PUBLICIDADE
Topo

Festa de Flordelis tem Santa Ceia com estrogonofe e confusão com vereador

Festa de aniversário da deputada federal Flordelis, em igreja de São Gonçalo (RJ) - Lucas Landau/UOL
Festa de aniversário da deputada federal Flordelis, em igreja de São Gonçalo (RJ)
Imagem: Lucas Landau/UOL

Elisa Soupin

Colaboração para o TAB, do Rio

07/02/2021 16h21

O culto em comemoração ao aniversário de 60 anos da deputada federal Flordelis (PSD-RJ) estava marcado para as 9h de domingo (7), mas tudo atrasou, inclusive a aniversariante. Começou 40 minutos depois, puxado pelo pastor André Rosa e louvores cantados por quase 80 pessoas sentadas.

Só às 10h a pastora chegou à igreja Ministério Cidade do Fogo, em São Gonçalo, região metropolitana do Rio, amparada por cinco pessoas, entre seguranças e assessores.

O atraso foi justificado por mal-estar no dia anterior. Segundo sua equipe, Flordelis tem estado muito abalada emocionalmente por tudo que tem vivido.

Festa de aniversário de 60 anos de Flordelis, em São Gonçalo (RJ) - Lucas Landau/UOL - Lucas Landau/UOL
Imagem: Lucas Landau/UOL

Apontada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro como mandante da morte do marido, o pastor Anderson do Carmo, em 2019, Flordelis entrou na igreja com ares de popstar: abraçou e cumprimentou várias pessoas. Usava saia preta longa, uma blusa de poá e máscara preta. Ao longo da cerimônia, pedia a bênção aos presentes, fiéis, assessores e aos jornalistas e fotógrafos, citados nominalmente em cima do púlpito.

A igreja fica em um bairro residencial. Na sala bastante ampla ficam um palco e um enorme telão, em que são exibidas letras de louvores e avisos, alertando para o uso obrigatório de máscara. Já a refeição — era dia de Santa Ceia — foi oferecida em outra parte da igreja, em um andar acima.

De acordo com frequentadores antigos, em outros tempos a igreja estaria repleta, com ao menos 500 pessoas. Depois da morte de Anderson, e de toda a trama novelesca que se seguiu, o movimento por lá hoje foi bem mais discreto. À esquerda da entrada, cadeiras encostadas e empilhadas lembram a época em que os cultos traziam multidões.

"Foi muito difícil a morte do Anderson, porque ele era um paizão para a gente", diz Bruna Rangel, 24, secretária da igreja desde 2017. "Ele aconselhava, era uma pessoa boa, sempre passando muitos ensinamentos. Quando ele orava, tinha o dom. A igreja parava para ouvir."

A secretária da igreja se surpreendeu com o afastamento de muitos, diante das acusações. "Se tivesse uma poça de água, tinha gente que se jogava na frente para a pastora passar. Muitos puxavam o saco. Não entendi nada quando as pessoas viraram as costas."

Fiéis em culto de festa de aniversário da deputada federal Flordelis, em São Gonçalo (RJ) - Lucas Landau/UOL - Lucas Landau/UOL
Fiéis em culto de festa de aniversário da deputada federal Flordelis, em São Gonçalo (RJ)
Imagem: Lucas Landau/UOL

Para a funcionária, que convivia com o casal, Flordelis não tem envolvimento com o crime. "Acredito na inocência dela, porque a gente sempre viu muito carinho entre os dois, então nunca desconfiei", diz. Das nove igrejas de Flordelis em São Gonçalo, só aquela segue aberta.

A vida de Jó

Às 10h35, um ônibus fretado chegou com 47 fiéis, todos vindos da comunidade da Reta Velha, em Itaboraí, município vizinho a São Gonçalo. Ninguém frequenta a igreja de Flordelis e muitos estavam ali pela primeira vez. O pastor Jack Nascimento, 45, amigo da deputada, foi quem levou os membros de sua igreja. "Acredito na inocência dela e chamei os fiéis para prestar apoio", disse o pastor.

Pouco depois da chegada do ônibus, Flordelis subiu ao palco. A parlamentar usou a história bíblica de Jó na pregação. "Eu tenho uma palavra de Deus. Hoje é um dia de adoração, não de festa, porque, na presença do Senhor Jesus, até a tristeza salta de alegria. E exemplo de adoração como o de Jó não existe. A Bíblia diz que Jó tinha tudo, bens materiais, uma família enorme com 10 filhos, e Satanás pediu a Deus permissão para tocar em Jó, para colocar em teste a fidelidade de Jó. E Deus permitiu. Em um só dia, Jó perdeu seus 10 filhos e todos os seus bens", narrava.

