemonia masculina, esse lugar simbólico ainda é bastante valorizado e funciona como bússola de orientação para a construção de identidades em diversos segmentos sociais", defende Oliveira.

O pastor Ariovaldo Ramos diz que não tem dúvidas da construção social desse ideal de homem.

"É aquela velha história: 'ah, antigamente não era assim...' 'Antigamente' não era hoje, por definição. 'Antigamente' não conhecia o que nós conhecemos. 'Antigamente' não sofria o que sofríamos, não tinha os problemas que nós temos. Cada geração vai reagir a suas próprias demandas da época", observa.

Para ele, as escrituras sagradas apontam apenas a Trindade - o Pai, o Filho e o Espírito Santo - como o norteador das ações. "A Trindade nos ajuda a compreender que nenhuma demanda será enfrentada se nós perdermos a noção de comunidade e de unidade", diz. "É outra pegada."

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Sociedade