PUBLICIDADE
Topo

Show emo acaba em pregação evangélica 'surpresa' e gera polêmica em SP

A banda pop punk gospel NLM - DINO/Divulgação
A banda pop punk gospel NLM
Imagem: DINO/Divulgação

Marie Declercq

Do TAB, em São Paulo

21/06/2022 19h55

O que era para ter sido uma tarde de shows gratuitos de emo e pop punk no Carioca Club, na zona oeste de São Paulo, se tornou uma pregação cristã teatral, causando estranhamento no público e nas bandas que participavam do line-up. A evangelização "surpresa" foi feita na última sexta-feira (17) pela banda norte-americana NLM (também conhecida como No Longer Music), um projeto musical que mistura performances pirotécnicas e teatrais ao som de músicas estilo pop punk.

Durante a performance, os integrantes da banda fizeram um "teatrinho", simulando um casal vivendo um triângulo amoroso, que terminou em uma pregação com tradução simultânea sobre Deus e Jesus Cristo. O show no Carioca Club faz parte de uma turnê pelo Brasil anunciada pela banda, formada por músicos de vários países, composta por shows gratuitos e dividindo o line-up com artistas como como Bullet Bane, Dead Fish e Day Limns.

A performance religiosa da banda existe desde os anos 1980, mas ganhou atenção fora da bolha gospel brasileira quando uma usuária do Twitter publicou vídeos da apresentação da NLM no Carioca Club em São Paulo.

Membros dos outros grupos que participaram do evento se posicionaram nas redes sobre não terem sido informados a respeito da intenção da banda. Os comentários, no geral, reclamavam da falta de transparência da NLM sobre ser um projeto de evangelização.

Apesar de o grupo ser abertamente cristão, tanto no site oficial quanto em outros canais, o release enviado aos produtores de shows brasileiros não entra em detalhes sobre o conteúdo das apresentações.

Bandas gospel que flertam com os estilos emo, pop punk e hardcore não são incomuns. Nos anos 2000, muitos grupos conquistaram o público secular com a popularização do emo entre os jovens da época, especialmente na cena norte-americana. Bandas gospel como Relient K, Underoath e MxPx chegaram a quebrar o rótulo "gospel" e tocaram em festivais grandes na Europa e nos Estados Unidos, como o Warped Tour, nos anos 2000.

Todavia, nenhuma das bandas citadas acima chegou a ser tão literal quanto a NLM, criada com o intuito único e específico de evangelizar jovens e outras pessoas que frequentam ambientes mais "difíceis" de se falar de Deus. No site oficial do projeto de que a banda faz parte, há relatos de adeptos indo a casas noturnas e eventos LGBTQIA+.

NLM2 - YouTube/Reprodução - YouTube/Reprodução
Banda NLM em videoclipe de 'Ur The Air'
Imagem: YouTube/Reprodução

Conversão de punks

A cena de gospel music foi extensamente documentada por jornalistas de publicações especializadas, fazendo com que a NLM seja uma banda bastante mencionada em reportagens publicadas na internet desde o começo dos anos 1990, quando o grupo já viajava pelo mundo para fazer pregações.

A banda é fruto do projeto Steiger International, uma missão fundada pelo casal Ben e Jodi Pierce no final dos anos 1980, em Amsterdã. O intuito do casal era levar o estudo da Bíblia para punks, anarquistas e outras subculturas da capital holandesa.

Para chamar atenção desses grupos, Pierce passou a incorporar performances teatrais — bastante literais, diga-se de passagem — para conquistar a atenção da plateia.

Em uma entrevista de 1998, publicada em um site especializado de gospel rock, o fundador narrou em detalhes um dos shows mais memoráveis do grupo, onde a banda aproveitou para falar da importância do celibato antes do casamento.

"Uma cama foi colocada no palco. Vesti uma camisola e subi na cama gritando 'Eu acredito em sexo!', e todo mundo da plateia respondeu 'Sim!'. Depois eu disse, 'eu acredito que vocês devem fazer sexo toda hora' e a plateia foi à loucura, até que eu gritei 'depois do casamento!'", contou.

