Topo

Notícias


350 anos depois: O que Rembrandt pode nos ensinar sobre selfies

Autorretrato do mestre holandês Rembrandt, roubado do Museu Nacional da Suécia em assalto armado ocorrido em 22 de dezembro de 2000, em Estocolmo, na Suécia - Divulgação
Autorretrato do mestre holandês Rembrandt, roubado do Museu Nacional da Suécia em assalto armado ocorrido em 22 de dezembro de 2000, em Estocolmo, na Suécia Imagem: Divulgação

Do TAB, em São Paulo

01/08/2019 15h49

De vez em quando, um artista do passado volta e parece estar em toda parte - por aqui, no Brasil, a mostra com obras de Tarsila do Amaral no Masp fez o modernismo brasileiro invadir os feeds do Instagram. Lá fora, é a vez de Rembrandt van Rijn e seus autorretratos, um tema que coloca o pintor barroco no terreno contemporâneo das selfies.

Desde o início deste ano, que marca os 350 anos de sua morte, o mestre holandês tem sido tema de dezenas de exposições. Em Amsterdã, uma exposição reuniu 400 obras do pintor pela primeira vez na história. Em Londres, a Gagosian Gallery abriu uma exposição com os autorretratos de Rembrandt mostrados ao lado de obras contemporâneas, intitulada "Visões do Eu".

Essa faceta retratista de Rembrandt parece ser o grande foco dessa celebração, como é o caso da mostra "Rembrandt Portraits", no Art Institute, em Chicago, e o lançamento de novos livros pela editora Taschen, um dedicado apenas aos autorretratos.

Rembrandt foi o primeiro artista a pintar-se com frequência, completando 80 autorretratos em seus 63 anos. Alguns historiadores alegam que essa prática visava criar verdadeiros itens de colecionador ou servia apenas para demonstrar seu talento a clientes em potencial, já que ele muitas vezes ele se exibia em trajes históricos.

No novo livro "Rembrandt: The Self-Portarits", os historiadores de arte Volker Manuth, Marieke de Winkel e Rudie van Leeuwen explicam que os autorretratos podem ter sido a forma mais eficaz para estudar luz, ângulo e expressões faciais de um momento único.

Nada que as câmeras dos celulares hoje não permitam que façamos a mesma coisa, mas as selfies de Rembrandt sugerem que os autorretratos podem ser mais do que mero exercício narcisista.

"Além de um estudo do efeito de luz, também é um exercício para registrar um momento fugaz, uma espécie de efeito instantâneo que Rembrandt mais tarde usaria com frequência em suas peças e retratos da história", diz um trecho do livro.

Fique por dentro de comportamento e cultura seguindo o TAB no Instagram e tenha conteúdos extras sobre inovação, tecnologia e estilo de vida.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Notícias