PUBLICIDADE
Topo

'Vim pra jogar, eu fui eu': Big Brother Cajazeiras agita bairro de Salvador

O paredão do BBCaj com Carine Santos, Mel Oliveira e Scarlet Almeida - Divulgação
O paredão do BBCaj com Carine Santos, Mel Oliveira e Scarlet Almeida Imagem: Divulgação

João Diniz

Colaboração para o TAB

29/03/2021 04h00

"Vai começar agora, na hora da novela?", reclamava uma das participantes do BBCaj, no grupo de WhatsApp do bairro soteropolitano de Cajazeiras. O anúncio de eliminação, naquela terça-feira, estava marcado a princípio para 20h, mas com a oscilação do sinal de internet, a videochamada atrasou quase 1 hora -- e começou justamente quando Dona Lurdes ia voltar à saga da procura pelo filho Domênico em "Amor de Mãe", exibida pela Rede Globo.

Em vez de uma casa com mordomias e festas, como é a do Big Brother Brasil, os participantes do BBCaj estão "confinados" em um grupo de WhatsApp e, ali mesmo, participam de dinâmicas, prova do líder, jogo da discórdia e disputa pelo anjo, além das enquetes e -- claro -- brigas. A formação do paredão e o anúncio dos eliminados são feitos em uma videochamada. Tudo é postado no perfil Cajazeiras da Depressão, no Instagram, onde os 41 mil seguidores podem votar para escolher quem vai sair.

Preocupada com a novela, Carine Santos parecia ter mesmo se esquecido de que estava no paredão. No domingo anterior, ela foi posta na berlinda sumariamente pelo líder da semana, Wendell Muniz, e disputava a preferência do público junto com Scarlet Almeida e Mel Oliveira, as outras duas emparedadas.

Em fevereiro deste ano, 16 pessoas lançaram a versão baiana do BBB, criada por moradores do populoso bairro de Cajazeiras, região central de Salvador, e aquela terça-feira seria o fim da linha para alguém na disputa que vai dar ao primeiro colocado R$ 300, uma caixa de som com sistema bluetooth, passagem de ida e volta para Morro de São Paulo, no litoral da Bahia, e um roupão oficial do programa da TV Globo. A final está prevista para o dia 17 de abril.

O início de um sonho

Foi de uma brincadeira na rede social que surgiu a ideia de um reality show com a vizinhança. "Eu pensei: 'Caso tivesse um BBB em Cajazeiras, quem participaria?'. Aí, no meme que postei na página, eu coloquei pessoas que são importantes e conhecidas no bairro, e, no ato, os seguidores começaram a brincar, acharam interessante e insistiram para que a gente fizesse", conta Rosi Costa, uma das administradoras da competição.

Ela, Yuri Santos e Tâmara Sampaio são responsáveis pela organização da página e do jogo. E desde que a brincadeira começou, viram também aumentar o número de seguidores no Instagram, potencializando a possível rentabilidade da rede.

"Nesse momento, como é a primeira vez que a gente faz o BBCaj, não tem tido retorno financeiro através do programa. Mas a página se tornou mais visível, tanto no nosso bairro quanto em outros bairros e cidade, e com isso a gente vem captando mais parceiros", explica a administradora. "Para participantes, a agente fecha parceria. Por exemplo, a gente fecha uma prova do anjo ou prova do líder, e os parceiros sugerem uma premiação para eles. É nesse momento que a gente retorna para os competidores."

Não à toa, os participantes postam nos Stories fotos e vídeos de presentes que recebem, além de comentar sobre produtos e comércios regionais.

Rosi Costa, uma das organizadoras do BBCaj - Divulgação - Divulgação
Rosi Costa, uma das organizadoras do BBCaj
Imagem: Divulgação

Irmãs cajazeiras

Um dos maiores conjuntos habitacionais da América Latina, o bairro Cajazeiras é do tamanho de uma cidade. Começou a ser construído nos anos 1970, e hoje tem mais de 600 mil habitantes, que vivem em 11 sub-bairros -- ou etapas, como também são chamadas.

Todos os participantes do Big Brother local, portanto, moram na região. Alguns são influencers nas redes sociais, como é o caso de Eduardo Bahlls, que passa dos 40 mil seguidores no Instagram. Outros são conhecidos no boca a boca, a exemplo de Jair Leal, um "biker som", que faz anúncios com bicicleta.

É Leal, aliás, quem anda pelas ruas de Cajazeiras reforçando aos moradores a necessidade de isolamento e as medidas de prevenção da covid-19. No áudio da Polícia Militar da Bahia -- que ele reproduz nas caixas de som, após uma sirene estridente --, soa uma voz pedindo atenção à população para cumprir o toque de recolher e cuidar da saúde. "A pandemia não acabou. A situação é grave", dispara.

