PUBLICIDADE
Topo

Podcast

Caoscast

Conversas sobre comportamentos e tendências que fazem a cabeça dos brasileiros


CAOScast: 100 anos pós-Semana de 22, quem tem vergonha de ser brasileiro?

Mais Caoscast
1 | 25

17/02/2022 04h01

Há exatos 100 anos, um grupo de artistas, escritores e agitadores culturais protagonizou a Semana de Arte Moderna, um evento no Teatro Municipal de São Paulo que marcou o Brasil de forma inescapável. Até hoje, tem sido debatido.

Na edição desta semana, o CAOScast entra nessa discussão. Se os modernistas de um século atrás traziam a ideia da antropofagia, a proposta que eles colocam agora para a compreensão da nossa própria brasilidade é a de autofagia.

Isso porque a própria noção do que é ser brasileiro e do que é o Brasil está em transformação. O que implica, então, em novos métodos para analisar o fenômeno.

Marina Roale, líder de pesquisa da Consumoteca, explica que o autofagismo permite que o brasileiro digira e ressignifique alguns símbolos, já que existem muitas referências e contradições que merecem ser revistas "para ajudar a encontrar o Brasil de verdade". "A autofagia é uma referência aos conceitos que foram debatidos na Semana de 22. Remete à ideia da digestão, do filtro. É a autodigestão que o brasileiro precisa fazer cotidianamente para entender o país", comenta ela (ouça a partir de 8:25).

Para o pesquisador Michel Alcoforado, é esse filtro que ajudará a resolver "o grande dilema de 2022". Depois dos últimos anos de intensa polarização, seria a hora de juntarmos os cacos das relações humanas no país.

"É preciso olhar para dentro e ver como a gente vai conseguir conversar com gente que, depois da era do confronto, a gente se deu conta de que não valia muito a pena conversar. Esse papel de reconstrução de pontes vai ser um dos grandes dilemas deste ano, que promete ser intenso, como a Semana de 22 foi no século passado", diz ele (a partir de 33:00).

Alcoforado contextualiza: a era do confronto surgiu justamente quando a visão "do que era o Brasil" deu espaço para o questionamento dos símbolos e das narrativas.

"A ideia harmoniosa do Brasil foi se desmoronando, muito por conta da importância dos movimentos sociais que começaram a entrar com gana nesse embate, para tentar pôr na mesa questões mais pautadas pelo discurso da desigualdade, da violência e do preconceito", explica ele (a partir de 17:40).

Se por um lado isso escancarou conflitos, por outro, o pesquisador defende, "foi importante no desenvolvimento da brasilidade, porque possibilitou que a gente tivesse tirado de debaixo do tapete um bocado de sujeira que 500 anos de história estavam se esforçando para que esquecêssemos" (ouça em 19:00).

"A gente ficou muito tempo dando murro em ponta de faca e isso cansa, faz a gente ter até um pouco de preguiça do debate, da discussão. Mas com o novo olhar que propõe o estabelecimento de um filtro, a gente sai da era do confronto e entra na era da negociação", acrescenta a pesquisadora Carmela Moraes (a partir de 21:00).

Ouça o episódio completo de CAOScast no player acima e mergulhe de uma maneira muito mais atual e diferente na importância da Semana de Arte Moderna e seus desdobramentos.

Este e os outros podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts e em todas as plataformas de distribuição de áudio. Você pode ouvir CAOScast, por exemplo, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts, Amazon Music e YouTube.