PUBLICIDADE

Topo

Ícone queer, Walter Mercado ajudou na valorização da astrologia no Brasil

Dono de uma estética andrógina e única, Walter Mercado ajudou na valorização do astrólogo no Brasil - Getty Images
Dono de uma estética andrógina e única, Walter Mercado ajudou na valorização do astrólogo no Brasil Imagem: Getty Images

Marie Declercq

Do TAB

06/07/2020 04h00

Walter Mercado é uma figura difícil de esquecer para quem assistiu muita televisão brasileira nos anos 1990. No seu programa — exibido durante as madrugadas no SBT, Band e TV Manchete (transformada em RedeTV!) —, o astrólogo aparecia super maquiado, com um capacete loiro de laquê e roupas extravagantes, prometendo previsões infalíveis de seus "discípulos" para quem quisesse ligar para seu disk 0900 — e pagar quase R$ 5 por minuto. Com o português carregado de seu sotaque portorriquenho, Mercado virou uma figura mitológica da TV brasileira graças ao bordão "ligue djá!".

Nascido em 1932, Mercado começou sua jornada como dançarino, atuou em peças de teatro e em telenovelas e, no finalzinho dos anos 1960, passou a fazer previsões astrológicas em um segmento de um programa do país. Foi um sucesso absoluto. Com isso, passou a dominar o mundo astrológico em praticamente todos os países das Américas. No Brasil, seu visual opulento, um misto de Hebe Camargo e Liberace vinham juntos de uma aparência simpática — que remete àquela tia da família ligada aos assuntos místicos.

Em sua longa carreira, Mercado gravou inúmeros programas de previsões dos astros, se imortalizando como uma grande personalidade da televisão, especialmente dentre a comunidade latina — dividindo opiniões, inclusive, sobre sua metodologia ser charlatanismo ou não. Em 2019, aos 87 anos, Mercado morreu de insuficiência renal em Porto Rico.

Mais ou menos um ano após sua morte, a Netflix anunciou o lançamento do documentário "Ligue Djá: O Lendário Walter Mercado", prometido para a próxima quarta-feira (8). Para entender o legado do astrólogo no Brasil, o TAB conversou com especialistas no assunto.

Profeta New Age

Em um documentário exibido na TV Bandeirantes em 1998 sobre misticismo, Mercado já era mencionado como dono de um império mundial de astrologia, conquistando fãs e seguidores em diversos países — e atingindo status de celebridade mística. Seus comerciais eram espalhafatosos, cheio de depoimentos de atores contando as maravilhas que as previsões trouxeram para suas vidas. O guru prometia tudo: previsões sobre amor, dinheiro, viagens e espalhava mensagens de amor para seus espectadores.

O caldeirão esotérico, misturando todo tipo de religião, não foi muito bem recebido por grande parte da comunidade de astrologia brasileira. No entanto, segundo Alexey Dosworth, doutor em Filosofia e pesquisador associado à Universidade Ca Foscari de Veneza, Mercado foi um dos responsáveis pela popularização e reconhecimento da astrologia no país.

"Os astrólogos brasileiros sempre foram muito bem organizados como entidade de classe. Eles procuravam se afastar ao máximo de qualquer tipo de imagem que remetesse ao Walter Mercado. Antes de ele chegar ao Brasil, já havia um certo horror em associar astrologia ao misticismo. Não sei dizer se é assim no resto do mundo, mas, no meio astrológico brasileiro, existe com certeza um certo preconceito com outras práticas ditas esotéricas — como o tarô, por exemplo", explica.

Reconhecimento da astrologia

"O meio astrológico brasileiro sempre foi repleto de gente com muito dinheiro, com uma estética nada semelhante a do Walter. Diria que é até uma coisa mais revestida de aura empresarial, com sites muito bem feitos e eventos caríssimos, realizados em hotéis. Em geral, costumo dizer que existe uma certa ingratidão do mercado astrológico brasileiro em relação ao Walter, porque ele foi responsável por uma série de coisas positivas que aconteceram aos astrólogos daqui. Em seu disk 0900, ele obviamente não atendia o telefone, mas ele emprestava a imagem. Então, você ligava e falava com astrólogos. Quando isso veio ao Brasil, os astrólogos contratados para falar no 0900 do Walter eram brasileiros e ganhavam uma grana com isso. Passavam o dia todo fazendo previsões", diz Alexey Dodsworth.

O filósofo também credita a popularidade do disk 0900 de Mercado para a valorização do trabalho de astrólogos em horóscopos de jornais. Segundo ele, antes de a internet chegar de vez ao país, em meados dos anos 1990, era comum que os jornais e revistas impressas e programas de rádio inventassem um personagem fictício para fazer previsões que não eram pautadas nos estudos astrológicos. "Quando ele entrou no mercado daqui, empresários que não eram astrólogos começaram a ver que a parada dava dinheiro. Antes dos anos 1990, os astrólogos não eram pagos para fazer jornal. Essa coisa de pagar os astrólogos foi pós-Walter", conta.