Nos livros escritos por Pierce narrando as aventuras da NLM, o pastor detalha shows em países da Cortina de Ferro, do sudeste asiático e também em países muçulmanos. Em 2010, um site documentou a aparição da banda em uma emissora de TV do Líbano, agradecendo a Deus pela oportunidade de a banda ser exibida para o "mundo árabe".

Não há uma denominação clara do grupo. No site oficial, a Steiger International se define como um projeto que se alinha às igrejas locais cristãs e não como uma igreja em si. No Brasil, a missão se conveniou à igreja batista paulistana Projeto 242 e aparece em eventos voltados à juventude.

Em 2018, a banda foi a atração principal do Festival Manifeste, evento gratuito realizado no centro de São Paulo e em outras cidades brasileiras, e contou com diversos grupos e artistas não cristãos. No caso da NLM, a formação do grupo não é fixa — os líderes parecem convidar músicos e artistas diferentes para cada turnê. O próprio fundador parece ter passado o bastão para os filhos. Hoje, segundo o site oficial, ele se dedica a alcançar a "juventude islâmica globalizada".

nlm - Instagram/@wearenlm - Instagram/@wearenlm
Apresentação do NLM
Imagem: Instagram/@wearenlm

'Satã não quer a gente aqui'

Em uma publicação feita logo após a apresentação no Carioca Club, um dos membros da banda cita que a turnê brasileira de 2022 está enfrentando alguns problemas. Um deles, escreveu Ben Pierce, foi uma banda de abertura que começou a gritar para a plateia, acusando a banda de mentirosa, depois de descobrit que a NLM é um projeto de pregação.

"O guitarrista estava especialmente irritado e acusou a gente de espalhar propaganda pró-colonial política e estava tentando incitar a plateia contra a gente. Foi uma cena bem tensa e quase rolou briga", afirmou.

Após o vídeo da banda viralizar no Twitter, a banda Scalene publicou no Instagram uma nota, afirmando que não sabia das intenções do projeto.

"Sabíamos que a banda tinha uma mensagem religiosa, mas foi omitida de todo mundo a forma, conteúdo e intuito da turnê deles no nosso país. Bem como todo o histórico desse projeto. Pedimos desculpas aos fãs que ficaram, depois que tocamos, pro show deles aqui em SP."

O cantor Sebastianismos, que tocou no mesmo show no Carioca Club, fez um fio no Twitter explicando que também não sabia que a banda era gospel quando fechou o contrato. Disse ainda que chegou ao final da apresentação, quando os membros estavam trazendo um "caixão de LED" para o palco. O show foi definido pelo artista brasileiro como "circo gospel".

A cantora Day Limns também se pronunciou no seu Instagram sobre a "fofoca emo gospel" que começou a rolar, depois que se apresentou no Circo Voador no último domingo (19). Ela subiu ao palco depois do NLM. "Me falaram que o show dos caras era performático, achei maneiro. (...) Depois do meu show, eles entraram no meu camarim super respeitosos e pediram 'posso orar por você?'," contou a cantora nos stories.

A conversa foi, segundo a artista, cordial. "Não tenho problema nenhum com o fato de os caras serem uma banda cristã. (...) Meu problema tá total na omissão de fatos. É uma parada que gostaria de saber — se existe uma intervenção no meio do show para rolar uma conversão das pessoas e se existe uma organização por trás, financiando tudo isso, com o intuito específico de atrair essas pessoas," explicou.

NLM continua em turnê pelo Brasil — deve fazer a última apresentação em Curitiba, em 26 de junho. Cefa, que se apresentaria na mesma data, cancelou sua participação. " Conversamos muito sobre essa situação e devido a coisas que estão fora do nosso alcance, não nos sentimos confortáveis em realizar esses shows", afirmaram em uma postagem de Instagram nesta terça-feira (21).