PUBLICIDADE

Topo

'Era só o que me faltava, fugir do Taleban e não poder escapar de um vírus'

Kolahmad Nurozi, refugiado afegão em Lesbos - Foto: André Naddeo
Kolahmad Nurozi, refugiado afegão em Lesbos Imagem: Foto: André Naddeo

André Naddeo

Colaboração para o TAB em Lesbos (Grécia)

13/03/2020 04h00

Por volta das 21h45 da última quarta-feira (11), horário local, os telefones celulares de todos os cidadãos que se encontram na Grécia começaram a apitar freneticamente. Era mensagem de emergência das autoridades sanitárias locais, com texto em grego e inglês: "Coronavírus, alerta máximo de segurança. Recomenda-se que todos permaneçam em casa".

Ao lado da barraca de camping onde vive -- entre poças d'água, lama encardida, sacos de lixo e garrafas pet --, Mustafa Bahadori, 17, refugiado afegão (e único da família que lê e fala inglês), traduziu o conteúdo para os parentes. "Na hora, meu pai respondeu: 'mas, filho, nós não temos uma casa'. Foi quando a minha ficha caiu e entendi que vai ser praticamente impossível controlar esse desastre por aqui", disse o jovem, um dos 20 mil habitantes de Moria, o maior campo de refugiados da Europa, em Lesbos (Grécia).

Todos os dias são pelo menos duas horas na fila para o café da manhã, outras duas para o almoço, e outras duas para o jantar. As filas são longas, é apertado, é impossível não ficar cara a cara com as pessoas
Mustafa Bahadori, refugiado afegão em Lesbos

Na quinta-feira (12), o ministério da Saúde grego anunciou que já são 117 infectados pela covid-19 em território grego, com a primeira morte confirmada. Além da recomendação das autoridades sanitárias — que ainda não segue o padrão italiano das "zonas vermelhas" de circulação —, as aulas em toda a rede de ensino público do país estão suspensas por pelo menos duas semanas e o governo recomenda que todas as empresas em território nacional trabalhem por videoconferência.

As missas das igrejas ortodoxas também estão paralisadas até o próximo dia 29. Ninguém pode ir à academia, cinema, teatros e discotecas. "A gente vê que a Grécia está tomando medidas importantes, fico feliz pelos gregos. Mas e nós, refugiados?", questiona Kolahmad Nurozi, 48, também afegão (nacionalidade predominante por aqui). "Pensam que a gente não sabe o que está acontecendo, mas a gente se informa, a gente sabe acessar a internet."

Era só o que me faltava, ter que fugir do Taleban e não poder escapar de um vírus"
Kolahmad Nurozi, refugiado afegão em Lesbos

Superlotação, falta de higiene e precariedade alimentar

Lesbos é uma ilha situada no mar Egeu, a poucos quilômetros da Turquia. Atualmente, é a maior porta de entrada de solicitantes de asilo na Europa — somente em 2020, de acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), 8.736 pessoas chegaram oficialmente ao território grego. Deste total, 2.981 aportaram em pequenos botes em Lesbos e foram encaminhados para Moria.

Fila da comida em Moria - André Naddeo - André Naddeo
Fila da comida em Moria
Imagem: André Naddeo

A quase inexistente higiene no local — inicialmente desenhado para abrigar 3 mil pessoas — é um exemplo de descaso do governo grego com a possibilidade de uma grande epidemia em Moria. Por ali, a entrada do coronavírus traria um cenário de colapso total a 20 mil pessoas que mal se alimentam, têm acesso restrito a duchas e banheiros e apenas sobrevivem esperando até dois anos por uma entrevista de asilo. A situação não é muito diferente em outros campos de refugiados de outras ilhas gregas como Samos, Chios, Leros e Kos.

"É impossível controlar o vírus assim", alega o afegão Shier Padshah Iqbali, 45, enquanto usa o seu parco estoque de água para limpar os cinco filhos. Ele vive em um barraco de dois cômodos fora dos limites oficiais do campo, nos chamados campos de olivo, espécie de "favela de refugiados". Seguir as recomendações de limpeza diária e distância da Organização Mundial de Saúde é uma missão praticamente impossível por ali: tuberculose, sarna e sarampo são comuns entre os moradores.

