PUBLICIDADE

Topo

Comportamento


Como sobrevivencialistas se preparam para o caos social e epidemias

Julio Lobo, do canal Sobrevivencialismo - Instagram/Reprodução
Julio Lobo, do canal Sobrevivencialismo Imagem: Instagram/Reprodução

Cindy Wilk

Colaboração para o TAB

19/03/2020 04h00

A perspectiva de uma longa quarentena por causa do novo coronavírus não assusta o casal Mayra e Márcio Andrade, que mora com os filhos William (10) e Leonardo (6) em uma casa de 360 m² na cidade de Monte Alto, no estado de São Paulo. No quintal de 120 m² há 20 árvores frutíferas — de bananeira a mangueira, passando por pé de acerola e limoeiro. E também horta, um lago com cerca de 600 kg de tilápias, três coelhas e um coelho, dez galinhas e oito patos, além dos cães de estimação da família. Apenas em 2019, a produção caseira foi de 1,5 tonelada de alimentos.

"Por causa do coronavírus, aumentei as áreas de cultivo e a quantidade de aves. Deixei uma reserva. Sabe qual é a melhor forma do mundo de se conservar carne? É mantendo ela viva", diverte-se Márcio Andrade, ou melhor, Batata. Ele e Mayra, a Dona Raposa, mantêm o site e o canal Guia do Sobrevivente, há 10 anos no YouTube, hoje com 351 mil inscritos e quase 28 milhões de visualizações. Nessa vitrine, a família expõe sua rotina de "sobrevivencialistas", termo que abarca uma tribo de brasileiros que está ativamente se preparando para cenários de crise, que podem ir de uma passageira greve dos caminhoneiros, rupturas de ordem política ou social ou até pandemias como a que estamos vivendo.

 Márcio Andrade (vulgo Batata) e a família - Instagram/Reprodução
Márcio Andrade (vulgo Batata) e a família
Imagem: Instagram/Reprodução

A casa tem ainda dois painéis solares para garantir parte do consumo de energia, assim como coletores de água de chuva e filtros para um caso de desabastecimento. Fogões tipo foguetes construídos em casa são alimentados por pequenas quantidades de gravetos, que vêm das podas das frutíferas do quintal. Há até um "quarto de segurança", verdadeiro bunker selado com concreto e aço, abastecido de itens como papel higiênico, kit de primeiros socorros, grãos e lanternas, onde a família pode se abrigar por dias, em caso de emergência.

"A gente consegue subsistir em casa por muito tempo. Mantendo um padrão de vida normal, um ano, tranquilamente. Nós vamos seguir a orientação do governo à risca. A diferença é que quando o governo fala 'evite sair' para o sobrevivencialista, ele não sai nunca, pois tem tudo em casa. Ele já fez o preparo prévio para justamente não estar no meio da muvuca."

Os preppers brasileiros

"Diferentemente dos EUA, onde a comunidade prepper está muito voltada a acumular, aqui eu vejo que a tendência é outra. Quem se interessa pelo sobrevivencialismo vê isso como uma ideologia e orienta seu estilo de vida para criar seus próprios recursos", diz o psicólogo Julio Lobo, 31, outra figura carimbada no universo dos preppers brasileiros. Seu canal Sobrevivencialismo, desde 2011 no YouTube, tem 1,6 milhão de inscritos e acumula quase 115 milhões de visualizações. São dicas de equipamentos, armas, técnicas de sobrevivência e relatos de aventuras. Uma das séries mais populares é uma em que Julio e seu sócio Anderson Machado constroem do zero um refúgio no meio do mato.

Lobo, que mora com a família na zona rural de Florianópolis (SC), defende que não existe preparação efetiva contra desastres morando em um grande centro urbano. "As cidades são armadilhas mortais por definição. Fica um mês sem coletar lixo, morre todo mundo por falta de higiene e doença. É um lugar extremamente dependente do sistema que nós criamos e, se os sistemas começarem a falhar, vai dar problema. Então a maioria dos sobrevivencialistas que se engajam nisso muda para uma zona mais ruralizada, começa a plantar sua própria comida, cria o que ele precisa sem depender de intervenções externas."

É o caso de Batata, que começou a preparação logo após a crise de 2008, quando a família foi obrigada a fechar a empresa ao mesmo que tempo que descobriu que estavam esperando o primeiro filho. "A partir daí a gente teve que se virar com muito pouco e um dos caminhos que a gente escolheu para isso foi a autossuficiência", diz. Fizeram as contas e perceberam que, com o dinheiro de um pé de alface no mercado, dava para plantar 3 mil mudas. "A solução foi fazer nossa casa parar de gerar despesas e passar a gerar renda, produzir coisas", conta.

 Faca estampada com o logo do Guia do Sobrevivente, de Márcio Andrade, o "Batata" - Instagram/Reprodução
Faca estampada com o logo do Guia do Sobrevivente, de Márcio Andrade, o "Batata"
Imagem: Instagram/Reprodução

Já o caminho de Lobo começa no escotismo. Natural do Mato Grosso do Sul, ele sempre passou as férias em chácaras e fazendas. A paixão pela vida no campo o levou a ser escoteiro dos 12 aos 17 anos, onde aprendeu várias técnicas de acampamento que, aos 18, passou a compartilhar em vídeos. "Percebi que o que eu aplico para ficar seguro no meio do mato, posso aplicar na cidade. Aí surgiu a concepção do canal como ele é hoje, focando no estudo da sobrevivência nos mais variados cenários difíceis que a humanidade pode encontrar."

