PUBLICIDADE

Topo

Criados por causa da quarentena, projetos artísticos bombam nas redes

Isadora Zendron, sucesso nas lives do Instagram com sua Boate Class - Arquivo pessoal
Isadora Zendron, sucesso nas lives do Instagram com sua Boate Class Imagem: Arquivo pessoal

Peu Araújo

Colaboração para o TAB

01/05/2020 04h00

O primeiro retrato surgiu na timeline de mais de 100 mil pessoas no dia 18 de março. A quarentena já era realidade para uma parcela da população que goza de privilégios e a legenda estampava, de forma despretensiosa, uma série de retratos que estariam por vir:

Retrato à distância

O fotógrafo, Jorge Bispo — que, de seus 44 anos de idade, passou quase três décadas atrás das câmeras — já publicou em seu Instagram mais de 40 retratos para esta série. Entre as pessoas fotografadas estão Alexandre Nero, Flávia Alessandra, Johnny Massaro, Pitty, Nando Reis, Fernanda Paes Leme, Andre Mifano e Rita Wainer. "Não tive uma ideia pré-concebida, algo que eu pensei para desenvolver. [O projeto] surgiu naturalmente, por conta da situação. Por isso que eu nem considero muito um projeto. Acho que é algo que só depois, com o olhar de fora, talvez eu consiga ver dessa maneira. É muito mais um work in progress, algo que você vai fazendo naturalmente, que você não sabe o que que é, o que vai gerar de verdade, de prático."

Retrato à distância

Bispo explica que os primeiros fotografados foram amigos mais próximos e pessoas que ele costumava ver antes da quarentena pelo seu bairro, o Jardim Botânico, no Rio de Janeiro. Depois, outros artistas e amigos menos próximos surgiram. O retratista fala sobre como as fotos o têm ajudado. "Acho que é muito mais uma terapia ou algo para você se sentir produzindo", mas também discute a necessidade de ser uma pessoa produtiva. "Não que eu ache que as pessoas devam se sentir obrigadas a fazer nada produtivo ou criativo, não. Da minha parte, eu gostei e me fez bem. É uma coisa muito individual. Eu tava assim: 'tá, tô terminando [o seriado] Ozark, alimentei os gatos, molhei as plantas, agora deixa eu ver? Sobrou bastante tempo no dia.'"

O fotógrafo revela, ainda, que a base da nova ideia veio de uma conversa com a namorada, que já trabalhava de casa. "Ela falou: 'agora talvez seja a hora de você arrumar o seu arquivo de fotos e fazer um período de TBT'". Ele continua. "Ela veio com sugestões olhando para o passado e aí, quando eu comecei a fazer isso, ela falou: 'que loucura, eu te apontei o passado e, no dia seguinte, você mirou o futuro'". Ele comenta também sobre a preguiça de revisitar o passado. "Acho que nem uma quarentena para me fazer ser tão organizado."

Sobre os retratos, Bispo finaliza: "de modo geral, todos se conectam, porque cada um tá vivendo a quarentena do seu jeito, todos em casa."

No último dia 14, foi ao ar o clipe de "Fechado Com Você", de Matheus VK. O clipe foi feito de forma colaborativa e passa uma mensagem sobre a importância do distanciamento social. A música tem produção de Kassin, Tomás Tróia e Lux. Jorge Bispo, fotografando por FaceTime, assina a foto de capa do single. Assista:

Lives de dança

Em um apartamento na Santa Cecília, no centro de São Paulo, uma mulher dança na frente do celular por horas a fio. Do outro lado, centenas de pessoas — às vezes mais de mil — tentam reproduzir os passos seja na coreografia de "Physical", da Dua Lipa, "Stupid Love", da Lady Gaga, "Malemolência", de Dynho Alves ou "Braba", da Luisa Sonza. Em poucas semanas, Isadora Zendron, a mente e o corpo à frente da Boate Class, se tornou um fenômeno para desopilar as paranoias com a quarentena. A sala de seu apartamento — um espaço não muito grande, com taco de madeira, dois sofás e luzes de casa noturna ao fundo, iluminando uma mesinha de escritório — se tornou o cenário de suas aulas de dança. Entre os milhares de arrobas solitários que proliferam em sua tela de celular, a Boate Class de Zendron deu um salto de seguidores. Ela se tornou algo que um dia já temeu: influenciadora digital.

A Boate Class, para mim, sempre foi um projeto físico. Até tenho uma equipe de marketing, e eles propuseram de fazer alguns vídeos no YouTube, mas eu não queria entrar para esse mundo online. Por outro lado, confesso que estou gostando da experiência, porque acho que isso tem acontecido de uma forma verdadeira, já que não tenho que fingir que sou perfeita
Isadora Zendron, professora de dança

A primeira aula online da Boate Class, coincidentemente, aconteceu também no dia 18 de março — dia da primeira foto à distância publicada por Jorge Bispo. Outra coincidência entre os dois projetos é a participação da atriz e apresentadora Fernanda Paes Leme, que tem publicado sua recuperação nas redes sociais depois de ter sido diagnosticada com Covid-19. Zendron explica: "A Fernanda Paes Leme compartilhou a aula e várias outras pessoas acabaram compartilhando. Ganhei muitos seguidores naquela semana: tinha 9 mil e fui para 15 mil. Foi uma loucura."

O poder do digital

Num passado recente, quando ainda podíamos nos abraçar, a professora dava 14 aulas semanais, todas presencialmente — e atingia pouco mais de uma centena de alunos por semana. Agora, reserva as noites de quarta-feira e as tardes de domingo para lives no Instagram. Ela explica a rotina das aulas: "na quarta-feira é disco diva, sempre uma diva do pop, alguma coisa mais performática. Aos domingos, é o mais bagaceiro Brasilzão. Acho que neste fim de semana vou até colocar um 'É o Tchan'. É mais descontraído."

Em tempos bicudos, Boate Class tem a leveza como marca principal  - Arquivo pessoal
Em tempos bicudos, Boate Class tem a leveza como marca principal
Imagem: Arquivo pessoal

Zendron também levanta um ponto importante para o sucesso de suas aulas: a leveza. "Acredito que outra coisa que me diferencia dessas outras professoras de dança é que eu não quero que as pessoas percam peso e acertem o passo. A questão é realmente dançar pra ser feliz. Acho que isso também faz com que a Boate Class tenha dado certo na quarentena, porque tá todo mundo meio exausto de ter que ser bom em tudo. É legal você fazer alguma coisa podendo errar."

E a grana das aulas presenciais? A dançarina fala um pouco sobre o problema que tem afligido a maioria dos brasileiros: a grana. "Meu faturamento era estável, querendo ou não, ali na aula, mas foi pro saco. O que foi muito bom é que algumas marcas viraram minhas parceiras, então me pagam para fazer lives — que não faço pela Boate Class. Essa semana, tenho algumas. A maioria é paga, e esse dinheiro tem me ajudado", afirma.

Em breve, Isadora Zendron vai anunciar uma aula exclusiva para assinantes. O encontro virtual será focado em consciência corporal e dança, além de um bate papo com a professora, e poderá ser visto em outro perfil do Instagram, o rabaterapia. O valor será de R$ 9,99 e as informações estarão disponíveis nas redes sociais da Boate Class.