PUBLICIDADE
Topo

'As vacinas tão no grau, mami!': repórter acompanha 3 dias de fila da xepa

Elisabeth Aparecida Alves e a família, na UBS Cambuci, em São Paulo - Claudia Castelo Branco/UOL
Elisabeth Aparecida Alves e a família, na UBS Cambuci, em São Paulo
Imagem: Claudia Castelo Branco/UOL

Claudia Castelo Branco

Colaboração para o TAB, de São Paulo

20/06/2021 04h01

Segunda-feira (14), 12h

A vacinação na UBS Humberto Pasquale, no bairro de Santa Cecília, região central de São Paulo, tem fila dobrando o quarteirão. É longa, mas anda. "E a fila da xepa, onde fica?". Um funcionário aponta a placa.

A xepa é um caderno. Nesse dia, estavam elegíveis para pegar a rabeira da vacinação estudantes da área técnica em saúde e pessoas com mais de 50 anos. Sem fila e fora da faixa etária, deixo lá nome, idade e telefone. Não foi preciso apresentar documentação com endereço.

"Se sobrar alguma dose, você receberá um telefonema", informa uma funcionária. Simples assim, já não se fazem mais filas como antigamente. "Mas vocês ligam, mesmo?", pergunto. "Sim. Tem quinze minutos para chegar até aqui".

São cerca de 1.800 a 2.000 doses remanescentes por dia na cidade de São Paulo e a unidade de saúde que desprezar essas doses está sujeita a medidas administrativas, informa a secretaria municipal de Saúde.

Percorro o fim da fila do grupo prioritário, formada por pessoas de 58 e 59 anos e profissionais da educação. Na minha frente, uma professora de 26 anos dizia não estar ligando para o fabricante, mas esboçou um sorriso quando contei que era dia de Pfizer.

Pulo para o começo e me identifico a Carla do Rego, professora que preparava o braço para receber a primeira dose. "Esperei trinta minutos aqui. Quando soube que era Pfizer, fiquei mais feliz" — segundo ela, pela eficácia (de acordo com pesquisas, taxa de 95%) e pelos poucos efeitos colaterais.

O clima otimista em torno da vacina alemã aplicada em massa nos norte-americanos é geral no posto. Pergunto à técnica de enfermagem se sobram doses, quantas sobram por dia e se tenho chance de receber se voltar às 18h30. Despachada, ri da minha cara. "Ih, essa aqui não sobra, não. Já foram mais de cem hoje", disse, mostrando cerca de 20 frascos vazios (cada um rende cinco aplicações). "As pessoas chegam aqui perguntando 'qual vacina tem hoje?', e muitas vão embora. Estão escolhendo", conta. "Mas a gente nunca sabe qual vem."

Lançado segunda-feira (14), o Filômetro monitora o movimento nas filas dos postos de vacinação e deve permanecer no ar até 15 de setembro, quando está previsto o fim da aplicação de primeira dose no último grupo etário (entre 18 e 24 anos).

A xepa não rende muita história antes das 17h. Decido então acompanhar a busca pelos inscritos em outro posto, quando candidatos aguardam o telefonema no final do dia, e os não-inscritos, a xepa da xepa, tentam a sorte do lado de fora. A chance de conseguir é mínima.

Informativos na UBS Humberto Pasquale, no bairro de Santa Cecília, em São Paulo - Claudia Castelo Branco/UOL - Claudia Castelo Branco/UOL
Informativos na UBS Humberto Pasquale, no bairro de Santa Cecília, em São Paulo
Imagem: Claudia Castelo Branco/UOL

Terça-feira (15)

Lidiane Cristina da Cruz é a responsável por telefonar para os inscritos na xepa da UBS Cambuci. São 18h30 e sobraram nove doses de CoronaVac. As buscas começam.

Começa ligando para cinco números e faz pausas para verificar se apareceram gestantes de última hora.

- Dona Rosilda, tem interesse em tomar vacina hoje? Ah, a senhora já conseguiu?