Como nossos bisavós

Nesse sentido, o modo de vida sobrevivencialista tenta resgatar conhecimentos que a facilidade da vida de hoje nos fez esquecer. "Logo depois da Segunda Guerra Mundial, cerca de 95% das pessoas no mundo sabiam exatamente o que elas precisariam fazer para sobreviver", diz Batata. Segundo ele, se sabia tratar água, plantar, matar uma galinha. "A vida hoje é muito mais confortável. Por outro lado, delegou-se muito trabalho, privando as pessoas de saber do que é o básico para se viver. O sobrevivencialismo vai resgatar muito disso, vai trazer o chamado da terra, para que ela produza coisas em casa. Poxa, dá para fazer uma bela de uma horta até num apartamento."

Lobo vai ainda mais longe. Ele diz que, ao longo da história da humanidade, a maioria do tempo os seres humanos estavam encavernados, escondidos, fugindo de alguma coisa. Segundo ele, temos que nos conscientizar de que essa mentalidade moderna, em que o principal é conforto e liberdade, é novidade para o ser humano. "Muita gente não consegue lidar com a ideia de comer comida racionada por 2 meses, a pessoa vai enlouquecer. Infelizmente, isso é uma coisa que você tem que criar como concepção. O sobrevivencialismo é como a pílula para fora da 'matrix'."

Partindo, então, do princípio de que catástrofes acontecem, o sobrevivencialista se prepara para estar um passo à frente. "Quem vem no canal, vem por prevenção", diz Batata. No limite, para se prevenir ou amenizar as consequências de desastres naturais ou pandemias, mas até mesmo como um projeto de planejar uma vida mais autossuficiente para a aposentadoria, por exemplo. Isso explica por que o público do Guia do Sobrevivente é bem mais velho do que a média de canais do YouTube — 70% tem mais de 30 anos.

Outro dado interessante é que, desde o começo da epidemia, aumentou muito o acesso aos tutoriais de temas ligados à autossuficiência: formas de armazenar alimentos, como cozinhar com gás, como plantar ou montar de kits de primeiros socorros são alguns dos mais acessados.

Pânico é falta de estratégia

Justamente por que o sobrevivencialista já se preparou e introjetou a mentalidade de que tempos duros exigem restrições e sacrifícios, é difícil ele entrar em pânico e se deixar levar pelo "efeito manada". Batata conta que seus seguidores mais antigos estão um passo à frente do que está acontecendo agora. "Agora, eles estão preocupados com uma possível crise financeira após a pandemia e reflexos sociais", diz. Nenhum deles foi correndo para o mercado atrás de máscaras e insumos, até por que essas pessoas já fizeram as preparações aos poucos, ao longo de anos. "Eu, por exemplo, tenho arroz aqui que já está armazenado há 10 anos."

Para quem quer fazer uma preparação básica de última hora para os tempos difíceis que virão por causa da atual pandemia do novo coronavírus, não há mais tempo hábil para traçar um projeto de sustentabilidade. "É hora de fazer um plano que desconsidere o desespero. Você vai precisar de suprimentos para passar um tempo maior dentro de casa, mas sair enchendo carrinho, tentando abastecer a casa na marra, não vai funcionar. A dica é ter uma cesta básica de reserva. Ela é a maior garantia, são itens de longa duração que não são perdidos se a crise acabar daqui 15 dias", ensina Batata.

Cuidar da cabeça é outro grande desafio para uma situação de quarentena. Para Lobo, a dica para manter a sanidade mental é estudar o que está acontecendo por fontes confiáveis, de modo a não se deixar tomar pelo medo irracional. "Além disso, crie uma rotina dentro da sua casa que não te dê a sensação de estar aprisionado. Foque na leitura, no estudo, em tudo que você pode fazer para passar o seu tempo. E vamos em frente. Tempos difíceis exigem restrições, sacrifícios e perdas. Adotar uma mentalidade de tempos normais em tempos de crise é pedir para entrar em uma situação perigosa."

Por falar em crises, elas também levam a mudanças de parâmetros. Se o movimento sobrevivencialista já foi associado ao lunático que carrega a placa "o fim está próximo" ou espera a apocalipse zumbi, hoje os canais de Julio Lobo e Batata recebem cada dia mais comentários de arrependimento. "Muitas pessoas que não levavam nosso estilo de vida a sério por acharem que era coisa de louco, agora escrevem: 'esse negócio faz sentido, pô, eu achava que era só brincadeira'", conta Lobo.

Batata defende que nunca é tarde para começar — e que dá para ser sobrevivencialista até dentro de um apartamento. Para começar, é possível cultivar pequenas hortas nas varandas, ter miniplacas solares nas janelas. Daí para armazenar cerca de 200 litros de água em colchões infláveis de acampamento, manter um estoque de mantimentos dentro do sofá ou até mesmo criar codornas, é um pulo. "O sobrevivencialismo se faz onde a pessoa está. É apenas uma questão de entender que situações difíceis acontecem e que você pode ou não estar preparado para elas."

Comportamento