"A gente tem acesso a duas horas diárias de banho: uma pela manhã e outra pela tarde — mas a fila é enorme e muitas vezes não conseguimos usar o banheiro", explica Iqbali. "Além disso, a água é fria e ainda estamos no inverno. Como não ficar doente numa situação dessas? Todos aqui estão fracos, debilitados, a comida é uma merda. Nos dão arroz e macarrão, em potes de plástico. Quase nunca tem carne. Se o vírus ainda não chegou aqui é porque ele deve estar com medo da gente."

O vírus mora ao lado

Há quatro dias, a ilha de Lesbos teve o seu primeiro caso confirmado de coronavírus. Uma mulher de 40 anos está internada no hospital municipal de Mitilene, capital, após uma viagem de peregrinação ao Egito e Israel. A primeira vítima fatal de covid-19, uma mulher de 66 anos que vivia em Patras, noroeste do país, também integrava o grupo.

O hospital de Mitilene é o único de Lesbos, uma ilha de 80 mil habitantes, que conta hoje com a presença de 27 mil refugiados e imigrantes. A Federação Pan-Helênica dos Empregados dos Hospitais Públicos (Poedin) emitiu diversos comunicados em relação ao tema, já que o hospital se encontra com até três vezes mais do que a sua capacidade real.

Organizações não-governamentais como Médicos Sem Fronteiras estão presentes em Moria. Qualquer caso que exija internação ou mais cuidados, entretanto, é encaminhado para o hospital de Mitilene. Desde 2015, médicos e enfermeiros exaustos tratam milhares de solicitantes de asilo diariamente. Ou seja: se o coronavírus de fato chegar a Moria, a única unidade de saúde local deve entrar em absoluto colapso, sem condições de atender aos doentes.

Campo de refugiados em Moria - André Naddeo - André Naddeo
Campo de refugiados em Moria
Imagem: André Naddeo

"O problema é que, em Moria, se uma pessoa pegar o vírus, todos vão pegar", comenta Tyra Eklund, enfermeira e coordenadora da ONG Médicos Voluntários Internacionais (MVI, em inglês), que já atua há meses no suporte ao sistema de saúde de Lesbos — e é completamente ciente da precariedade no maior campo de refugiados da Europa.

A questão principal, segundo a voluntária de nacionalidades sueca e polonesa, é que desde a política de fechamento das fronteiras estabelecida pelo primeiro-ministro Kyriakos Mitsotakis, "não foram registradas mais novas chegadas de pessoas a Moria". Os pedidos de asilo foram suspensos por um mês no país. O fechamento foi feito após a Turquia liberar a passagem de refugiados e imigrantes à Grécia por vias marítimas e terrestres, há pouco mais de uma semana,

"Aí que está a ironia, porque uma fonte de contágio para os refugiados podem ser os próprios voluntários internacionais, que vêm de outros países e, ao ter contato com os refugiados de Moria, podem passar o vírus, mesmo não apresentando sintomas", afirma.

Relatos nas redes sociais, ainda sem confirmação oficial, já dão conta que, a partir desta sexta-feira, nenhuma ONG estará autorizada a operar em Moria. Trata-se de uma tentativa de impedir a chegada da covid-19 — mas o esgoto segue a céu aberto, junto às montanhas de lixo. As centenas de barracas e barracos, onde o ar pouco circula, permanecem lotados. Também seguem as intermináveis filas para a marmita. Enquanto isso, Mustafa, aquele do alerta do celular, lamenta que nem sequer pode continuar estudando inglês.

Mustafa Bahadori exibe o certificado de seu curso de inglês - Foto: André Naddeo - Foto: André Naddeo
Mustafa Bahadori exibe o certificado de seu curso de inglês
Imagem: Foto: André Naddeo

"O centro onde eu estudava em Mitilene fechou desde a semana passada. Estamos sozinhos e sem futuro. Essa é a grande verdade"

* Com traduções e informações de Hussain Nasari