Walter Mercado em 2001 - Getty Images - Getty Images
Walter Mercado em 2001
Imagem: Getty Images

Ícone queer?

Ao longo de sua carreira na televisão, o astrólogo foi bombardeado por perguntas sobre sua identidade e orientação sexual. Mercado sempre desviou das perguntas, especialmente aquelas sobre sexo. Sua relação com sexo, segundo ele mesmo comenta do documentário da Netflix, é espiritual; sua estética desafiou as convenções do que é ser homem na comunidade latina. E por esse motivo, Mercado pode ser considerado um ícone queer da sua geração.

Apesar de sua metodologia caótica (e questionável) no ramo não ser reconhecida por quem estuda a astrologia, Mercado teve um impacto estético que reverberou nos jovens astrólogos. "Ele deixou um legado muito incrível no imaginário de muita gente sendo essa figura queer, acolhedora. Foi uma influência estética para mim e ajudou a construir o imaginário que eu tinha, quando era criança, desse universo esotérico. Na época dos comerciais, morava com meus avós bem evangélicos — e a figura do Walter sempre me fascinou bastante, porque não conhecia ninguém que se vestisse como ele. Parecia uma figura meio andrógina, uma senhora, parecia a Hebe Camargo, mas era o Walter. Aquilo me deixava muito intrigada. O que grudou na minha mente era a performance de gênero dele", conta Bruna Palumbo, astróloga conhecida também por Madame Br000na.

A astrologia tem passado por um período de renascimento entre jovens, mudando muito sua linguagem e abordagem nas previsões dos astros para se ajustar aos tempos atuais. Cativando audiências ao enviar mensagens de amor e esperança, Mercado foi uma das personalidades que ajudou a despertar esse interesse pelo esoterismo — mesmo que sua abordagem fosse bastante centrada em sua própria imagem.

"Na minha opinião, Walter Mercado foi mais influente para a cultura queer do que exatamente para a astrologia", diz Kyalene Mesquita, astróloga e fundadora do Instituto Solare. "Ele gerou um olhar mais interessado para o 'ocultismo' nas pessoas que o escutavam. De certa forma, ajudou muita gente a lidar com seus caminhos e questões pessoais, sempre descreveu de maneira excêntrica e direta as previsões para os signos (acredito que ele foi um ótimo criador de memes). Mas foi exatamente por sua individualidade — acredito que muito além da astrologia —, sua influência e importância foi maior como um vislumbre dos seres do futuro, universais, com estética andrógina e influenciadora", diz.

Dorian Gray de Porto Rico

"Tem muito mais performance do que astrologia de fato", analisa Carolina Carneiro Leão, astróloga, taróloga e doutora em Sociologia pela UFPE (Universidade Federal de Pernambuco). "Essas figuras acabam construindo uma ideia de que o astrólogo é uma pessoa extravagante ou esotérica. Às vezes, até é, mesmo. Mas não necessariamente. Porém, a popularidade alcançada faz com que se associe a astrologia e o astrólogo a esse conteúdo quase folclórico. Eu diria que ele sintetiza uma ideia folclórica sobre a astrologia, causando repulsa em quem trabalha numa linha tradicional pelo mau uso dos termos, da técnica."

A ideia de um "fast-food astrológico" — criada por Mercado — dita até hoje a forma como sites de astrologia se comunicam com interessados por meio da internet. No entanto, não representa a complexidade do trabalho de quem se debruça nessa ciência. "Por que prejudica? Porque o trabalho do astrólogo requer um tempo de estudo simbólico e matemático. Não dá pra falar de destino numa consulta de 10 minutos, por telefone. Uma consulta de mapa, às vezes, dura quatro horas. Mas é inegável que, depois dos anos 1990, essa linha de 'astrologia express' se transformou numa marca da internet de hoje, com sites e serviços oferecendo consultas rápidas", explica Carneiro.

Ao longo do documentário sobre a trajetória de Mercado, fica claro que o legado deixado pelo astrólogo é mais pop do que místico. Sim, Walter fazia previsões para cada signo, mas foi sua figura desafiadora de normas de gênero e sua performance na TV que o eternizou. A parte mística é mero detalhe. De qualquer forma, é impossível desviar o olhar de qualquer foto de Mercado usando suas suntuosas capas e ostentando seu cabelo loiro moldado por laquê. Como o próprio se definiu ao assumir "alguns" retoques que fez na face, ele foi um Dorian Gray (em referência ao romance de Oscar Wilde) — envelhecendo apenas em um quadro escondido em algum lugar da sua mansão atolada de cacarecos.