PUBLICIDADE
Topo

Prometendo 'orgasmo mental', ASMR faz sucesso como relaxamento na pandemia

Blaz Erzetic/Unsplash
Imagem: Blaz Erzetic/Unsplash

Do TAB

28/03/2021 04h01

Sussurros e barulhinhos delicados, gravados em alta qualidade, prometem "fazer cócegas no cérebro" ou "causar orgasmos mentais". Parece conversa de louco, mas é ASMR. Nos últimos anos, esse tipo de conteúdo, que preza pelo prazer mental gerado a partir de sons específicos, tem crescido nas redes sociais. Com uma pandemia que mandou todo mundo para dentro de casa e fez muita gente apelar para novas técnicas de relaxamento, era de se esperar que a sigla ganhasse ainda mais espaço.

No YouTube, o número de uploads e visualizações de vídeos de ASMR nunca foi tão alto. A plataforma coloca esse conteúdo na mesma categoria dos vídeos de yoga, meditação e outras formas menos mainstream de redução de estresse, como manter aquários em casa.

"A internet tem sido uma ferramenta essencial no que as pessoas estão fazendo para enfrentar o isolamento", avalia a pesquisadora Rebeca de Moraes. "A gente viu na pesquisa do grupo [Consumoteca] que 27% dos nossos entrevistados foram em busca de conteúdo motivacional (...) e de autoconhecimento nas redes, e desses vídeos com dica de meditação, com dica de yoga, até mesmo conteúdos mais inesperados, tipo a construção de aquários (...), e também teve todos os tipos possíveis de ASMR", disse ela, no episódio desta semana do CAOScast, podcast distribuído por TAB (ouça acima a partir de 24:38).

Para quem nunca experimentou o ASMR, a explicação tradicional pode não ajudar muito. A sigla significa, na tradução do inglês, resposta sensorial meridiana autônoma. O termo veio para dar um pouco mais de seriedade ao que muita gente vinha chamando, desde o início dos anos 2010, de "orgasmo mental". Ao ouvir sussurros ou outros barulhos delicados amplificados, tem quem relate uma sensação de prazer. Canais no YouTube dedicados só a isso passam dos milhões de inscritos.

Se você não conhece o ASMR e quer descobrir se sente alguma coisa com esses sons, coloque os fones de ouvido e sintonize o episódio de CAOScast acima em 25:57.

Mesmo para quem curte, há algumas surpresas. Sons de "cirurgias" em frutas, pornografia em áudio e o barulho de uma esponja chamada Boris sendo lavada são algumas das opções inusitadas por aí.

Já tem gente estudando os processos cerebrais envolvidos nessa experiência, mas ainda há poucos resultados. Alguns estudos sugerem que os sons podem ajudar a reduzir sintomas de estresse e insônia para algumas pessoas, o que é similar aos benefícios de práticas como mindfulness.

Seja com ASMR, mindfulness, yoga, skincare ou outros rituais, o fato é que os mais jovens estão buscando novas abordagens para descansar a mente durante a pandemia.

"As pesquisas do grupo Consumoteca apontam que os millennials e os Zs são aqueles que mais estão tentando cuidar da tal da saúde mental nesse período da pandemia, e estão buscando ferramentas de autoconhecimento. Estou fazendo a tal da meditação. Comecei agora e já estou querendo entrar na yoga, já baixei aqui uns vídeos de tai-chi...", conta o antropólogo Michel Alcoforado (a partir de 27:04).

Para ouvir o episódio completo de CAOScast e entender como nossa mente e nosso comportamento vêm se adaptando à pandemia, é só dar play no vídeo acima.