Enquanto falava e cantava, alguns fiéis pareciam emocionados. Outros se atualizavam sobre o "Big Brother Brasil" pelo celular. Houve ainda quem cochilasse na igreja, apesar do som muito alto.

Festa de aniversário da deputada federal Flordelis, em igreja de São Gonçalo (RJ) - Lucas Landau/UOL - Lucas Landau/UOL
Imagem: Lucas Landau/UOL

No palco, convidados passavam, cantavam, glorificavam a Deus, agradeciam pela vida de Flordelis, davam depoimentos sobre a generosidade da pastora e defendiam sua inocência. A cantora gospel Beatriz fez discurso. "Ainda que ela tivesse dado o tiro no Anderson, eu iria na prisão visitar ela, não deixaria de ser amiga dela. Mas nós sabemos que não foi ela."

Um dos louvores puxados por ela, "Degrau da Exaltação", fala de vitória. "Estão querendo ver a tua queda / Estão querendo ver o teu final / Mas não pague na mesma moeda / Nem tampouco deseje o mal / Ainda se vierem contra ti, fique calado / Porque o humilhado, por Deus, é exaltado."

Durante o culto, Flordelis lembrou da família e de Anderson: "Perdi meu marido de forma trágica e entreguei tudo na mão de Deus. Quero agradecer pela vida de todos os meus filhos, os que puderam estar e os que não puderam estar aqui". O motivo da ausência de alguns é que vários familiares estão presos, acusados de envolvimento na morte de seu ex-marido. A parlamentar, embora acusada de homicídio triplamente qualificado, não está presa pelo crime por ter imunidade prisional. O processo que pode fazê-la perder o mandato, e por consequência a imunidade, ainda não foi encaminhado à Comissão de Ética da Câmara.

"Eu costumo dizer que, para Jó, sobrou um caco de telha, e que para Flordelis sobrou um exército de oração, não só no Rio de Janeiro, mas em todo o Brasil, e fora do Brasil, tem um povo de joelhos dobrados orando", disse a parlamentar, a certa altura.

Festa de aniversário de 60 anos de Flordelis, em São Gonçalo (RJ) - Lucas Landau/UOL - Lucas Landau/UOL
Imagem: Lucas Landau/UOL

Desentendimento fora do palco

O vereador Gabriel Monteiro (PSD), o terceiro mais votado do Rio, foi anunciado algumas vezes por Flordelis. Ele faria uma entrevista com ela para seu canal de YouTube, mas ficou o tempo todo no estacionamento, do lado de fora da igreja.

Quando Flordelis desceu do púlpito, sob forte emoção e amparada por seu séquito de assessores e seguranças, foi a uma sala reservada com Monteiro. Poucos minutos se passaram. Ao TAB, na saída, Monteiro explicou o motivo de não ter participado da celebração. "Você já viu uma pessoa do bem apoiar uma pessoa do mal? Minha fé faz com que eu venha aqui cobrar. Ela me chamou para subir, e eu disse que não, porque não sou digno, mas ela também não é digna. Não subi porque vim aqui questionar, não ser exaltado. A gente não pode romantizar o erro, pois não apoia isso. Não vou agredir, mas posso questionar pessoas públicas."

Festa de 60 anos de Flordelis, em São Gonçalo (RJ) - Lucas Landau/UOL - Lucas Landau/UOL
Bíblias e livros religiosos à venda em culto que comemorou os 60 anos da deputada Flordelis, em São Gonçalo (RJ)
Imagem: Lucas Landau/UOL

Milena, uma de suas filhas que não lhe deu as costas, fez um discurso curto perto do fim. Agradecia a mãe e dizia que tudo isso iria passar.

A equipe de TAB foi abordada por membros da equipe de Flordelis. Um deles disse que a pastora estava sendo muito massacrada pela imprensa e, se a reportagem não pudesse ajudar, que pelo menos não atrapalhasse. Tempos depois, o pedido por uma "boa matéria" foi reiterado.

Uma versão repaginada da Santa Ceia, com estrogonofe e bolo branco de aniversário, coberto com glacê, foram servidos perto das 13h30.