PUBLICIDADE

Topo

Como a cultura nerd virou campo de batalha entre direita e esquerda

Cena de Watchmen, da HBO, que mostra grupo supremacista branco usando a máscara de Rorschach - Divulgação
Cena de Watchmen, da HBO, que mostra grupo supremacista branco usando a máscara de Rorschach Imagem: Divulgação

Kaluan Bernardo

Do TAB

19/12/2019 04h01

Quando Alan Moore e Dave Gibbons criaram a HQ "Watchmen", em 1986, o maior temor eram as bombas nucleares. Em 2019, quando Damon Lindelof criou uma continuação da história para a HBO, a ameaça no ar no Ocidente são os supremacistas brancos. Ao longo de nove episódios, que foram concluídos no último domingo (15), o seriado transformou Rorschach, o misógino detetive da narrativa original, em um ícone racista; deu o protagonismo a uma mulher negra; transformou o Dr. Manhattan, personagem quase divino, em um homem negro; e associou a origem do primeiro herói daquele universo ao racismo. De quebra, ainda abordou violência policial, colonialismo e o controle de armas nos EUA.

Rapidamente alguns fãs correram para sites como Metacritic e Rotten Tomatoes para criticar a série acusando-a de ser "muito política" e com "agenda de esquerda". Eles só se esquecem (ou nunca souberam) que a obra original sempre teve uma mensagem política. Alan Moore, que se considera anarquista, e era crítico de governantes de direita como Margaret Thatcher e Ronald Reagan, sempre deixou claro o tom crítico de sua obra. Rorschach, o protagonista, não era um herói, mas uma crítica à ideia de fazer justiça com as próprias mãos — como o próprio autor explicou à revista Entertainment Weekly. Embora Moore não tenha dado seu aval para a série da HBO, diversos críticos elogiaram como a produção televisiva manteve o espírito crítico e político do quadrinho atualizado.

"Watchmen" é só um dos vários exemplos de como, apesar de alguns fãs não concordarem, a cultura pop está repleta de mensagens políticas. Stan Lee, criador de X-Men, Homem-Aranha e Pantera Negra, fazia diversas críticas ao racismo. Star Wars mostra o Império como um poder militar totalitário nos moldes fascistas. Harry Potter, escrito por uma mulher, tem o preconceito como centro das tensões. Mulher Maravilha e Capitã Marvel discutem feminismo. A lista é longa.

A ação e reação em torno das mensagens políticas nessas obras coloca o mundo "nerd" ou "geek" como um dos principais campos de batalha entre progressistas e conservadores. A última edição da Comic Con Experience (CCXP), em São Paulo, deixou claro ao trazer debates sobre diversidade nerd. Além das discussões, o evento deu espaço a diversos artistas trans foi dominado por mulheres e ainda teve espaço para diversos autores negros.

As principais estrelas da CCXP eram mulheres: Gal Gadot, a intérprete de Mulher Maravilha, e Daisy Ridley, a protagonista da nova trilogia de Star Wars movimentavam multidões. Mas, no mesmo evento, em palcos muito menores, para um público de pouco mais de 200 pessoas mulheres brasileiras mediavam debates sobre política e machismo.

Uma delas era Carol Ito, jornalista, quadrinista e articuladora do Políticas, um espaço que reúne quadrinhos políticos feitos por mulheres. Para ela, apesar de avanços em grandes editoras, como Marvel, há pouco espaço para artistas que se criam com linguagens como os quadrinhos. "Investem muito pouco em autoras novas. A gente ainda é nicho e trabalha nas margens com nossa própria grana", diz Ito sobre o espaço dado a mulheres quadrinistas.

,

Por Maira Colares (@mairadraws)

Uma publicação compartilhada por Politicas HQ (@politicashq) em

Ito mediava o debate com o título "Não mete política no meu quadrinho" e, logo no início, os participantes levaram vídeos com depoimentos de uma série de artistas que testemunhavam sofrer racismo, homofobia ou machismo do público nerd. Entre os casos citados, estava um dos que mais movimentaram debate em 2019: a decisão do prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), de censurar quadrinho com beijo gay que estava à venda na Bienal do Livro.

Mário César também fez arte com beijo entre homossexuais e muito mais em sua HQ "Bendita Cura", que critica a ideia de "cura gay". O livro fez tanto sucesso que se esgotou na CCXP. "Sempre que publico algo mais aberto, mais político, lido com comentários homofóbicos dizendo que minha obra é ruim, vai encalhar etc", diz César. "Mas tento transformar esses comentários em algo positivo, o que me incentiva ainda mais a falar e esclarecer sobre o assunto", diz o autor que também é responsável pela POC CON, uma feira de artes gráficas com temática LGBT.

@alanbooks falando de Bendita Cura. Obrigado

Uma publicação compartilhada por Mário César Oliveira (@mas_que_mario) em

Durante o evento era comum encontrar pessoas com um broche escrito "Quadrinistas antifascistas", que era distribuído por uma série de artistas. Alexandre de Maio, jornalista e quadrinista, que distribuía o broche, conta que chegou a existir uma resposta ao selo: o "Quadrinhos sem política". "É uma pegadinha como o 'Escola sem Partido', que se diz apolítico mas só é defendido por pessoas de direita. Dizem que são contra a ideologia, mas na verdade têm muita ideologia", diz.

Para Maio, é natural que existam reações à diversidade na cultura nerd porque ela foi, por muito tempo, elitista. "Quadrinhos estão em livrarias. Se já não há banca na periferia, imagina livraria. Essa cultura geek ainda é muito elitizada e, consequentemente, reflete o seu consumidor", diz. Mas é otimista: "As produções estão se expandindo, com iniciativas como a Perifacon, negros vencendo o prêmio Jabuti por dois anos seguidos, mas ainda há muito caminho pela frente", opina.

Leo Hwan, youtuber com mais de 200 mil inscritos, se propõe a discutir representatividade na cultura nerd. "É importante o movimento de problematizar e analisar produções pop e entender de onde vêm. Essas obras formam nossa identidade, mesmo quando não consumimos, e é nossa responsabilidade incluir mais grupos aí", comenta.

O comunicador acredita que, apesar da reação de parte do público as principais mensagens de obras nerds são positivas. "No geral o que as obras de heróis estão dizendo é que há grupos que estão em posições menores, quando vistas por determinado padrão, e quando ganham poderes conseguem ter voz. Muitos não olham para essas mensagens e estranham quando alguém as revela", diz.

Mas, se a polarização existe em todos os lugares, o que difere na cultura nerd? Para César, é o poder de abrangência e de empatia que quadrinhos, filmes de heróis e games alcançam. "A arte tem esse poder de abrir os olhos. E é por isso mesmo que querem calar artistas. Nós fazemos as pessoas se questionarem", defende.

"Não existe nada mais político na nossa sociedade do que o entretenimento", disse o filósofo Vladimir Safatle ao TAB, em uma reportagem sobre distopias. A CCXP, "Watchmen" e tantos produtos da chamada cultura nerd estão aí para provar que, no tensionamento entre ideologias, os valores de um super-herói refletem os da sociedade em que são apresentados.