PUBLICIDADE

Topo

Autora negra antecipou o abolicionismo na literatura brasileira em 1859

A escritora Maria Firmina dos Reis, em desenho: não há imagem da autora disponível, e retrato que conhecido é na verdade da escritora gaúcha Maria Benedita Cãmara - Câmara dos Deputados/Reprodução
A escritora Maria Firmina dos Reis, em desenho: não há imagem da autora disponível, e retrato que conhecido é na verdade da escritora gaúcha Maria Benedita Cãmara Imagem: Câmara dos Deputados/Reprodução

Milena Buarque

Colaboração para o TAB

12/08/2020 04h00

"Sei que pouco vale este romance, porque escrito por uma mulher, e mulher brasileira, de educação acanhada e sem o trato e a conversação dos homens ilustrados (?)." É assim que Maria Firmina dos Reis (1822-1917), então professora de primeiras letras de São José de Guimarães, vila litorânea no Maranhão, inicia "Úrsula", obra publicada em 1859.

Pedindo licença para que o livro pudesse caminhar entre nós, a autora, registrada como "uma maranhense" no frontispício da primeira edição, não poderia imaginar qual seria o impacto de sua "tímida e acanhada" produção: "Úrsula" não apenas se tornou a obra inaugural de nossa literatura afro-brasileira — marcando de vez a posição de Firmina na historiografia literária nacional —, como antecipou em no mínimo dez anos os debates abolicionistas que viriam aterrissar nas terras do então Império.

Conhecido como o primeiro romance de autoria negra e feminina no Brasil — e o primeiro no gênero a ser publicado por uma mulher negra em todos os países de língua portuguesa —, o livro apresenta em suas páginas o drama da escravização muito antes do surgimento de obras canônicas da literatura brasileira, como "O Navio Negreiro" (1870), de Castro Alves, e "A Escrava Isaura" (1875), de Bernardo Guimarães.

"O pioneirismo não está só no fato de Firmina ter publicado uma obra literária. As próprias características da produção vão marcar essa importância. Até então o negro, quando aparecia na literatura, era objeto das reflexões estético-políticas dos escritores brancos, geralmente homens. Firmina, como uma mulher negra no século 19, rompe com isso", explica ao TAB o sociólogo Rafael Balseiro Zin, mestre em Ciências Sociais pela PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo) e especialista em Estudos Brasileiros pela FESPSP (Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo).

Autor de "Maria Firmina dos Reis: a trajetória intelectual de uma escritora afrodescendente no Brasil oitocentista" (2019), Balseiro conheceu a autora de "Úrsula", "Gupeva" (1861), "Cantos à Beira-Mar" (1871) e "A Escrava" (1887) durante uma pesquisa centrada em Luiz Gama, precursor do abolicionismo no país. Como era ser negro e escritor no Brasil do século 19?

Foi no mestrado que o sociólogo passou a mergulhar na vida e na obra da autora maranhense, que diz ser um dos maiores patrimônios da cultura brasileira. "Ser negra e escritora naquele contexto ensina que o Brasil não era necessariamente esse país binário que a gente pensava que era. O exemplo dela é muito interessante, porque mostra que era possível romper com essas estruturas binárias e se estabelecer. Claro, dependendo de muita negociação. Não à toa, o prólogo do livro de Firmina inicia com um pedido de desculpas. A autora pede desculpas ao seu leitor e ao universo masculino por estar apresentando o seu escrito", afirma.

Ventos abolicionistas na literatura

O primeiro recenseamento demográfico no país, que data de 1872, mostrava que 89,6% da população brasileira — somando livres e escravizados — era composta por analfabetos. O fato de Firmina ter ocupado o cargo de professora à época já a coloca em posição de destaque em uma sociedade que começava a ser estruturada nos pilares fundantes do patriarcado e da escravidão. Ainda que sua obra tenha sido publicada no fim da década de 1850, Balseiro diz haver indícios de que o livro possa ter sido finalizado antes disso.

Prenunciadora na denúncia da condição social ocupada tanto pela mulher quanto pelo negro escravizado na sociedade, a autora e sua obra foram, por fim, destinadas a um longo esquecimento de 100 anos. Como embrião do abolicionismo na literatura, Firmina abriu caminho para uma série de futuras obras notáveis, ainda que seja custoso mensurar sua influência. "Como o livro circulou apenas no Maranhão, e talvez não tenha ido para a Corte, é difícil dizer que a obra tenha influenciado", sinaliza Balseiro.