Conseguiu.

Lidiane se anima com a resposta de Antonio, 57. "Está a caminho."

Entre caixa postal e ligações não atendidas, Lidiane percorre a lista por idade e depois pela data de inscrição.

Alguns que vão abrir a faixa etária desistem, caso de Paulo César, que pergunta qual é a vacina de sexta-feira.

- Não sei informar. Hoje passamos horas vacinando com Astrazeneca. A gente não sabe se a Pfizer chega amanhã, na quinta, mas o senhor fique à vontade.

A preocupação da equipe, no momento, é com a possível aglomeração do lado de fora. Uma técnica entra na sala e comenta que uma gestante que estava na conta desistiu. "Queria a Pfizer e já está perguntando da Janssen, que nem chegou ao Brasil?", reclama. Ao contrário dos outros imunizantes aplicados no país, a vacina da Janssen é dose única.

Lidiane segue ao telefone e em vinte minutos encontra três pessoas dispostas a ir ao posto. Contactada, Iolanda não estava por perto da UBS.

- Hoje, hoje, hoje. Mas não vou tirar seu nome da lista. Quem sabe amanhã?

Reginaldo foi o quarto a topar. Marisa, a quinta. "Acho que você podia vir todo dia. Está me dando sorte", diz à reportagem.

Frasco da vacina da Pfizer, a mais desejada na fila da xepa na UBS Cambuci, em São Paulo - Claudia Castelo Branco/UOL - Claudia Castelo Branco/UOL
Frasco da vacina da Pfizer, a mais desejada na fila da xepa na UBS Cambuci, em São Paulo
Imagem: Claudia Castelo Branco/UOL

Quem quer vacina?

- Alô, é a dona Elisabeth? Quer tomar vacina hoje? É CoronaVac, meu amor, tô te esperando!

Do outro lado da linha, um grito. "Xepa, xepa!".

Elisabeth Aparecida Alves, 54, alta e comunicativa, chegou em vinte minutos à UBS, acompanhada de filha e neta. "Minha mãe só não veio porque tá internada. Ela tem lúpus e não quero contaminá-la, pois vivo em hospital."

Conto que ouvi seu grito animado quando recebeu a ligação. "Quem não fica feliz com a vacina? Minha faixa etária é depois de amanhã, mas não tenho tempo a perder."

Após duas semanas aguardando, era hora hora de tomar a primeira dose. Elisabeth defende a CoronaVac e diz que o pessoal inventa muito. "Prefiro a CoronaVac, porque é uma tecnologia já conhecida, mas tomo qualquer uma", diz.

Reginaldo, que chegou em cinco minutos, entrou no papo. "Escolher vacina é ignorância. Pra mim tanto faz." Ele conta que vai para a Espanha em 2022. "Em Israel tá todo mundo na rua, vivendo." Elisabeth levanta o braço e pede uma foto. "Muito feliz, sorrindo com os olhos!".

A busca já dura trinta minutos quando Andrea Luciana dos Santos Silva, responsável pela organização da equipe de enfermagem da unidade, junta-se a Lidiane. No outro telefone, comemora um sim. "Então venha. A dose é sua, Everson!". A pergunta sobre qual será a vacina do outro dia persiste. "Se eu disser pra você eu estaria mentindo. Quando a gente olha pro coletivo, não faz diferença qual é a vacina, mas fique à vontade."

Andrea é pura simpatia e diz que em breve será minha vez (eu, repórter). "Essa história de que estão jogando vacina fora é mito. Aqui nunca sobrou."

O horário entre 18h30 e 19h é crucial e exige um senso de improviso cuidadoso na busca. "Se no último minuto sobrar uma dose, aí sim puxamos alguém de fora." Nesse dia, não aconteceu. Andrea anuncia que dispensará as pessoas do lado de fora.

"Aquele menino lá destrói meu coração", comenta Lidiane, apontando um rapaz de 24 anos que comparece diariamente à UBS. Ele foi embora antes que a reportagem o encontrasse.