Se no BBB, o protocolo (quase sempre inquebrável) blinda os jogadores de saberem a realidade de fora da casa, em Cajazeiras isso é inevitável. É o cotidiano quem movimenta as discussões dentro do grupo, como a que tiveram sobre os comércios abertos apesar de decreto municipal proibindo o funcionamento, como parte das medidas de enfrentamento à pandemia.

"Cajazeiras me envergonhando", escreveu um dos integrantes da conversa, se referindo à foto de um supermercado. "Tem um monte aberto mesmo", completou outra pessoa.

"Eu tava lá comprando", interveio uma participante. "Gente, eu tive que ir comprar lá [na feira], porque tá tudo caro, velho. Minha mãe me deu R$ 10, e se eu fosse comprar no mercado não ia vim nada. Se eu não comprasse, meu filho ia ficar com fome."

Mas também há faíscas dentro do grupo. As desavenças podem partir de pequenos detalhes, como uma palavra escrita com grafia errada, por exemplo. "Não é furunco. A palavra certa é furúnculo", corrigiu alguém, em resposta à mensagem de um dos competidores comentando o caso de infecção na pele que um deles desenvolveu naqueles dias.

A réplica não demorou: "Olha só quem apareceu, Mestre dos Magos. Ainda voltou formada em 5 anos de Letras na Uneb". Prato cheio para várias farpas novas. "Eu acho chato ficar corrigindo", criticou outra.

Votação

Xanndy Ock recebeu o resultado final da votação daquela terça-feira pouco tempo antes de fazer o anúncio na videochamada. Com as informações repassadas pelos organizadores do BBCaj, preparou o discurso e o roteiro da noite. Ele é o apresentador do programa, e grava a live do próprio quarto, onde improvisa cenário, organiza a iluminação e conduz as conversas.

Um dos sonhos de Xanndy era entrar pro BBB real. Telespectador assíduo do maior reality show da TV aberta brasileira, o rapaz já se inscreveu duas vezes, mas nem teve retorno da Globo. "É muito difícil entrar, difícil de ser selecionado", pondera. Produtor de conteúdo em redes sociais, repórter, videomaker e comunicador, ele é uma celebridade do bairro.

"Tem sido um aprendizado surreal [apresentar o Big Brother Cajazeiras], é uma decolagem bacana demais", afirma. "Espero que nos próximos anos que vier eu esteja no comando, até Deus dizer: 'Chega, deu, coloca outro no lugar'."

É inspirado em Tiago Leifert que ele quer criar sua marca no programa baiano. "Eu era muito fã de Bial, na época que ele apresentava, mas depois que Tiago veio apresentar, mudou totalmente a visão e a cara do jogo", explica o apresentador ao TAB. "Vejo a forma com que ele brinca com os participantes, a forma de passar informação para o público. Então, no momento, minha inspiração é Tiago Leifert."

Xanndy Ock, apresentador do Big Brother Cajazeiras - Divulgação - Divulgação
Xanndy Ock, apresentador do Big Brother Cajazeiras
Imagem: Divulgação

A escolha

Naquela terça-feira, Xanndy Ock já começou a videochamada avisando que o paredão teve 2.867 votos. Durante 48 horas, as pessoas interagiram com uma enquete nos Stories do Cajazeira da Depressão para eliminar Mel, Carine ou Scarlet.

Ao longo dos dias, torcedores de Scarlet e Mel organizaram mutirões de votos. As duas fazem parte do grupo Arena Pronaica, o equivalente ao vip do BBB global, e queriam desbancar os adversários da Rótula da Feirinha, a xepa.

Mesmo em desvantagem na confusão, no discurso da noite Carine disse que estava tranquila, à espera do resultado. "Negativo ou positivo, foi gratificante participar do jogo, e é isso aí", dizia ela. A mesma coisa falava Scarlet. "Vida que segue. Temos uma jornada para ir, a vida não vai acabar."

Chateada mesmo estava Mel, que não titubeou para reclamar. Também, pudera -- pela quinta vez, ela estava num paredão. "Rapaz, eu já estou saturada disso aqui", resmungou. "Fiz mutirão, e faço novamente, se eu voltar. Vim pra jogar. Eu fui eu."

Apesar do atraso para começar a sessão daquele dia, o paredão se resolveu tão rápido que Carine, mesmo sendo a eliminada da noite com 1.393 votos, ainda teve tempo de ver o restinho de "Amor de Mãe".