PUBLICIDADE

Topo

'Geração Nutella': paladar brasileiro se acostuma a ingredientes mais doces

Ovo de Páscoa da marca catarinense Browneria To Go: casca de chocolate branco e Oreo, recheada com brownie, Nutella e brigadeiro de Leite Ninho - Divulgação
Ovo de Páscoa da marca catarinense Browneria To Go: casca de chocolate branco e Oreo, recheada com brownie, Nutella e brigadeiro de Leite Ninho Imagem: Divulgação

Elisa Soupin

Colaboração para o TAB, do Rio

09/11/2020 04h01

Nem o Google e suas respostas para quase tudo conseguem cravar quem foi a pessoa que misturou, pela primeira vez, o creme de avelã italiano com o leite em pó da tradicional lata amarela. Mas o buscador ajuda a ter uma ideia de quando foi que isso aconteceu: as buscas pela combinação começam a partir de 2015. Mesmo com inventor desconhecido, fato é que a combinação Ninho com Nutella se popularizou pelo país, e há uma imensa variedade de sobremesas disponíveis. Bolo, sacolé, docinhos, brownie, barra de chocolate, sorvete, açaí, pipoca, ovo de Páscoa, panetone — tantas invenções que impediriam este parágrafo de chegar a um fim.

Cinco anos após o início do boom, a consolidação da ninhonutellização da confeitaria no Brasil é um fato: em 2020, no início da pandemia, houve um novo disparo nas buscas de receitas com o sabor. A busca "bolo gelado de Ninho com Nutella" teve crescimento de 350% no mês de março, de acordo com o Google Trends. "Esse tipo de sobremesa já substituiu o casadinho na preferência nacional e é uma novidade que se firmou no gosto das pessoas, veio para ficar", opina a doceira de Fortaleza Nayane Capistrano, vice-campeã do programa de confeitaria "Bake off Brasil: Mão na Massa", do SBT.

Nayane, formada em gastronomia com 10 anos de experiência em confeitaria, hoje se dedica a dar aulas e formar profissionais, mulheres em sua maioria. Em seus cursos, ela — que tem mais de 100 mil seguidores no Instagram — ensina as alunas sobre tudo o que está em alta na confeitaria: brigadeiro gourmet, copo da felicidade, bolo vulcão (em que o sabor é o carro-chefe) e por aí vai.

"Dou cursos há 3 anos e a combinação sempre gera interesse. Se tem o sabor, mais pessoas se inscrevem, querem aprender. O sabor desse leite em pó agrada e a Nutella, até por ser uma coisa importada, encanta as pessoas. Virou símbolo de ostentação", diz Capistrano. O biscoito Oreo, segundo ela, também vem brilhando.

Formada em gastronomia e engenharia de alimentos, a confeiteira Joyce Galvão concorda que o fato de a novidade vir de além-mar ajudou na popularização do produto. "A Nutella chegou no Brasil em 2005 como um produto italiano superespecial, a que ninguém tinha acesso. Ou seja, novidade, e ainda mais gringa, faz sucesso por aqui", diz ao TAB.

No entanto, Galvão acredita que o consumo em massa acaba viciando o paladar. O gosto é definido pelo que é oferecido pela indústria — e essa oferta tende a ser doce, muito doce.

"Ao contrário da gianduia (pasta de chocolate com avelã tradicional), que é potente em sabor e nada doce, Nutella é muito doce. Acho que o brasileiro não conhece o doce bom de verdade. É mais caro, feito por profissionais que estudaram e levam o ofício com paixão. O chocolate e o leite combinam perfeitamente, mas esse produtos são simulacros de comida", diz ela, que explica que o excesso de açúcar tem várias razões para acontecer, inclusive aumentar o tempo de prateleira do produto.

A gourmetização do gourmet

Na zona norte do Rio de Janeiro, no bairro de Olaria, fica a base do buffet Além do Bolo, da chef Cris Riccioppo, 48. Ela trabalha com festas desde os 14, e faz eventos para empresas como Globo Play, Coca-Cola, camarins do Rock in Rio e festas corporativas.