Lidiane Cristina da Cruz, responsável por telefonar para os inscritos na xepa da UBS Cambuci, em São Paulo - Claudia Castelo Branco/UOL - Claudia Castelo Branco/UOL
Lidiane Cristina da Cruz, responsável por telefonar para os inscritos na xepa da UBS Cambuci, em São Paulo
Imagem: Claudia Castelo Branco/UOL

Sexta-feira (18), 11h

A inscrição para a xepa agora está liberada, e pode ser feita em qualquer UBS de São Paulo. Isso quer dizer que, quando houver frasco de vacina aberto no fim do expediente, ela pode ser aplicada nos inscritos acima de 18 anos, sem comorbidades, que comparecerem após contato telefônico. Significa dizer que fica cada vez mais difícil para os não-inscritos se aventurarem ao final do dia.

No caminho para a AE (Ambulatório de Especialidades) Mooca, conheço Edson Trevisan. Ele aproveita para reclamar da imprensa. "Só falam mal do governo. Pergunta lá no posto quantos já tomaram a segunda dose. Eu tô na rua, eu vejo."

Sobre os e-mails da Pfizer que foram ignorados, diz que o governo comeu bola. Mas remedia. "Já trabalhei na indústria química. Eles impõem cláusulas do tipo: 'não é meu problema se você passar mal ou entrar em coma'. O que você acha? Deixar um desconhecido te imunizar com uma droga de caráter emergencial? Não estou contestando a imunização, mas a segurança da vacina."

Com 26 anos de experiência na área administrativa, Edson desce a lenha no governador João Doria, acaba com Ciro Gomes e chama Fernando Henrique de "socialista de Higienópolis".

Luan Reis, 25, começou a vender salgados e doces na fila da xepa na AE Mooca - Claudia Castelo Branco/UOL - Claudia Castelo Branco/UOL
Luan Reis, 25, começou a vender salgados e doces na fila da xepa na AE Mooca
Imagem: Claudia Castelo Branco/UOL

O caderno da xepa

Às 12h, cerca de 130 nomes ocupavam quatro páginas do caderno da xepa jogado num canto. Um funcionário ri do meu espanto. "Tudo isso só hoje, fora os que estão no outro caderno."

E o povo da xepa da xepa, os que chegam do nada na sorte, como ficam? "Pode esquecer. É perder tempo. Não chamamos mais ninguém que fica aqui. Só do caderno."

Sem fila de xepa, resta observar a fila do grupo prioritário na unidade da Mooca. Está desorganizada. Enquanto Rosemari Gonçalves reclama que alguém passou na sua frente, um funcionário que não quis se identificar pergunta quem não pegou a senha. "Gente, mantenham a distância um pouco. Vai todo mundo tomar. Só tem CoronaVac, tá?". Zilda de Oliveira, 53, é a próxima. Pede que eu tire uma foto sua e lhe envie. Mônica Carreira, acompanhada da filha Catarina e da mãe Sônia, irrita-se com a desorganização.

"Não vou tomar vacina. Tenho 38 e vim só filmar por causa dos boatos. Quero ver se aplicam, mesmo." Com Sônia vacinada, a família Carreira parte satisfeita.

Luan Reis, 25, vende café e bolo na porta do posto. Morador da Vila Sônia, leva de ônibus as garrafas, a torta e os pães — receitas da mãe — em dois carrinhos. "Nunca tinha trabalhado com isso, com empreender, lidar com o público, acordar cedo. As pessoas param para conversar comigo. Gostei. Quero investir nessa área. Quer um cafezinho? Eu que preparei. Olha aí como sou vendedor?"

Pago o café pelo pix que está no e-mail da mãe. "Ela sempre quis ter um café pra ela. Estou dando continuidade." Luan conta que de manhã bem cedo é o melhor horário para vender, "quando o café tá top, pegando fogo". Na pressa, o ambulante de fila de xepa acabou esquecendo de trazer a água e os refrigerantes.