O abolicionismo era apenas uma das ideias novas que chegavam aos portos brasileiros por meio dos contatos travados entre intelectuais. Ideias estas que pululavam em países europeus e nos Estados Unidos, como o anticlericalismo, o darwinismo e o liberalismo, entre outras correntes filosóficas e políticas.

Lugar de fala

Na visão de Maria Helena Pereira Toledo Machado, especialista em história social da escravidão, abolição e pós-emancipação, e autora do texto introdutório da edição de "Úrsula" da Penguin & Companhia das Letras, ainda que não tenha tido impacto sobre romances abolicionistas posteriores, Firmina traça a escravidão com tintas muito vívidas, mostrando a violência e a crueldade desse sistema de dominação, sem que defenda uma saída violenta para ele.

"Ela propõe a saída da escravidão pela paciência, resignação e não a corrupção dos bons. Essa é uma solução que a gente encontra na literatura sentimental abolicionista que circulou no Atlântico nesse período, entre os Estados Unidos, a Inglaterra, Portugal e o Brasil", explica a professora, doutora em História Social pela USP (Universidade de São Paulo) Segundo Toledo Machado, a prosa brasileira da década de 1860 ainda estava distante do abolicionismo.

Primeira autora negra a publicar no país, acredita-se que Firmina não tenha sido a primeira escritora brasileira. "Páginas de Uma Vida Obscura", de Nísia Floresta, antecedeu "Úrsula" em seis anos. Ao que tudo indica, tanto Nísia quanto Maria Firmina se inspiraram em outro romance que circulou com notável sucesso no período: "A Cabana do Pai Tomás" (1852), de autoria da escritora norte-americana Harriet Beecher Stowe, apontado também como uma das influências para o conflito da Guerra de Secessão.

Na visão da pesquisadora, a originalidade que Firmina apresenta em sua obra se sobrepõe ao intenso debate a respeito do fato de a autora ter sido pioneira ou não na escrita. O que a maranhense faz, pela primeira vez em caráter quase único na literatura brasileira do século 19, foi transformar personagens negros em pessoas que portam uma subjetividade.

"A mãe Susana, em 'Úrsula', tece uma reflexão sobre si própria, sobre sua vida. Firmina invoca uma subjetividade e uma capacidade de cidadania em seus personagens negros", pontua Toledo Machado.

Em meio à trama de um casal branco de enamorados, no melhor estilo ultrarromântico, Maria Firmina dos Reis introduz personagens negros que são capazes de falar de si próprios. "Eles não estão lá para segurar o enredo principal. Apesar de não serem os personagens centrais, se tornam extremamente importantes no romance ao apresentarem uma reflexão sobre suas próprias vidas", diz a professora.

Ainda que o germe inaugural de "Úrsula" não seja replicado em obras futuras sobre a escravidão no país, na visão de Balseiro o romance provoca aquela sociedade a pensar a sua condição econômica, a questão moral e a própria condição das mulheres e dos negros no Brasil oitocentista. "Talvez ela não tenha dado um salto. Talvez ela em si seja o salto. Firmina, antes de Castro Alves — que é o grande nome do abolicionismo na literatura — já estava ali mostrando, em primeira pessoa, como que se dava essa questão da captura, do cativeiro, do trabalho forçado nas lavouras e nos territórios brasileiros."

O renascimento da autora

Se no século 19 Maria Firmina dos Reis teve de pedir licença para se introduzir no universo masculino, mais de cem anos depois, especificamente a partir de 1975, quando sua obra foi resgatada pelo historiador Horácio de Almeida, a autora passa a ter a sua fortuna crítica consolidada. Já são 39 dissertações e teses feitas sobre ela, sendo a primeira de 1987, e mais de uma dezena de reedições de "Úrsula", com uma grande concentração de publicações a partir de 2017, no centenário de falecimento da autora, e 2018, quando a UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) passou a adotar a obra como leitura obrigatória em seu vestibular.

Previsto para ser publicado também em inglês, no segundo semestre de 2021, o livro de Firmina foi traduzido por Cristina Pinto-Bailey e já se encontra pronto para ser lançado pela Tagus Press, selo da Universidade de Massachusetts. Segundo a tradutora, o volume incluirá uma introdução crítica assinada por ela, a respeito da autora e sua obra, e uma "nota do tradutor", em que discute algumas questões relativas ao estilo narrativo de Maria Firmina.

"Na última década, tivemos de fato um um boom de projetos desenvolvidos sobre ela. A grande maioria dos trabalhos se debruça sobre 'Úrsula', mas agora a gente percebe que as pesquisas estão avançando. Costumo dizer que Firmina era uma ilustre desconhecida. Hoje ela passa a ser uma ilustre conhecida", sintetiza Balseiro.