No cardápio, a combinação nunca falta, mas a doceira adiciona outros ingredientes para garantir uma roupagem fina: escondidinho de Nutella com morango e leite Ninho, torta desconstruída de castanhas com Nutella e brigadeiro de Ninho, verrine de cocada mole com leite Ninho e teia de Nutella, brochettes (espetinhos) de leite Ninho recheadas de Nutella, vol au vent de Ninho com (adivinhe?) Nutella e amêndoas torradas e por aí vai.

"É uma geração Nutella. Quando a pessoa que está fechando o evento e escolhendo o cardápio é mais jovem, sempre há uma escolha por esse sabor, porque existe uma memória afetiva de quem consumiu Nutella e Ninho na infância ou adolescência", conta Cris, que tenta trabalhar bem os sabores para suavizar o caráter muito adocicado.

Aos amantes de ninho com Nutella ?? . #brigadeirogourmet #ninhocomnutella #chocolateedoceria

Uma publicação compartilhada por Chocolatê (@chocolateedoceria) em

O sabor da publicidade

Um sociólogo que estuda a gastronomia brasileira, com inúmeros livros publicados sobre o assunto, inicialmente disse que não conversaria com a reportagem. "Não entendo de publicidade", disse ele. TAB pediu para que explicasse. "Não se iluda: não são sabores. O Ninho tem sabor de leite, a Nutella tem sabor de chocolate e avelã. Não tem nada de novo, o que há de novo é uma publicidade de uma intensidade nunca vista. Então, é claro, as pessoas vão passando a consumir e a repetir, repetir, e vai se criando uma base de massa para o consumo", diz ele, que pediu anonimato.

O especialista disse, ainda, que acredita que o sucesso da dobradinha também cai na conta da propaganda, que chega aos doceiros, que reproduzem receitas, e aí, quando alguém procura Ninho com Nutella em um aplicativo de delivery, encontra centenas de opções disponíveis.

A admissão de uma doceira (que também não quis se identificar) de que usa produtos de marcas mais baratas em doces vendidos como "Ninho com Nutella" dá respaldo ao que o estudioso diz: a publicidade pesa. Ninguém está comprando doce de leite em pó com creme de avelã e chocolate. O público quer Ninho com Nutella.

"Tem muita gente que usa produtos 'inferiores' para baratear a produção e vende ali um forjado. Não recomendo isso. Acho que você tem que investir na qualidade e ter o retorno disso", diz Nayane Capistrano, que cobra por um bolo-tsunami o valor de R$ 450 por 20 fatias.

Marque aqui aquela pessoa que ama NUTELLA!

Uma publicação compartilhada por Nayane Capistrano (@nayanecapistrano) em

Nutella não se mistura

Perguntada sobre o fenômeno de seu casamento com o famoso leite em pó, a assessoria de imprensa da Nutella se limitou a responder: "Na categoria 'spreads' (produtos de se passar no pão, no torrada etc), Nutella investiu ao longo dos últimos anos para ser um item presente e considerado no café da manhã do brasileiro, acompanhando diversos alimentos como pães, torradas, crepes e frutas". Nenhuma bola para o companheiro da lata amarela. Já a Nestlé, fabricante do Ninho, não respondeu aos pedidos de TAB para comentar sua relação com o insumo italiano.

A combinação pode até denotar um paladar menos refinado, viciado, ou ser fenômeno de publicidade, mas a verdade é que o brasileiro segue se lambuzando na mistura interracial de alta glicose. Sorte de Renan e Rachel Machado, da doceria Cake Machado, em Ricardo de Albuquerque, bairro da zona norte do Rio. Indiferentes à discussão, eles não têm do que reclamar: o sabor representa cerca de 70% da renda da pequena empresa.

"Sempre que lançamos alguma coisa com o sabor, esse é o mais pedido. Em brigadeiros gourmet, recheio de bolo decorado e também em bolos caseiros, é o que mais sai", contam eles, que estão sempre atrás de boas promoções para comprar os insumos originais para as dezenas de bolo do sabor que costumam vender por semana.